“A Falta De Unidade Judaica Estimula O Antissemitismo” (San Diego Jewish World)

Meu novo artigo no San Diego Jewish World: “A Falta De Unidade Judaica Estimula O Anti-Semitismo

Quanto mais tempo a pandemia persistir, mais o mundo voltará os olhos para nós, os judeus. Sempre que a aflição cresce em todo o mundo, ela direciona sua raiva contra os judeus. Alguns dias atrás, o político nacionalista canadense de extrema direita, Travis Patron, divulgou um vídeo dizendo: “O que precisamos fazer, talvez mais do que tudo, é remover essas pessoas, de uma vez por todas, de nosso país”. Ele não está sozinho, e essas ideias não vêm apenas da extrema direita. Também há ampla evidência de antissemitismo na esquerda, e mesmo pessoas que não são conhecidas por suas visões extremas expressam ou compartilham postagens antissemitas nas mídias sociais.

Assim como os judeus na Alemanha antes da Segunda Guerra Mundial tentaram convencer os nazistas de que eram bons alemães, mas sem sucesso, os judeus hoje estão tentando convencer o mundo de que somos boas pessoas. Eles dizem que os judeus doam para a caridade mais do que qualquer outra nação ou fé, que contribuem para inovações de alta tecnologia que avançam o mundo muito acima de sua proporção no mundo, que os judeus deram ao mundo muitos grandes médicos, pensadores, artistas e empresários e que são ativistas fervorosos dos direitos humanos. Mas o mundo responde em grande parte com desprezo. Pode ser irônico, mas parece muito natural que os manifestantes antirracismo gritem “Judeus Sujos” contra os manifestantes, como o The Jerusalem Post relatou em 15 de junho. Em outras palavras, muitas pessoas nem sequer relacionam o antissemitismo como um tipo de racismo.

O ódio aos judeus é irracional. Não precisa de justificativa (embora seja sempre encontrada) e sempre cresce quando os tempos são difíceis. Mas há uma explicação muito boa para isso, embora a maioria dos judeus e a maioria dos não-judeus não tenham consciência dela.

O primeiro hebreu, Abraão, deixou sua cidade natal, Haran, na antiga Babilônia, quando seus habitantes o rejeitaram. Midrash Rabbah, Maimonides e muitas outras fontes descrevem as descobertas de Abraão – que seu povo se alienou um do outro. Ele tentou reuni-los, ajudá-los a superar sua atitude egocêntrica um com o outro. Mas, em vez de gratidão, ele sofreu o desdém deles. Por fim, eles o excomungaram e o expulsaram da Babilônia.

Mas Abraão conseguiu. Enquanto ele caminhava para o oeste em direção a Canaã, mais e mais pessoas se juntaram a ele, porque sentiram que a unidade acima do ódio é o caminho certo para viver, enquanto as que eles haviam deixado para trás se afundaram em seu ódio e finalmente se desintegraram. Ao mesmo tempo, o povo de Abraão se tornou uma nação e continuou a trabalhar em sua unidade, apesar dos muitos conflitos que surgiram dentro deles. Esse antigo cisma entre o grupo de Abraão, com seu método de unidade, e o restante dos babilônios, com sua mentalidade de individualidade, é a raiz oculta de todas as formas de ódio aos judeus. E como a cultura babilônica se espalhou pelo mundo, não há um único lugar na Terra sem antissemitismo latente à espera de uma crise para desencadeá-lo.

E se a ruptura antiga não for suficiente para justificar o antissemitismo, após o êxodo do Egito, os judeus não apenas alcançaram a unidade completa (embora ela tenha logo desaparecido), mas também foram incumbidos de serem “uma luz para as nações” – para espalhar essa unidade ao resto do mundo. Por quase dois milênios, os judeus lutaram para manter sua unidade e serem fiéis à sua missão. Mas cerca de dois mil anos atrás, eles sucumbiram ao egoísmo, que eles chamavam de “ódio infundado”, e foram dispersos. Desde então, eles se tornaram impróprios para cumprir sua missão como povo escolhido, pois seu ódio mútuo os impede de espalhar a unidade.

Como os judeus caíram do amor fraterno, do lema “Ame o seu próximo como a si mesmo”, para o ódio infundado, o mundo não os vê como portadores da unidade. Mas, mesmo assim, ainda os considera responsáveis ​​pelos problemas do mundo, e especialmente pelas guerras. Pergunte a qualquer antissemita responsável por todas as guerras do mundo, e eles dirão que são os judeus. Embora não tenham consciência disso, ao responsabilizar os judeus por todos os problemas do mundo, os antissemitas estão dizendo indiretamente que os judeus não estão trazendo paz. Inadvertidamente, eles estão admitindo que a tarefa que os judeus receberam ao pé do Monte Sinai ainda é válido, e esse não cumprimento é a razão de seu ódio.

O que os judeus deveriam fazer a respeito? Exatamente o que os antissemitas (inconscientemente) esperam que eles façam: se unir e projetar essa unidade para o mundo, ser “uma luz para as nações”. Já que o povo judeu é descendente de babilônios de tribos e clãs que muitas vezes eram inimigos juramentados até que se unissem ao grupo de Abraão, se os judeus se unirem acima de seu ódio, isso dará o exemplo e abrirá o caminho para o resto das nações.

Ironicamente, a única cura para o antissemitismo é a unidade judaica e compartilhá-la com o mundo. Acontece que o maior perigo para o povo judeu é não saber sua tarefa.

Comente