“O Verdadeiro Tratamento De Recuperação Para Uma Europa Dolorida” (Thrive Global)

O Thrive Global publicou meu novo artigo: “O Verdadeiro Tratamento De Recuperação Para Uma Europa Dolorida

A necessidade de implementar essas leis de mutualidade e integração é agora mais evidente na era dos coronavírus do que nunca.

A chanceler alemã, Angela Merkel, e o presidente francês, Emmanuel Macron, partem após sua videoconferência conjunta no final da cúpula europeia na sede da UE em Bruxelas, Bélgica, em 21 de julho de 2020. John Thys/Pool via REUTERS

Os nervos da Europa não foram acalmados pelo anúncio pomposo de um fundo de estímulo sem precedentes para reconstruir as economias do continente gravemente danificadas pela pandemia de coronavírus. A acentuada recorrência de casos em países como Espanha, França e Alemanha, que se pensava estar com a COVID-19 de alguma forma sob controle, provou que o vírus e seus efeitos devastadores não desaparecerão tão cedo. O problema não será sanado pela unidade dos bolsos da Europa, mas pela unidade do coração das pessoas.

A infusão de US$ 2 trilhões no sistema econômico europeu foi acordada pelos 27 líderes da União como doações e empréstimos para os países membros mais afetados do continente. O acordo maciço, ainda à espera de ser ratificado pelo Parlamento da UE, foi promovido como o nascimento de uma nova Europa, mas as condições e o plano de desembolso do fundo geraram dúvidas entre seus oponentes dentro de um bloco que considera o medicamento pior que a doença.

Embora o pacote de recuperação pareça ser uma resposta importante às necessidades mais prementes da Europa, o acordo, na melhor das hipóteses, pode fornecer apenas uma solução cosmética. Por quê? Porque, como expressado décadas atrás, quando o bloco de nações foi criado, uma correspondência entre esses parceiros não poderia dar bons resultados. Como está escrito: “A dispersão dos ímpios é boa para eles e boa para o mundo” (Mishna, Sinédrio 71b). Por “ímpios”, nossos sábios se referiam àqueles controlados por sua natureza egoísta divisiva de benefício próprio às custas de outros. Em outras palavras, a União Europeia é apenas uma cobertura de camuflagem para uma falsa unidade, e continuará sendo assim até que a natureza egoísta das pessoas seja alterada.

Os desequilíbrios europeus e as disputas egoístas internas do bloco não permitirão que os membros se conectem de todo o coração. Eles têm o coração seco um para o outro. Desde a fundação da UE, seus membros não demonstraram realmente preocupação com a prosperidade e a estabilidade uns dos outros, nem fizeram esforços para elevar as gerações futuras a se tornarem mais responsáveis ​​e cuidadas uma pela outra do que a atual. Assim, enquanto a natureza egoísta da pessoa permanecer inalterada, também não haverá mudança autêntica na sociedade.

No entanto, a pandemia de coronavírus nos lembra constantemente que não temos outra opção a não ser avançar em uma direção diferente, rumo a uma unidade mais genuína do que nunca entre as pessoas. A sociedade humana emergiu como um sistema global integral que une nações, economias e culturas e, portanto, os problemas que a Europa e o mundo experimentam têm a mesma raiz comum: o egoísmo estreito e cruel.

O remédio para esses problemas pode ser encontrado em um método educacional desenvolvido especificamente para transcender o problema desse egoísmo subjacente. Portanto, a crise só pode ser resolvida com uma abordagem abrangente que inclua a conexão humana como fator essencial para permitir uma solução duradoura para o problema. Sem as relações humanas profundamente enraizadas na integração e na verdadeira preocupação pelo outro, todas as reformas bombásticas estão destinadas a fracassar.

Se o plano da UE incluísse uma cláusula principal que pedisse educação, ou um parágrafo exigindo a disseminação de novas relações humanas em todo o continente, ou mesmo um apêndice declarando a intenção de aproximar os cidadãos, ainda é possível acenar e concordar que há uma chance que algo possa dar certo. Mas não existe tal base no acordo, nenhuma inclinação para a conexão e nenhum movimento para abolir o ego. Portanto, não podemos esperar que algo de bom venha de meras ações técnicas, a partir de uma assinatura em um documento.

Mesmo que a UE tivesse um bilhão de euros a mais para investir, a decisão ainda não teria produzido resultados positivos. Pelo contrário, os levaria a resistências e confrontos ainda mais fortes, a guerras e lutas duras e a surtos de novas pragas.

Por quê?

Porque o plano de estímulo falha em levar em consideração o equilíbrio da sociedade com as leis da natureza, leis que operam como um sistema integral em que todas as partes, independentemente de sua dimensão e status, cumprem um papel necessário e se complementam no funcionamento apropriado do sistema.

A necessidade de implementar essas leis de mutualidade e integração é agora mais evidente do que nunca na era do coronavírus. Agora, a natureza exige que percebamos a falência de nossos sistemas egoístas passados ​​na sociedade e subamos a uma nova consciência unificada. Mesmo um simples pensamento na direção da verdadeira unificação seria um grande passo, não apenas para o nascimento de uma nova Europa, mas para o nascimento de um novo mundo.

Publicado em 27 de julho de 2020

Comente