O Que Mais O Vírus Deseja Nos Dizer?

627.2Pergunta: Uma pandemia nos ajuda a sentir que estamos todos interconectados. Pela primeira vez na história da humanidade, nos encontramos no mesmo estado, como se estivéssemos colados em nossas casas: ninguém vai a lugar nenhum, todo mundo está em estupor.

Mas, ao mesmo tempo, continuamos a agir como antes: egoisticamente, cada um por seu próprio interesse. Culpamos um ao outro, puxamos para o nosso próprio benefício. Os americanos imprimiram quatro trilhões de dólares apenas para eles mesmos, eles não o estão compartilhando com mais ninguém. A Índia está isolada da China, assim como a Hungria da União Europeia. Todos correm como ratos nos buracos.

Quanto mais é necessário para mostrar ao mundo a ineficiência das decisões egoístas, para que possamos encontrar outro caminho, para que finalmente ocorra uma virada radical? Onde está esse ponto? Estamos chegando perto? Quanto temos que sofrer até encontrarmos o caminho certo?

Resposta: O problema é que não queremos reconhecer nossa dependência mútua. Portanto, cada um sai desses problemas individualmente e não se importa com o que acontece com os outros. Além disso, a pessoa mede seu bem-estar em comparação com os outros; portanto, quanto pior é para os outros, melhor para ela.

Assim, os problemas são resolvidos com muita simplicidade: cada um por si e de maneira alguma juntos. Isso está em contradição com o coronavírus, porque o próprio vírus é global e nos afeta globalmente. Ele nos leva a uma certa equação geral porque deriva da natureza. E toda a natureza é absolutamente global.

Segue-se que, se continuarmos a nos comportar como agora, nada de bom sairá do vírus. Não conseguiremos superá-lo porque ele está em um nível acima de nós. Ele atua globalmente, em toda a humanidade, não podemos neutralizá-lo sozinhos. Este é um nível de influência completamente diferente: sua influência sobre nós e nossa influência sobre ele.

Portanto, teremos que lutar de maneira diferente: lutar contra nós mesmos, nosso egoísmo, e somente na medida em que estamos prontos para nos unir é que podemos afetar o vírus.

O vírus atinge a falta de conexão adequada entre nós. Ainda não entendemos isso, mas, no futuro, devemos perceber que ele não atinge cada um de nós, nem nações, nem grupos de pessoas, mas o fato de não estarmos conectados. Isso é completamente novo para nós e, portanto, é difícil trabalhar com ele.

O coronavírus é projetado para nos forçar a nos unir, de modo que começamos a tratar todos como uma única humanidade. Portanto, o próprio vírus não representa uma ameaça para a humanidade, como qualquer outra coisa que acontece no mundo. Simplesmente não entendemos aonde a natureza está nos levando, mas em sua linguagem, com suas ações, ela nos força a interagir corretamente um com o outro.

Atualmente, o vírus nos obriga a nos separar, a nos afastar um do outro, mas isso é no nível físico. No entanto, se começássemos a nos aproximar internamente, em apoio e garantia mútuos, um sentimento de que somos uma única humanidade, sentiríamos como podemos superar todos os efeitos negativos que surgem em nós com esse vírus.

Eles surgem não porque o vírus está se espalhando, mas porque age sobre nós como uma única entidade e estamos divididos em partes separadas e personalidades individuais.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 19/04/20

Comente