“O COVID-19 Enterrou O Capitalismo” (Newsmax)

Meu Artigo No Newsmax: “O COVID-19 Enterrou O Capitalismo

Em 20 de março, o historiador Yuval Noah Harari escreveu no Financial Times que a natureza das emergências é acelerar os processos históricos. É verdade que tudo o que sabemos, toda a nossa civilização, está desmoronando rapidamente. A maioria das pessoas ainda espera que, depois que o vírus se for, suas vidas continuem de onde pararam. Elas não continuarão. O coronavírus terá mudado tudo.

Não é apenas uma transformação de atitude, mas uma mudança de todo o nosso paradigma de vida. O ex-primeiro-ministro britânico Gordon Brown abordou o assunto ao escrever que, para combater o coronavírus, “em vez de guerras de lances de cachorro-come-cachorro que incentivam a lucratividade, o G20 deve apoiar a Organização Mundial de Saúde e os esforços do Fundo Global para coordenar e aumentar a produção e aquisição de suprimentos médicos”.

É imperativo abandonar o paradigma cão-come-cachorro, mas não é provável que o vírus desapareça no futuro próximo. Já existem pelo menos 40 cepas conhecidas do vírus. Segundo, mesmo que consigamos abolir milagrosamente todas as variantes agressivas, quando voltarmos à normalidade, descobriremos que nós mesmos mudamos dramaticamente e o frenético consumismo não parecerá mais atraente.

Ele parou o turismo, transporte, esportes, entretenimento, o COVID-19 não está apenas mudando nossa economia ou mesmo nosso modo de vida; está mudando nosso próprio pensamento sobre a vida, cultura, indústria, educação, socialização e até nossa capacidade de nos reunir para orar. Quando reiniciarmos a civilização, seremos diferentes. Ou melhor, é melhor sermos diferentes se não quisermos uma sequela para o novo episódio do Romance de Coronavírus.

Uma Nova Economia

Quando uma superbactéria impõe uma quarentena ao mundo inteiro, suas ramificações são insondáveis. Mais cedo ou mais tarde, os países terão de atender aos seus cidadãos as necessidades mais básicas. Alimentos, moradia, saúde e educação terão que ser administrados pelos governos, já que a maioria das pessoas simplesmente não terá renda para comprar qualquer um dos itens acima, sem mencionar luxos ou acessórios.

A política de quarentena, ou “fique em casa”, não é apenas uma medida de emergência; é o fim do capitalismo. Podemos não perceber, mas junto com os caixões de nossos entes queridos, enterramos o modo de vida e o modo de pensar sobre a vida em que todos crescemos. O capitalismo está morto.

A nova economia que emergirá das cinzas terá que se basear em valores diferentes. Como os empregos serão virtualmente obsoletos, riqueza e poder se tornarão indicadores irrelevantes de sucesso. Mas, como a natureza humana sempre luta por destaque, novos padrões assumirão o controle de onde os antigos deixaram um vazio.

Em vez de poder pelo controle, a liderança pelo exemplo estará à frente. Aqueles que mais contribuem para elevar o espírito da sociedade, garantir o bem-estar das pessoas e aumentar a solidariedade social se tornarão as pessoas de destaque na sociedade.

Até agora, competimos como crianças brincando de King of the Hill (Rei do Pedaço). Gradualmente, o vírus nos ensinará a valorizar e prestar homenagem àqueles que se esforçam para empurrar todos para cima, para elevar a sociedade e não a si mesmos.

A nova economia que emergirá das ruínas da antiga não será uma nova forma de socialismo. Será uma economia de responsabilidade mútua. A responsabilidade mútua não é um paradigma econômico, mas social, envolvendo aspectos econômicos e educacionais. Não requer igualdade material, mas preocupação mútua que garante que as pessoas a) tenham o que precisam e b) que todos os demais tenham o que precisam.

Em uma economia baseada em responsabilidade mútua, os atributos pessoais são valorizados e nutridos, desde que se use as habilidades para melhorar a vida de todos. Essa abordagem permite inúmeras maneiras das pessoas se expressarem, e a sociedade as recompensará por isso. O respeito, a admiração e o amor pelas pessoas que contribuem mais do que compensará a busca de riquezas e posses.

Por esse motivo, a introdução da responsabilidade mútua deve ocorrer tanto no nível físico quanto no intelectual. No primeiro, como dito acima, os governos terão que atender às necessidades básicas das pessoas. No último nível, devemos estabelecer um sistema educacional on-line onde cientistas e outros especialistas introduzam a noção de responsabilidade mútua e expliquem por que a realidade de hoje exige isso.

A ideia por trás desses programas educacionais não é meramente ajudar a humanidade a superar o vírus. O objetivo é mudar o paradigma que governa nossas vidas de focar no “eu” para focar no “nós”, criando assim uma sociedade florescente e sustentável. O paradigma cachorro-come-cachorro sobre o qual Brown falou é por que o coronavírus prendeu nossa civilização. Se quisermos vencer, devemos agora construir um que se baseie em responsabilidade mútua, e o atraso de qualquer momento é tarde demais.

Comente