“Pragas Dos Tempos Modernos” (Medium)

Medium publicou meu novo artigo: “Pragas Dos Tempos Modernos

Ainda não nos recuperamos de uma praga e a próxima chegou. Uma nuvem de poeira gigante do deserto do Saara atingiu os estados ao longo da costa do Golfo dos EUA, afetando a qualidade do ar. O fenômeno não é incomum, mas seu tamanho e força são incomuns, de acordo com a NASA. A tempestade de poeira recorde veio ao mesmo tempo que as informações da invasão de um enxame de gafanhotos na América do Sul, destruindo até 80% das colheitas em seu caminho. E tudo isso está acontecendo enquanto a pandemia de coronavírus está se espalhando cada vez mais rápido. Os sinais da natureza são inequívocos; só precisamos aprender a lê-los para passar do estado de desamparo para a esperança.

Após longas gerações de desenvolvimento, a natureza agora exige que amadurecemos e nos perguntemos: para que estamos vivendo, qual é o sentido de nossa existência, queremos continuar com a vida cotidiana sem entender o que devemos fazer e por qual propósito?

Definitivamente, estamos passando por tempos semelhantes às dez pragas do Egito antigo. Prevê-se que mais doenças cheguem. Sem considerar o impacto de outros fatores ambientais que já colocam em risco a suficiência alimentar, a ONU estima que apenas a crise do coronavírus poderia dobrar o número de pessoas que sofrem de fome aguda para 265 milhões em todo o mundo até o final deste ano.

Quando as pessoas enfrentam golpes incompreensíveis e os olham superficialmente, surgem teorias do fim dos tempos. A magnitude e a frequência dos desastres são certamente percebidas como uma “tempestade perfeita” preocupante para as pessoas. No entanto, essas epidemias e outras calamidades naturais ocorrem para levar a humanidade a examinar seu curso de ação em relação à natureza e repensar seus objetivos acima de uma mera vida existencial.

Após longas gerações de desenvolvimento, a natureza agora exige que amadurecemos e nos perguntemos: para que estamos vivendo, qual é o sentido de nossa existência, queremos continuar com a vida cotidiana sem entender o que devemos fazer e por qual propósito? A natureza quer que respondamos a essas perguntas e cresçamos. Até agora, avançamos inconscientemente como crianças pequenas, lideradas por um desejo egoísta de receber para nós mesmos, correndo atrás de prazeres fúteis em detrimento dos outros.

A abordagem egoísta humana contradiz o equilíbrio perfeito de todo o sistema natural. Portanto, a natureza nos empurra por trás até nos tornarmos conscientes e entendermos o programa que controla a criação. É uma espécie de “software da natureza” interno que opera todos os aspectos do nosso planeta. Precisamos decifrar o código desse sistema, penetrá-lo e participar ativamente do gerenciamento de toda a realidade.

Depois que entendermos como esse programa funciona, ajustando nossa atitude um para o outro, fixando nossos relacionamentos, afetaremos positivamente todo o sistema. Acima de todas as tendências egoístas naturais, devemos aprender a criar laços de conexão, consideração, responsabilidade mútua e amor. Apenas pensando na direção da consideração mútua, toda a natureza começará a se acalmar. Traremos equilíbrio a toda a humanidade, a toda a terra e a todo o universo, uma vez que o pensamento é a força mais poderosa da realidade.

Os pensamentos funcionam de maneira semelhante a um campo magnético. Não vemos as forças operando por trás desse campo, mas elas existem e se influenciam. Da mesma forma, nós humanos afetamos positivamente os outros através de nossos pensamentos sobre como aumentar a conexão.

Nada acontece por acaso ou sem propósito. O mundo está enfrentando enormes desafios. Embora eles geralmente sejam percebidos como insuportáveis, podemos ver seu lado positivo se percebermos que esses golpes nos ajudam a acelerar o processo de conexão. Eles visam nos unir, revelar como dependemos um do outro para sobreviver e prosperar. Mas não devemos esperar que desastres despertem o senso de unidade entre nós. Fixando nossas relações humanas e nossa interação com a natureza, seremos capazes de evitar esses golpes e sentir a integridade e a benevolência da natureza.

Comente