Epidemia De Mentiras

laitman_293O diretor geral da Organização Mundial da Saúde disse que as notícias falsas (fake news) se espalham mais rapidamente e são mais contagiosas do que o próprio coronavírus. Portanto, temos que lutar não apenas contra epidemias, mas também contra uma “infodemia”.

O Secretário-Geral da ONU disse que a infodemia é nosso inimigo comum e se ofereceu para combatê-la juntos. O que faz uma pessoa dar informações falsas e confusas?

O fato é que todos vivemos em um mundo de mentiras. Mentiras se espalham pelo mundo e são passadas de uma pessoa para outra consciente ou inconscientemente. Todo mundo distorce as informações da maneira que lhe for mais conveniente, ocultando coisas que não lhe são benéficas. É o que todo mundo faz.

É como um jogo de telefone sem fio: quando as notícias são transmitidas ao longo da cadeia, nem uma única palavra do que a primeira pessoa disse chega à décima pessoa. Mas quando crescemos e nos tornamos adultos, continuamos o mesmo jogo, apenas as mentiras se tornam muito mais sérias.

Portanto, não é de se surpreender que o nosso mundo esteja cheio de mentiras e você não possa confiar em notícias que protejam os de direita ou os de esquerda, estipulando o lado oposto. Hoje, não há mídia independente.

O coronavírus nos levou ao fato de que ninguém acredita em ninguém por causa de notícias falsas espalhadas em todas as direções. O problema é que a mídia não está mais focada no público, mas é politizada e está conduzindo uma guerra entre a direita e a esquerda, entre diferentes grupos interessados.

Portanto, eles sempre têm dinheiro para esta guerra; eles não dependem mais de os leitores comprarem este jornal.

Hoje, os jornais não dependem de compradores, mas recebem financiamento dos círculos financeiro e governamental. Portanto, não há confiança nas informações distribuídas na mídia.

Eles imprimem alguns relatórios médicos não confirmados sobre drogas contra o vírus. Mas por que as pessoas acreditam nessa mentira e até parecem precisar dela? Há uma piada de que, se agora começássemos a comer apenas alimentos orgânicos puros, seríamos envenenados porque não estamos mais acostumados com bons produtos naturais que existiam centenas de anos atrás.

Há muita verdade nessa piada, e o mesmo se aplica à mídia. Não estamos acostumados com a verdade, e toda geração alcança o que merece. Aceitamos a mentira e gostamos. Nem sequer pagamos por essas notícias falsas; nós a obtemos de graça. Mentiras geram mentiras: a geração está corrompida e se alimenta de comida estragada.

Mas, caso contrário, não haveria nada para comer. Assim, na loja compramos legumes e carne, percebendo que existem apenas produtos químicos e antibióticos, mas não há escolha. Você tem que comer alguma coisa. Vivemos em um mundo sintético.

Ninguém precisa da verdade, afinal, não importa se uma pessoa a conheceria. A verdade não pode ser transmitida, vendida ou usada se tudo ao redor for falso. A verdade em nosso mundo é como uma moeda estrangeira que não é aceita neste país em nenhuma loja.

Se eu disser a verdade neste mundo de mentiras, serei conhecido como mentiroso. Isso aconteceu com o rei Salomão na época do Primeiro Templo. Ninguém queria reconhecê-lo como um rei. Ele fez discursos sábios, mas todos ao seu redor eram tão estúpidos que ninguém acreditou em suas palavras. Nem quando chegou ao Sinédrio, onde os grandes sábios se reuniram, eles já o entendiam e o reconheciam.

Em apenas um lugar do país, eles perceberam que ele era um homem sábio que merecia ser ouvido. Hoje, porém, não temos sequer um desses lugares: nem no governo, nem nos bancos, em nenhuma organização ou partido e em nenhum outro lugar. Todo mundo está jogando o mesmo jogo falso.

Um Cabalista vive dentro de seu pequeno mundo da verdade e todos ao seu redor pensam que ele é irracional, desapegado da realidade, e não ouvem o que ele diz. E isso é bom, porque antigamente os profetas eram queimados na fogueira.

Como é possível saber se as notícias são verdadeiras ou falsas? Eu sigo as notícias, mas apenas para sentir a tendência do desenvolvimento e sua velocidade. Isto é, levo em conta não as notícias em si, mas sua direção.

As pessoas estão terrivelmente confusas com as notícias que espalham comunicações. De fato, este não é um meio de comunicação, mas um meio de desconexão.

Que tipo de correção devemos fazer na sociedade para retornar a notícias verdadeiras? Isso requer muito trabalho meticuloso. Afinal, já estamos acostumados a comer alimentos estragados, aprendemos a digeri-los e ainda nos sentimos bem. O corpo está acostumado a fazer correções para que aceitemos comida podre como relativamente fresca. E se consumirmos alimentos realmente frescos, teremos indigestão.

Portanto, aqui precisamos de um longo caminho. E não se trata apenas de comida para o estômago, mas também para a mente, a alma e o coração. Devemos gradualmente sair dessa mentira com a ajuda da educação integral de que os Cabalistas falam. Precisamos explicar a todos que vivemos em um mundo de mentiras e precisamos sair delas, porque é impossível continuar dessa maneira.

O coronavírus nos levará a sentir o ponto da verdade, à revelação final da falsidade da vida. Veremos que essa vida é sem sentido e sem esperança, tanto para nós como para nossos filhos. Já estamos nos aproximando desse insight. Se continuarmos da maneira antiga, nos destruiremos.

Esse fim já está próximo porque a humanidade entende que perdeu o rumo e a direção e que não há meios de corrigir a situação; não há cura para o vírus. Ou decidimos que não há escolha e devemos revelar o sentido e o propósito da vida, o modo correto de existência e descobrir onde está a verdade em nossa vida.

Os seres humanos são os mais inteligentes, desenvolvidos, conhecedores e tornaram suas vidas tão depreciadas. E isso é porque somos guiados não pela razão, mas pelos sentimentos, e não podemos superar nossas emoções pela razão. Portanto, os sentimentos brincam conosco, puxando-nos em direções diferentes, como se costuma dizer: “Vamos comer e beber, porque amanhã morreremos de qualquer maneira”. Vamos torcer para que essa atitude mude.

De KabTV, “O Mundo”, 26/05/20

Comente