“Não Há Como Evitar Mudanças” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Não Há Como Evitar Mudanças

Quando ficou claro que a COVID-19 está se espalhando pelo mundo, país por país fechou suas fronteiras e trancou seu povo em suas casas, prometendo que tudo terminaria em dois meses (lembre-se de que eles ainda queriam realizar as Olimpíadas de Tóquio em julho?). Mas agora está claro: não há alívio à vista, pois gafanhotos, fome e terremotos estão servindo à humanidade golpe após golpe após golpe.

A natureza é um professor persistente; não vai desistir até desistirmos e concordarmos em mudar.

A natureza é um professor persistente; não vai desistir até desistirmos e concordarmos em mudar. Ela não nos enviou esses tormentos sem motivo. Temos cultivado comportamentos abusivos com os outros e com a natureza há gerações. Por várias décadas, recebemos alertas constantes de que havíamos ido longe demais com a cultura “eu, eu, eu” e que devemos mudar. Não quisemos ouvir. No final, a natureza teve que nos parar e dizer: “Fiquem em casa!”

Mas assim que a natureza começou a se acalmar e nos mostrar sua beleza, assim que o ar e a água começaram a clarear, voltamos ao normal. Pode ter sido “normal”, mas certamente não estava certo.

Então agora a natureza decidiu intensificar suas medidas: ela está nos enviando enxames de gafanhotos de proporções bíblicas, como alguns jornais os chamavam, com fome e sede nunca vimos antes, inclusive nos Estados Unidos, mas sua demanda não mudou: Comece a pensar um no outro; diga “nós” antes de você dizer “eu” e tudo ficará bem.

Essa abordagem “nós” é o paradigma que percorre toda a natureza; nós não podemos ser excluídos. A única razão pela qual estamos sofrendo agora é que pensamos que poderíamos seguir nosso próprio caminho.

No final, a natureza nos ensinará que, se quisermos nos sentir bem, precisamos primeiro ver que os outros se sentem bem. Essa é a única estipulação da natureza para transformar nossas vidas em céu na Terra. Podemos adotar essa mentalidade e desencadear o surgimento da felicidade agora mesmo, ou tentar mais algumas manobras egoístas antes de jogarmos a toalha. Podemos não ter liberdade de escolha, mas temos toda a liberdade do mundo para escolher a felicidade.

Comente