“Os Millenials Na Vanguarda Da Pandemia Econômica, Por Quê?” (Medium)

Medium publicou meu novo artigo: “Os Millennials Na Vanguarda Da Pandemia Econômica, Por Quê?

REUTERS / Nora Savosnick

Enquanto os idosos são muito mais vulneráveis ​​à doença do coronavírus, o impacto da pandemia econômica certamente tem um rosto jovem. A geração Y na América e em todo o mundo enfrenta um distúrbio econômico específico devido às enormes perdas de empregos nas indústrias relacionadas a serviços que forneceram sua principal fonte de renda. Isso não é coincidência; as dificuldades surgem como um apelo à ação para que a nova geração leve o mundo a um futuro mais promissor, reconstruindo os velhos sistemas econômicos e sociais falidos.

A crise exige uma nova educação para um novo estilo de vida baseado nas mesmas leis de apoio mútuo e reciprocidade que existem na natureza.

Para os millenials (a geração do milênio) – aqueles nascidos entre 1981 e 1996 que agora têm entre 24 e 39 anos – a epidemia de coronavírus tem sido especialmente dura. Eles não haviam se recuperado completamente da crise financeira de 2008 antes de serem duramente atingidos por essa nova crise causada pela COVID-19. Suas economias limitadas afetam sua capacidade de enfrentar a crise. Um estudo recente revelou que 76% dos millennials pesquisados ​​disseram que sua renda familiar foi afetada negativamente pela pandemia, tornando-os os grupos demográficos mais atingidos e os que lutam para cobrir suas necessidades mais básicas.

A pandemia de coronavírus revelou como nosso sistema econômico atual, baseado na competição destrutiva às custas de outras pessoas, deixa vulneráveis ​​grandes faixas da sociedade e corre o risco de virar pó num piscar de olhos. Mostra como nossas estruturas atuais não oferecem aos jovens o que eles precisam para prosperar. Sentindo-se desanimados e frustrados, eles não veem futuro nesses sistemas.

Os millennials serão os pioneiros, e precisam perceber que toda essa agitação está acontecendo com eles especificamente para pressioná-los a tomar o futuro em suas próprias mãos e começar a criar um mundo novo e melhor para todos.

Embora ainda não a possamos entender, uma enorme mudança na realidade está em andamento. A pandemia colocou sobre os ombros de uma nova geração de jovens, que agora está sofrendo muito, um papel e uma responsabilidade especiais para construir uma nova estrutura social que promova conexões estáveis ​​acima de todas as diferenças e disparidades da sociedade para o benefício de todos.

Os millenials imploram para serem ouvidos, mas não sabemos ouvir, pois nossa geração ainda opera de acordo com velhos paradigmas. Até agora, os padrões descuidados das interações humanas que permeiam nossos sistemas econômicos e sociais criaram um vasto abismo entre as gerações. Para piorar a situação, não conseguimos criar um sistema educacional adequado a eles. Construímos uma visão de mundo estreita e conflitante ao nosso redor, que divide o mundo e força todos a se defenderem e a competir com os outros a todo custo.

A crise exige uma nova educação para um novo estilo de vida baseado nas mesmas leis de apoio mútuo e reciprocidade que existem na natureza.

Um novo vento está soprando no mundo, mudando a orientação e os costumes antigos. Os jovens são sugados por um redemoinho de desespero, cujas profundidades os levarão a ancorar em novas margens seguras. A salvaguarda e a boia salva-vidas nesse cenário devem ser o princípio “ame o seu próximo como a si mesmo”, o princípio mais importante para alcançar a realização sem fim – o tipo de perfeição que todo ser humano visa, e que só é possível quando todas as contradições dentro homem se conectam na mente e no coração.

Enquanto isso, a geração jovem luta uma guerra pela sobrevivência. Ainda temos que perceber que algo na realidade está se restaurando, o velho mundo está morrendo e um novo está nascendo. A mudança está evoluindo rapidamente, por isso temos que nos apressar em acompanhar, abrindo rapidamente muitos cursos e centros de educação para ajudar os jovens a fazer uma transição suave entre os dois mundos. Os millennials serão os pioneiros, e eles precisam perceber que toda essa agitação está acontecendo com eles especificamente para pressioná-los a tomar o futuro em suas próprias mãos e começar a criar um mundo novo e melhor para todos.

Seria sensato, por parte de países e nações, oferecer aos jovens abrigos alternativos em hotéis e patrocinar estudos sobre como sobreviver em um novo mundo que se baseia em melhores relações sociais e sistemas mais equilibrados. Ensine os jovens pioneiros a serem cidadãos, não no sentido de habitantes de um país específico, mas como construtores de uma nova sociedade humana, fundada em boas conexões que envolvem todos na fraternidade. Desses jovens cidadãos, surgirão os líderes de amanhã. Eles entenderão que formas o novo Estado deve assumir, quais conexões devem prevalecer entre as pessoas e como educar as novas gerações. Eles criarão uma atmosfera boa e bonita que toda a sociedade desfrutará.

É a hora dos millennials exercerem liderança, unindo todas as facções da sociedade e fundindo-as em um sistema com uma visão comum – uma visão que a América e o mundo precisam para esta geração e para as que estão por vir.

Comente