Subir Acima Da Dor

laitman_243.04Comentário: O grande poeta sufi do século XIII, Rumi, comparou emoções como alegria, depressão e humildade a hóspedes não convidados, e ele recomendou rir na cara deles. Mas geralmente nos comportamos de maneira diferente e fingimos não notá-los.

No entanto, estudos psicológicos mostram que aceitar emoções negativas é uma maneira melhor de restaurar e manter o equilíbrio espiritual.

Minha Resposta: Uma pessoa é construída para equilibrar suas emoções negativas e positivas. Caso contrário, ela não terá incentivo para viver.

Pergunta: Suponha que eu encontre um problema; como devo tomá-lo?

Resposta: A mesma coisa, você procurará o lado positivo. Eles me bateram, mas eu posso respirar entre os golpes.

Pergunta: Isso é paradoxal, é claro, mas eu gostaria de perguntar sobre eventos ainda piores – uma catástrofe, por exemplo.

Resposta: Sim. Você também sobrevive a isso.

Pergunta: Então, isso é chamado de aceitação da aflição que encontramos?

Resposta: O problema surge e você não pode fazer nada a respeito. Mas, ainda assim, o instinto de autopreservação o obriga a procurar algo positivo em qualquer circunstância em que se encontre. Caso contrário, você não terá incentivo para viver, e o incentivo para viver é a coisa mais importante.

Pergunta: E uma pessoa que comete suicídio?

Resposta: As pessoas que acabam com a vida por suicídio têm, em princípio, tudo. Existem pessoas que, comparadas às que se suicidam, são realmente infelizes, terrivelmente doentes e não têm nada, mas ainda são felizes. Isso é um paradoxo.

Pergunta: Este é realmente um paradoxo. As pessoas cometem suicídio na Europa, enquanto na África quase não cometem.

Que conselho você daria? Quando o problema surge, uma situação negativa, como uma pessoa deve se comportar?

Resposta: Ela deve abaixar a cabeça, diminuir suas demandas e conectar-se a pessoas como ela. Então, ela sentirá que é realmente na conexão entre as pessoas que ela encontra satisfação e paz de espírito e até mesmo sentido e propósito na vida.

De repente, ela começa a entender de onde vem essa aflição (lembre-se – ela acha que é um infortúnio), e começa a ver que nessa aflição, no estado mais baixo, quando está simplesmente no chão e não consegue erguer a cabeça, ela começa a entender o significado, que é assim que ela está sendo guiada.

Ela entende que teve a oportunidade de rastejar por um buraco de minhoca para um estado diferente, para um estado superior, que é mais desapegado da corporeidade, do materialismo e é um estado espiritual mais sublime.

Pergunta: Você disse que esse é o estado em que você começa a procurar conexão com outras pessoas?

Resposta: Sim. Por meio delas. Ou talvez seja dentro. Isso já depende da raiz da alma. Ela precisa atingir tais estados através da conexão com os outros ou individualmente.

Pergunta: O que uma pessoa começa a entender? De onde veio a aflição e por quê?

Resposta: Ela começa a entender a providência superior. E isso já lhe abre uma atitude totalmente diferente em relação à vida, conexão interior, conexão com os outros. Ele começa a descobrir estados que estão fora do seu corpo.

Pergunta: Portanto, você está dizendo que somente através da dor uma pessoa pode se apegar a algo que é superior a ela, ao Criador?

Resposta: Essa é a única maneira. Depende apenas de como você percebe e entende essa dor. Essa dor pode ser agradável e gratificante, porque eu sei que ela me desprende, me arrasta deste mundo, como você tira uma fita adesiva, por exemplo. É assim que me emociona, e fico com um mundo completamente diferente.

De KabTV, “Notícias com Michael Laitman”, 16/12/20

Comente