Sobre A Luz E A Escuridão

921A Torá começa com o fato de que o Criador criou o céu e a terra, dia e noite, escuridão e luz – estados opostos. É aqui que tudo começa.

O Criador sempre gera o dia, a luz. E a noite, a escuridão, é sentida onde nada brilha para nós. Precisamos corrigir esse sentimento de noite, escuridão, para nos levar a um estado em que a escuridão brilha como luz e se torna como dia.

Acontece que em qualquer estado nós devemos sentir o dia, a presença do Criador. Se sinto noite, escuridão, desamparo, se não há desejo, energia, desejo de avançar, de doação, amor e unidade, isto é, de correção e conexão com a alma de Adam HaRishon, então preciso corrigir esse estado.

É apenas em relação a mim que isso parece como noite, escuridão, fraqueza e desesperança. Não espero que o Criador mude esse estado porque, “Ele não brigará até a eternidade …” Eu entendo que esses estados me foram dados intencionalmente para que eu possa mudá-los trabalhando em grupo e orando, exigindo minha correção, e não pedindo ao Criador para mudar o mundo ao meu redor.

Eu devo ser o primeiro em todas as mudanças e deixar que a força da correção venha do Criador. Com relação ao Criador, eu sempre me vejo como um criminoso que precisa de correção e, portanto, sou grato ao Criador pelo que Ele faz por mim. Afinal, todos os meus estados começam com a noite, como está escrito: “E houve tarde e houve manhã, um dia”.

“Que todo dia seja um novo dia”, isto é, o Criador condensa a escuridão para mim cada vez mais, para que eu possa transformá-la em luz. Se formos corrigidos, o dia brilhará para nós, teremos adesão com o Criador, revelação, realização, entendimento e conexão.

Como não cometer um erro e se certificar de que isso é dia e não noite? Se neste estado eu quero me conectar com meus amigos e o Criador, então isso é um dia. No entanto, se não desejo isso, então isso não é um dia real, não o dia do Criador, mas a noite, na qual sou como um morcego que pode ver à noite. No entanto, o morcego vê apenas escuridão, mas pensa que é um dia.

Precisamos entender claramente a diferença entre um galo e um morcego para não sermos infectados por vírus, como o coronavírus que recebemos dos morcegos. Para o Criador, existe apenas o dia. E os morcegos que governam à noite, ou seja, as forças da escuridão e da separação, dormem durante o dia porque têm medo da luz real, da luz de doação, amor e unidade.

Precisamos trazer esta luz ao mundo, e todos os símbolos e raízes da escuridão desaparecerão. A luz do Criador só pode ser atraída despertando a luz de Hassadim. Afinal, essa é uma condição necessária: a luz da conexão e amor, a luz de Hochma, não brilhará sem a vestimenta da luz de Hassadim. Portanto, antes de tudo, devemos cuidar da luz de Hassadim, a luz dda doação, o abraço mútuo.

Ainda não temos forças para doar, mas realmente queremos alcançar isso. Tendo preparado a luz de Hassadim, atrairemos a luz de Hochma por meio dela. Esse trabalho, quando tentamos ver tudo através da luz de Hassadim, a luz de doação ao Criador, é chamado de fé acima da razão.

No entanto, também apreciamos a noite porque ela nos mostra o lugar onde precisamos corrigir nossa atitude, corrigir a noite. O dia e a noite do Criador no trabalho espiritual não são luz e escuridão no sentido egoísta, mas dia e noite na capacidade de elevar-se acima do nosso egoísmo e alcançar a doação um ao outro e ao Criador.

O que são luz e escuridão? A luz é a força da doação. A luz de amor, a luz de Hochma, não despertará até que haja a luz de Hassadim. O Criador é revelado apenas na luz de Hassadim, na luz de doação do nosso lado, de acordo com a equivalência da forma.

Ele quer doar, e nós queremos doar. Na medida em que queremos doar ao Criador, revelamos o que o Criador deseja doar a nós. A medida de nossa e Sua doação determina a condição para a revelação da luz do Criador. É como um convidado e um anfitrião. Se o hóspede deseja agradar o Anfitrião, ele se permite provar a comida preparada por Ele.

A conexão espiritual significa que cuidamos um do outro para que todos estejam em doação. Eu peço pelos outros e ela age – o Criador brilha através de mim. Todos fazemos isso e recebemos a luz do Criador que desperta a força de doação mútua em nós.

Assim, a luz de Hassadim emerge entre nós, dentro da qual a luz de Hochma se manifesta. No entanto, à luz de Hassadim, já sentimos que estamos em um estado espiritual. Os crimes se transformam em erros e, portanto, somos considerados justos incompletos.

Somente nosso desejo, nossa oração, pode atrair a luz de Hassadim até nós, que pode nos dar a qualidade de doação. Devemos nos unir e chorar juntos ao Criador, como pintinhos em um ninho abrindo suas bocas avidamente. A principal condição é: almejar isso juntos, caso contrário, não será em prol da doação.

Se sozinho eu viso ao Criador, me torno uma Klipa porque exijo para mim. A condição para a demanda certa de que a luz me corrija e abra meus olhos é pedir por todos. Esse é um teste muito claro.

Dizem: “A sociedade ou a morte”. Se peço por todos, recebo a vida e, se não peço pelo grupo, me condeno à morte.

Sem a escuridão, não haverá luz e, portanto, “Houve tarde e houve manhã, um dia”. O Criador criou a escuridão, Ele não precisou criar a luz porque a luz é Sua essência.

A escuridão é uma criação especial criada pelo Criador. Isso não foi fácil, porque a escuridão é o oposto do Criador. O Criador tem que lidar com os estados que odeia, mas fez isso para nos permitir entender a escuridão e a luz e nos tornarmos como o Criador, conhecendo o bem e o mal.

Da 1a parte da Lição Diária de Cabalá, 05/07/20, Escritos do Rabash, Artigo 34, “O que São Dia e Noite no Trabalho?” (1988)

Comente