“Sob Pressão – Uma Sociedade À Beira Do Colapso” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Sob Pressão – Uma Sociedade À Beira Do Colapso

Quando você assiste ao noticiário, pode pensar que o mundo está no fundo do poço. Por um lado, você tem a epidemia de coronavírus que está devastando o país e o mundo inteiro. Por outro lado, você tem uma economia instável que luta para se manter à tona. E no meio disso, você tem tensões raciais em todo o país e uma eleição presidencial que se aproxima. É de admirar que as pessoas estejam tão tensas hoje em dia, que haja tanta violência e raiva? A sociedade está à beira do colapso

Nossas relações sociais são o problema, elas contaminam nossos relacionamentos, e o desrespeito às ordens dos médicos é simplesmente um sintoma de nosso desrespeito mútuo.

Não faz sentido desenhar cenários pós COVID, já que as pessoas não são cegas; elas veem que a COVID não vai a lugar nenhum. Em todo o caso, ele está se instalando mais profundamente no país. Como as coisas estão hoje, eu não invejo o próximo presidente. Nada que qualquer governo possa fazer irá aliviar a ansiedade das pessoas, livrar-se do vírus ou colocar a economia de volta aos trilhos.

Mas, de fato, agora não precisamos fazer nada; precisamos entender! Precisamos da perspectiva correta e depois saberemos o que fazer.

Precisamos perceber que o mundo ao nosso redor mudou. Não voltaremos ao consumismo excessivo, ao turismo frenético e à atitude nociva que orgulhosamente chamamos de “capitalismo”. Graças a Deus, o vírus matou todos eles; eram velhos, tinham inúmeras doenças de fundo e o vírus acabou com eles. Nesse sentido, o vírus nos curou.

Na verdade, o fato do coronavírus ser tão contagioso é uma bênção disfarçada. As pessoas eram tão hostis umas às outras e se sentiam tão sozinhas que dezenas de milhões de jovens americanos foram forçados a encontrar refúgio em abuso de substâncias, depressão, todo tipo de escapismo e violência extrema, tanto em homicídios quanto em suicídios. Se seguirmos as ordens dos médicos e mantivermos nossa distância social e usarmos nossas máscaras, pelo menos deixaremos de nos machucar. Depois, podemos começar a pensar em nos reconectar de uma maneira não-tóxica.

Não é por acaso que ficar a dois metros de distância é chamado de “distância social” e não “distância física”, que é o que é. Nossas relações sociais são o problema, elas contaminam nossos relacionamentos e o desrespeito às ordens dos médicos é simplesmente um sintoma de nosso desrespeito mútuo. Se quiséssemos curar o país, poderíamos encerrá-lo simplesmente seguindo suas ordens por algumas semanas e o vírus desapareceria. Mas não nos importamos um com o outro, fazemos o que queremos e o vírus está tendo um dia de campo.

Se não começarmos a mudar nossa atitude uns com os outros, o coronavírus destruirá nosso sistema de saúde, devastará toda a população, perturbará as cadeias de suprimentos, os produtos não chegarão às lojas e todo o dinheiro que o governo despejará nas contas bancárias das pessoas não as ajudarão a alimentar seus filhos, pois as prateleiras estarão vazias.

Este é o futuro que estamos construindo para nós mesmos apenas porque não nos importamos um com o outro. Na realidade de hoje, uma pessoa não pode viver desrespeitando os outros. Isso é chamado de “responsabilidade mútua” e hoje é essencial para a nossa sobrevivência. Se a exercitarmos, viveremos e viveremos bem. Se a rejeitarmos, morreremos de fome.

Comente