“O Segredo Para Superar O Lockdown Do Coronavírus” (Medium)

Medium publicou meu novo artigo: “O Segredo Para Superar O Lockdown Do Coronavírus

Se você é como uma em cada três pessoas no mundo que está atualmente sob ordens de ficar em casa, se torna relevante a questão de como tornar essa situação algo significativo.

A onda da pandemia do COVID-19 está levando a humanidade a perceber o quanto dependemos um do outro. Ela nos mandou para casa não apenas para impedir a propagação do vírus, mas também para nos impedir de infectar ainda mais o mundo com nossas interações problemáticas e exploradoras, onde cada um de nós procurou construir a si mesmo na ruína dos outros. Nossas relações desequilibradas afetam negativamente os outros níveis da natureza – inanimado, vegetativo e animado – e a natureza reage à nossa influência prejudicial, atingindo-nos com alguns golpes, a fim de tentar nos estimular a nos equilibrar.

Como Encontrar Força Interior

O lar, então, torna-se o laboratório para corrigir nosso desequilíbrio com a natureza, ao praticar primeiro relações harmoniosas com os outros. É o lugar onde podemos começar a pensar em como nos tornarmos mais atenciosos. Mas com o passar do tempo, podemos facilmente ficar impacientes. Manter uma atitude positiva se torna mais complicado à medida que o ego – o desejo de receber apenas para benefício próprio – aumenta, até não podermos mais nos dar bem. Os laços quebrados entre nós criam brechas e brigas, discussões e confrontos.

A sabedoria da Cabalá, também conhecida como sabedoria da conexão, explica que esses estados são oportunidades para superar esses conflitos e gerar coesão e entendimento mútuo. Como está escrito: “Cada um ajuda o outro e diz a seu irmão: ‘Seja forte!’” (Isaías, 41:6.) Em outras palavras, construindo relações apropriadas entre nós, ajudando, apoiando e incentivando o outro, vamos adquirir a força interior necessária para fazer o bem no mundo, começando pelos mais próximos de nós.

E os Cabalistas aconselham: mostre carinho e cuidado. Faça com o máximo esforço. Faça isso de maneira aberta e até artificial até que o hábito se torne sua segunda natureza. Como podemos ouvir esse conselho, sem se importar em implementá-lo, se isso contraria o que coração se sente? Estaremos prontos para enviar quando percebermos que não há outra maneira e a alternativa é viver nossas vidas como prisioneiros em nossas próprias casas. Por outro lado, podemos aceitar esse bloqueio como uma oportunidade de examinar o que devemos corrigir em nossas atitudes mútuas, a fim de viver vidas mais gratificantes.

As Crianças Serão Crianças, Os Adultos Não

Podemos nos perguntar onde as crianças encontrarão forças para superar seu desejo ardente de agir contrariamente ao seu desejo natural. Como, por exemplo, as crianças podem estar prontas para fazer concessões, a fim de encontrar um terreno e entendimento comuns? Isso pode ser alcançado quando as criamos com o nosso exemplo. Se os adultos demonstrarem um comportamento altruísta, não agindo como crianças teimosas, mas mostrando exemplos de amor, carinho e atenção mútua, as crianças imitarão esses exemplos e crescerão para se comportar de maneira semelhante.

É bastante complicado, mas os pais devem idealmente exortar os filhos a fazer tais concessões. É porque, se conseguirem, elas entrarão em um estado muito mais calmo e feliz. Assim, devemos explicar-lhes (e também a nós mesmos): “Você acha que ganhará mais se for teimoso?” “Beneficiará alguém se você se recusar a ceder?” “Você obterá alguma vantagem duradoura se tentar forçar o outro a ceder?”

Eles provavelmente vão concordar com a cabeça depois de um segundo. O princípio é relativamente fácil de compreender, mas difícil de executar. A natureza humana, o desejo de receber, resiste. O que, então, pode ser feito para ajudar a superar nossa natureza? A resposta: Organize um ambiente favorável, crie uma atmosfera que ajude os filhos (e a nós mesmos) a superar e sair do ego e ceder em benefício comum.

Quando você e seus filhos estiverem cansados ​​de ouvir sobre esses compromissos, devemos explicar novamente a nós mesmos: “Quando combatermos nosso ego, e não o de outra pessoa, o triunfo será mais doce e agradável”.

No entanto, não podemos simplesmente fornecer instruções vazias. Precisamos ir mais fundo ordenando que nossa própria natureza egoísta renuncie a si mesma em troca de ganhos mútuos. Ao fazer isso, desenvolvemos uma nova abordagem para fazer compromissos, construindo em nós mesmos essa característica para um propósito mais elevado. Ficamos prontos para conceder ao mundo inteiro. Por quê? Para acalmá-lo e trazer o mesmo poder de compromisso, o poder de equilibrar nossas lutas. Assim, ao ensinar nossos filhos, também nos educamos e, ao fazer isso, aumentamos o nível de consideração e responsabilidade mútuas.

Gradualmente, começaremos a ver que todos os membros de nossa família conseguem anular seu desejo em relação ao outro, cedendo em benefício de toda a família com um sorriso, calma e agradavelmente. Quando adquirirmos esse poder para fazer concessões, poderemos espalhar essa capacidade de uma unidade menor para a sociedade em geral. Então, todos começarão a pensar e agir em benefício de todos, em vez de tentar puxar os outros para beneficiar cada um individualmente. Ao fazer isso, todos receberão o que é necessário para sua vida, como em uma família.

Comente