“O Que Devo Fazer Para Me Sentir Menos Estressado?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: O Que Devo Fazer Para Me Sentir Menos Estressado?

A natureza humana é o desejo de desfrutar, e nós estamos em repouso quando desfrutamos.

O problema hoje, que também é o motivo pelo qual o estresse está aumentando, é que o nosso desejo de desfrutar cresce de uma geração para a outra e, portanto, precisamos de mais e diferentes tipos de prazer para nos satisfazer.

Da mesma forma, como todos nós desejamos desfrutar cada vez mais, nos encontramos em uma situação em que precisamos compartilhar com os outros, e fica cada vez mais difícil desfrutar de nossas vidas.

Assim, ficamos cada vez mais estressados.

Além disso, o aumento do estresse coincide com mais ataques cardíacos, depressão e abuso de drogas. Em outras palavras, mais estresse equivale a uma maior probabilidade de doença.

Pode parecer que o estresse influencia indiretamente a doença, mas na verdade é a principal causa da doença. Todas as doenças do corpo, especialmente os órgãos internos, como doenças cardíacas e pulmonares, podem ser rastreadas de volta ao estresse.

O estresse nos acompanha por toda a vida, desde o momento em que deixamos os braços de nossa mãe até o momento em que morremos.

Quando crianças, vivenciamos o estresse no jardim de infância porque somos colocados em um lugar que não queremos estar. Antes dos dias do sistema escolar, os filhos eram criados por suas mães e avós, e mais tarde seguiam os passos das ocupações de seus pais, mantendo-se dentro do círculo familiar.

Hoje, precisamos atender aos mais altos padrões da sociedade. Isto é, somos criados com exemplos de concorrência acirrada, a fim de alcançar riqueza e sucesso pródigos, e estamos sob pressão constante para acompanhar os padrões sociais de hoje.

Situações em que os pais trabalham o dia todo, negligenciando os filhos, tornaram-se comuns. Tais filhos são deixadas nas mãos de jardins de infância e escolas diariamente, desde o início da manhã até a tarde, um ambiente que por si só é muito estressante.

Por natureza, as crianças precisam ser criadas dentro da família ou em um círculo mais amplo que sentem como sua própria família. No momento em que as crianças são extraídas de um ambiente familiar e colocadas em jardins de infância e escolas, elas sofrem estresse devido à insegurança em seu novo ambiente.

Para encontrar calma, segurança e confiança, as crianças tentam ser como seus pares, procurando “se esconder” entre eles.

Após o estágio inicial de adaptação, quando se sentem aceitas pelos colegas, o desejo de desfrutar continua pressionando-as por dentro, fazendo-as querer se destacar.

Elas oscilam entre o estado confortável em que se encaixam e a ambição de expressar seu orgulho e poder. Quanto maior o ego, mais elas estão dispostas a sair da zona de conforto e se arriscar.

Esses dois polos de permanecer em nossas zonas de conforto versus o desejo de ser uma figura proeminente na sociedade permanecem conosco a vida inteira, colocando-nos sob estresse constante.

Além disso, as influências sociais e da mídia que continuamente nos bombardeiam com imagens competitivas, materialistas e individualistas de sucesso, ou seja, onde ser mais bem-sucedido é percebido como ser mais forte, mais rico, mais rápido ou mais exclusivo do que outros de várias maneiras, adiciona imensamente ao estresse que sentimos, à medida que se torna cada vez mais difícil se destacar em tal sociedade. Assim, as taxas de depressão, ansiedade, solidão, abuso de drogas e suicídio aumentam juntamente com o aumento das taxas de estresse.

Portanto, ao entender a natureza do estresse e como ele é um aspecto integrante da sociedade em que somos criados, podemos concluir que, para se sentir menos estressado a longo prazo, é necessário uma solução não apenas no nível de “O que devo fazer para me sentir menos estressado?”

Uma solução abrangente e duradoura para reduzir o estresse requer aumentar nosso sentimento de conexão na sociedade, para que sintamos a sociedade como uma grande família.

Basicamente, o paradigma competitivo, egoísta, materialista e individualista em que estamos, que valoriza o “indivíduo mais forte, maior, mais rápido e mais rico”, precisa ser invertido, de modo que valorizamos mais a contribuição para a sociedade do que o sucesso individual.

Estaríamos no caminho de criar vidas mais equilibradas para todos, reduzindo o estresse e os problemas relacionados.

Comente