“Por Que Todo O Ódio?” (Medium)

Medium publicou meu novo artigo: “Por Que Todo O Ódio?

Para onde olhamos hoje em dia, parece que o ódio está engolindo o mundo. Não é como se não houvesse ódio antes, mas nos últimos meses, parece que não há como escapar dele.

Por um lado, o ódio foi reconhecido como a característica mais básica do homem, se você preferir. Até a Bíblia escreve: “A inclinação do coração de um homem é má desde a juventude” (Gênesis, 8:21), por isso não podemos esperar muito mais das pessoas. Por outro lado, a julgar pela recente escalada na violência dirigida ao racismo (e os protestos contra ela), parece que o ódio está empurrando a América para além do limite.

Desenvolver o amor não é uma relíquia da década de 1960; é a única maneira de entendermos verdadeiramente o mundo em que vivemos, uma vez que é a única coisa que está desequilibrada no equilíbrio da natureza, e a única coisa que a natureza não se equilibra por si mesma, mas que nos resta fazer.

O ódio é uma característica exclusivamente humana. Nenhum animal odeia outro animal, mesmo quando se alimenta dele ou quando é alimento para outro animal. Certamente há medo, mas não há ódio. As pessoas são diferentes: seu ódio manifesta sua satisfação pela dor ou humilhação de outra pessoa.

Mas há uma boa razão pela qual os seres humanos possuem um elemento tão vil em sua natureza: eles são as únicas espécies que pretendem compreender a criação e o propósito da criação. Na criação, tudo existe através de um equilíbrio dinâmico, também conhecido como homeostase, entre opostos. Os opostos são necessários para a nossa percepção. Não podemos detectar luz sem escuridão, calor sem frio, saciedade sem fome, felicidade sem tristeza e bom sem mau.

Em todos os níveis da natureza, o equilíbrio acontece naturalmente. Nos seres humanos, o equilíbrio é mantido naturalmente apenas no nível biológico. No nível humano, social, nada é mantido naturalmente. Se você observar a vida social dos animais, descobrirá que eles são perfeitos para suas espécies: estáveis ​​e quase completamente imutáveis. Não há diferença fundamental, por exemplo, entre a maneira como os cães se comportaram dois séculos atrás e como eles se comportam hoje. Mas compare as pessoas há dois séculos com as pessoas de hoje, e você dificilmente encontrará algo que permaneça o mesmo.

A diferença entre animais e pessoas é que a natureza governa a vida social dos animais, determina como eles devem se comportar. Eles obedecem aos seus instintos naturais e tudo corre bem. As pessoas, por outro lado, não têm uma bússola interna. Devemos aprender tudo, especialmente quando se trata da sociedade. No nascimento, a natureza nos dá apenas um desejo animal de sobreviver, que, à medida que crescemos, evolui para um desejo de ter prazer na dor e humilhação de outras pessoas.

Mas há uma razão para isso: se desenvolvermos a característica positiva dentro de nós, o oposto positivo do negativo inerente, descobriremos como toda a natureza funciona, pois toda a natureza também funciona equilibrando os opostos. Este é o grande presente que a natureza deu apenas aos seres humanos: a capacidade de desenvolver o equilíbrio que sustenta toda a realidade por eles mesmos. É por isso que a natureza nos deu metade – o negativo – e nos deixou construir o positivo. Se nos tivesse dado ambos, estaríamos vivendo por instintos como todos os outros animais.

Portanto, desenvolver o amor não é uma relíquia da década de 1960; é a única maneira de entendermos verdadeiramente o mundo em que vivemos, uma vez que é a única coisa que está desequilibrada no equilíbrio da natureza, e a única coisa que a natureza não se equilibra por si mesma, mas que nos resta fazer. Quando fizermos isso, entenderemos a natureza e saberemos como navegar em nossas vidas de maneira tranquila e pacífica.

Vejamos onde não sabemos como nos comportar instintivamente: paternidade, relacionamentos, relações sociais com colegas na escola, no trabalho ou na companhia de estranhos. Em todas as áreas do envolvimento humano, precisamos desses códigos para compensar a ausência de amor entre nós. E como o nosso ódio um pelo outro continua crescendo, precisamos constantemente “atualizar” nossas regras e regulamentos, que ainda não podem realmente compensar a ausência de amor. Se o compensassem, não veríamos uma escalada tão impressionante nas taxas de depressão, abuso de substâncias, suicídio e violência.

Se tivéssemos amor um pelo outro na sociedade, não precisaríamos de códigos morais ou mesmo regras e polícia. Melhor ainda, criaríamos o oposto do ódio, o equilíbrio que governa toda a natureza, exceto a humanidade. Não apenas seríamos capazes de navegar em nossas vidas com sucesso, mas compreenderíamos verdadeiramente a criação e o propósito da criação.

Comente