“Compreendendo A Anarquia Global” (Bizcatalyst)

Meu novo artigo no BIZCATALYST: “Compreendendo A Anarquia Global

Quando você olha para o mundo hoje em dia, tudo o que vê é anarquia. Os Estados Unidos estão envolvidos em uma campanha eleitoral tão cheia de ódio que só podemos esperar que não termine em uma guerra civil. A UE acaba de assinar um gigantesco pacote de recuperação pós-COVID, mas as disputas que levaram ao acordo expuseram a aversão que os países membros do bloco sentem um pelo outro. Além disso, não estamos nem perto da realidade pós-COVID, o pacote depende de uma recuperação econômica que não acontecerá e de impostos sobre receitas que não virão, tornando a implementação do pacote mais do que improvável.

Enquanto isso, o Oriente Médio nunca foi um modelo de estabilidade, mas hoje ainda mais – não há um único país nesta região devastada pela guerra que não esteja se desintegrando por dentro ou cuja economia não esteja destruída e os cidadãos passem fome ou ambos. Acrescente a isso a parceria comercial e militar quase assinada entre a China e o Irã, a tensão entre os EUA e a Coréia do Norte em relação ao programa nuclear deste último, a deterioração do relacionamento entre Moscou e Washington, e você acaba achando a declaração sucinta do porta-voz do Kremlin Dmitry Peskov muito adequada: “A situação é muito ruim”.

De fato, a situação é tão ruim que, quando a COVID-19 entrou em erupção, impôs uma paralisia global que impediu a deterioração do mundo em direção a uma guerra mundial. Recentemente, porém, as explosões globais da anarquia estão provando que o ódio se

Eu não sou pessimista. Quando você olha para o caos atual do ponto de vista do final do processo, onde todos se tornam um, fica claro que a única razão para a crescente anarquia é nos impulsionar a escolher a unidade em vez de dissensão e antagonismo. Além disso, como no momento estamos claramente escolhendo lutar um com o outro por ter opiniões diferentes das nossas, a anarquia é a única maneira de nos convencer de que o ódio não compensa. Enquanto não estivermos convencidos, a anarquia terá que continuar crescendo e infligir mais tormentos à humanidade. Quando o caos assumir o controle e não termos nada para comer e ninguém em quem confiar, seremos convencidos a mudar de rumo. Mas não seria mais prudente escolher a unidade antes de tudo isso acontecer?

Quando a unidade finalmente prevalecer, ela não incluirá um acordo entre todos. As pessoas nasceram diferentes e permanecerão diferentes por um bom motivo. Suas visões divergentes são expressões das diferenças entre si, que devem permanecer. O problema não é que somos diferentes; é que odiamos outras pessoas por não pensarem como nós, parecerem como nós, falarem como nós e se comportarem como nós, ou seja, por não serem nós. O problema é o nosso senso de direito e a convicção de que somente eu estou certo, e todo mundo está errado. Mas se eu odeio as pessoas por pensarem diferente, mesmo que estejam erradas, será que estou certo? Alguém pode nutrir o ódio e ainda assim estar certo?

O ódio é a negação do direito de outra pessoa a uma opinião, caráter, raça, fé ou qualquer outra coisa que não sou eu. Se eu odeio, significa que acho que não deveria existir. Em palavras simples, o ódio é a negação do direito de existir de outra pessoa. Nada de certo pode sair dessa perspectiva.

Ao contrário da nossa perspectiva egocêntrica, o mundo é um todo inclusivo. Seus elementos se complementam de forma tão completa que nenhuma parte pode existir sem o seu oposto. Só podemos alcançar a unidade quando mantemos esses opostos em equilíbrio. Noite e dia, verão e inverno, nascimento e morte, todos esses opostos não criam anarquia. Pelo contrário, eles criam ordem, mantêm o equilíbrio e sustentam a vida!

Para explorar essa perspectiva, devemos almejar o resultado final – a unidade de toda a humanidade. Quando você coloca a unidade da humanidade no final do processo e examina os eventos passados ​​e atuais com a união em mente, percebe que o desenvolvimento humano está se movendo inexoravelmente nessa direção. Não é um resultado ruim. Não é um futuro de escassez ou estresse. É um futuro de calma, prosperidade e cuidado mútuo para todos. Mas como nossos egos resistem a cuidar dos outros, ele descreve esse futuro como sombrio e proibitivo.

Mas calma e prosperidade não podem ser sombrias ou proibitivas. Podemos optar por abordar nosso futuro promissor de maneira rápida e agradável, trabalhando lado a lado na criação de uma sociedade próspera e diversificada, cujos membros se importam uns com os outros, ou podemos desprezar o inevitável, insistir na separação e no ódio e esperar que a realidade nos arraste à felicidade contra a nossa vontade.

Comente