A Humanidade É Uma Usina Nuclear Ou Uma Bomba Nuclear?

laitman_276.04Hoje a humanidade se encontra em um estado muito interessante. Por um lado, o coronavírus abriu brechas tão grandes em nossas vidas que lhe faltam muitas coisas para ser perfeito. Por outro lado, nunca estivemos tão perto da perfeição, como se estivéssemos separados dela por uma divisória fina, como uma tela de papel.

Sentimos que a realidade espiritual está bem à nossa frente, atrás de uma parede fina. Estamos quase no mundo espiritual, e esse “quase” está em nossos corações. Se eu me conectar com a dezena, já me encontro na espiritualidade. Parece-me que o mundo espiritual está longe, mas está bem aqui – no lugar onde minha dezena está. Se eu cair nas mãos de meus amigos e me entregar a eles, entro na espiritualidade. Eu me curvo diante deles – me encontro na espiritualidade.

Graças a essas ações, entramos no mundo espiritual; portanto, o Criador criou tais condições neste mundo. E hoje vemos isso através do coronavírus, que nos empurra para a espiritualidade. Temos medo de que o vírus queira nos matar, mas ele coloca o mundo espiritual à nossa frente.

Parece-nos que o vírus nos mantém separados, nos obriga a manter distância, mas isso não é verdade. A distância é uma consequência do nosso egoísmo, e o desejo de doar uns aos outros nos aproximará mais. Se pudéssemos nos conectar agora em prol de doar, cuidar uns dos outros, nenhum vírus poderia nos prejudicar. Não teríamos descoberto nenhum vírus prejudicial; pelo contrário, o vírus teria nos tornado mais saudáveis, nos curando de todas as doenças.

O coronavírus revela o mal do nosso egoísmo, que sempre existiu em nosso mundo. É que agora ele se revelou claramente, para que possamos entender que correção precisamos fazer. Tudo depende da nossa intenção. Se nos reunirmos e todos nos odiarmos, teremos uma bomba atômica entre nós. Se quisermos nos conectar, apesar de todas as diferenças, então entre nós não é mais uma bomba, mas um reator nuclear que não explode, mas gera energia boa e útil para nós.

Tudo depende de como usamos a energia interna do desejo de receber que está embutida em nós. O egoísmo deve existir, sem ele, não nos sentiremos. No entanto, a diferença está na maneira como nos conectamos. É como um reator nuclear que possui combustível radioativo e hastes de grafite que inibem a reação em cadeia. Elas não permitem que os elementos colidam entre si, elas colocam uma tela entre eles para que a luz refletida apareça; isto é, elas constroem a conexão correta.

Como resultado, recebemos uma boa energia que podemos usar. É assim que acontece em toda a natureza.

A humanidade avançará a tal ponto que precisará de uma explicação para cada detalhe de sua vida. Parte do trabalho que cada pessoa tem que fazer por conta própria e sobre a outra parte da qual apenas precisa aprender para ter uma ideia de como o sistema inteiro funciona.

Israel pertence à cabeça da alma comum e, portanto, é responsável por trazer a luz do Criador a todas as nações que pertencem ao corpo da alma e recebem luz. No entanto, todas as nações devem entender o princípio da operação, como o motorista de um carro, que sabe dirigir e tem uma ideia geral de como funciona, mas não pode projetar e criar um carro novo.

Toda a humanidade é como um reator atômico e o grupo Bnei Baruch são as hastes de grafite. Se fizermos o nosso trabalho, podemos parar a explosão nuclear que já está sendo preparada, aproximando o mundo da terceira e até da quarta guerra mundial. Vamos torcer para que possamos parar essa explosão.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 19/06/20, Baal HaSulam, Shamati, 33, “Os Lotes de Yom Kippurim e com Hamã”

Comente