Em Um Oceano De Luz Infinita

laitman_744No artigo “A Questão da Realização Espiritual”, (Shamati # 3), Baal HaSulam escreve: com relação à realização espiritual, a realidade em geral é dividida em três discernimentos: 1. Atzmuto [Seu Eu], 2. Ein Sof [infinito] 3. As almas. …

3) As almas, que são as receptoras do bem que Ele deseja fazer.

As almas são o desejo de desfrutar, que recebe a luz do Criador, o preenchimento que vem Dele.

Ein Sof é assim chamado porque expressa a conexão do Criador com as almas. É assim que Ele quer nos trazer prazer, nos preencher para que O sintamos como uma fonte infinita. Não alcançamos outra coisa senão essa conexão e, portanto, não podemos falar de mais nada. É nessa conexão com Ein Sof que tudo começa.

Quando começamos a alcançar o Criador, o mundo superior, descobrimos que esse estado é ilimitado. É como se houvesse um oceano infinito ao nosso redor, do qual você pode pegar o que quiser, e tudo depende apenas do seu desejo. Da mesma forma, quando começamos a revelar a luz do Criador, sentimos como se estivéssemos nadando dentro Dele já que Ele nos rodeia.

Entendemos que estamos no oceano da luz do Criador, e Sua atitude para conosco é absolutamente boa, eterna, infinita e perfeita. Mas como podemos receber algo desse estado?

Imagine que você é como um recém-nascido e seus pais se relacionam com você com infinito amor e benevolência. O que vem depois? Você não sabe o que pedir, o que exigir, o que fazer e como se relacionar com eles porque está enfrentando amor absoluto.

Esse estado, que experimentamos quando começamos a revelar o Criador, aparentemente para uma pessoa, pois o que ela pode fazer se encontrar essa atitude?

Assim, começamos a perceber que nossa cooperação mútua com o Criador pode ser construída com certos limites quando tentamos criar um tipo de barreira entre nós e o Criador, para que possamos nos sentir em algum tipo de estrutura. Caso contrário, é como se estivéssemos nadando no oceano e não pudéssemos examinar nada, sentir nada.

Como seres criados, só podemos existir quando existem estruturas específicas e precisas que nos permitem sentir a nós mesmos em relação a certas qualidades e influências. Mas, se não houver estrutura, essa situação não pode ser descrita ou sentida, e não podemos integrá-la aos nossos atributos de nenhuma maneira.

Devemos nos colocar em alguma estrutura, incluir o Criador nessa estrutura e, em seguida, poderemos falar sobre nossa atitude ou sobre nossa conexão com Ele.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 8/12/19

Comente