“O Capitalismo Está Arruinado, O Que Vem A Seguir?” (Newsmax)

Meu artigo no Newsmax: “O Capitalismo Está Arruinado, O Que Vem A Seguir?

O capitalismo está morrendo há muito tempo, mas não sabíamos disso. Nós pensávamos que estávamos praticando-o; pensávamos que era o sistema econômico mais avançado que a humanidade já concebeu, enquanto na verdade está arruinado há muito tempo ou, como define o Webster’s Dictionary, “completamente terminado, derrotado, destruído, incapaz de funcionar”. De fato, o capitalismo foi destruído pela própria força sobre a qual pretendia capitalizar: o ego humano.

Quando surgiu a humanidade, o capitalismo era a coisa certa na hora certa. Facilitou o progresso, a concorrência saudável e, em muitos casos, a chance de construir uma boa vida com base na vontade de trabalhar duro. Mas nas últimas décadas, o vínculo entre trabalho e renda foi quebrado e esmagado, substituído pela magia financeira e pela exploração do poder financeiro para obter ganhos políticos e vice-versa. E apenas para demonstrar a desconexão, pergunte a si mesmo: se todos os setores e serviços no país estão quebrando recordes negativos agora, como Wall Street está atingindo recordes positivos? É assim que se parece um elo quebrado entre trabalho e renda. Muito poucos ganham com isso.

Agora, graças ao coronavírus, está se tornando evidente que o capitalismo seguiu seu curso. Acredito que a maré de ações que vimos após a queda inicial quando a COVID-19 ocorreu pela primeira vez é o canto dos cisnes do capitalismo. Como a repentina aparente recuperação de um moribundo antes do colapso final, Wall Street está comemorando atualmente. Mas será de curta duração. Muito em breve, começará seu declínio final. Pode ser um processo mais longo ou mais curto, mas, de qualquer forma, o capitalismo seguiu seu curso.

Para mim, a pergunta mais preocupante é: “O que vem a seguir?” Porque, se não tomarmos cuidado, os sinais estão apontando para uma nova era sombria. As forças radicais estão se tornando cada vez mais descaradas e procuram derrubar a democracia e o capitalismo e instalar o totalitarismo. Pode assumir a forma de comunismo, fascismo ou nazismo, mas, seja o que for, não beneficiará o povo comum.

No entanto, isso acontecerá apenas se permanecermos ociosos. É evidente para todos que o mundo hoje é um sistema integral cujas partes estão todas interconectadas. Tudo o que cada um de nós faz afeta toda a humanidade. Nesse sistema, cuidar apenas de nós mesmos é uma prerrogativa que não podemos pagar. Devemos desenvolver um pensamento mais inclusivo, onde calculamos nossas ações de acordo com o benefício de nossas comunidades, cidades, países e, finalmente, o mundo, em vez de apenas o nosso. Se estivermos cientes disso, não temos desculpas para sentar e deixar que os eventos se desenvolvam por conta própria. Precisamos espalhar a palavra de que todos somos responsáveis ​​um pelo outro.

As violentas lutas que estamos vendo agora são contraproducentes para a causa da responsabilidade mútua, uma vez que apenas aumentam o ódio e a separação. Estar interconectado e ser interdependente significa que cuidamos um do outro. Assim como eu não agiria violentamente em relação a um membro da minha família com quem discordo, também devo evitar a violência contra os outros, em quem confio, mesmo que não goste deles por qualquer motivo.

Não estou apoiando o socialismo e certamente nem o comunismo de qualquer espécie. Também não tenho uma afiliação política específica. Meu interesse é o bem-estar da humanidade. Portanto, estou endossando carinho, consideração mútua e responsabilidade mútua.

O sistema econômico resultante após o fim do capitalismo será algo que nunca tentamos antes, pois nunca nos importamos um com o outro, a menos que fossem familiares (e mesmo assim nem sempre). Não há um esboço claro dessa nova economia, pois ainda temos que começar a cuidar um do outro, mas assim que começarmos a cuidar, saberemos o que devemos fazer.

É um pouco como uma mãe de primeira viagem. Até que ela tenha seu primeiro filho, ela não tem ideia de como é ser mãe. Mas assim que a criança nasce, de repente ela sabe. Ela sente o que deve fazer porque seu amor guia a maternidade.

O mesmo vale para uma sociedade que se baseia em cuidar. Até começarmos a construí-la, não saberemos como deve ser. Mas assim que dermos o primeiro passo, o conhecimento virá do nosso cuidado um pelo outro.

É possível e é urgente. Se esperarmos, as forças totalitárias radicais ganharão força demais e colocarão a sociedade no caminho completamente oposto.

Comente