Após A Pandemia

O mundo parece estar em uma ponte estreita, e o principal agora é não ter medo de se separar do passado. Temos outra preocupação: como enfrentar o futuro, não colidindo com suas costas, mas enfrentando com competência o amanhã inevitável.

“Se tudo não desmoronar, será restaurado”, eles nos dizem. E eles acrescentam: “Algum dia”. Eu digo “Não vai se recuperar”. Mas o colapso não é necessário. Cada um de nós tem a tarefa de sobreviver ao período atual com perdas mínimas. Para fazer isso, precisamos economizar nervos e recursos, apoiar os outros, poder relaxar, mas não “desconectar”. E o mais importante, precisamos entender o que está acontecendo para que as consequências da crise não nos surpreendam demais.

Para começar, vamos nos sentar e respirar. O ser humano não foi criado para se preocupar. Ele foi criado para pensar e agir. Então, vamos pensar: o que realmente perdemos? O que nos motivou nessa vida? Pelo que vivemos? Que coisas sensatas e úteis fizemos? O que preparamos para o futuro de nossos filhos?

Francamente, apenas servimos um ao outro por dinheiro. Com zelo ou sem ele, cumprimos o princípio, claramente formulado por nossos sábios há milhares de anos: “Vá e lucre um com o outro”. Parecia-nos que estávamos servindo a nós mesmos. Mas que tipo de serviço prestamos a nós mesmos, exaurindo-nos em uma corrida desenfreada de consumismo, sem pensar em mais nada?

Imagine por um segundo se voássemos de outro planeta desenvolvido e nos olhássemos alguns meses atrás: não seria uma visão muito bonita. Não, não no sentido tecnológico, mas na própria essência de nossa comoção e agitação. O “benefício” disso, como a fumaça acima da Terra, já está começando a se dispersar. E assim, o vírus veio. “Parem, pessoal”, ele nos diz. “Vejam o que vocês fizeram ao planeta e a si mesmos. Olhem além do limiar do amanhã”.

Se realmente investigarmos isso sem passar um pano, veremos que estávamos caminhando não apenas em direção ao colapso ecológico, mas antes disso teríamos chegado à guerra. De fato, nós nos dirigimos para os braços da guerra, para um estado de globalização sem esperança, para um beco sem saída de contradições. Esta é a natureza humana: quando um massacre está se formando, nós o forçamos a sair da nossa consciência e, ao mesmo tempo, aturamos isso, até o invocamos.

Ainda não chegamos a um estágio tão avançado, mas uma avalanche de consumismo desenfreado levou a humanidade ao abismo. Paradoxalmente, o vírus está nos salvando. Estamos sendo salvos do egoísmo, necessitando de “absolvição”, redefinindo os mercados de consumo.

Então, vale a pena voltar? O que nós esquecemos lá? Existe vida após o vírus?

Agora estamos conhecendo nossa família, nosso mundo e a nós mesmos novamente.

Anteriormente, muitos de nós apenas dormiam em casa, agora moramos lá. Costumávamos navegar na Internet por diversão, agora nos conectamos.

Existem várias maneiras. É claro que queremos voltar à corrida desenfreada com sua variedade de prazeres constantemente novos e diferentes, e estamos dispostos a suportar suas dores que nos provocam por trás. Mas não se pode deixar de lembrar a ameaça de um colapso com crimes desenfreados, a supressão de distúrbios, interrupções no fornecimento e a busca pelos culpados. Finalmente, podemos usar esse período para reflexão.

É claro que nem tudo é tranquilo, nem todos podem “sustentar o golpe”, mas a própria experiência, a própria mudança de ritmo, o encurtamento, não trazem apenas uma trégua? Nos dias de semana limpos, em uma pausa incomum da tarde, ouvimos o eco de algo novo. Estamos sentados em casa, como crianças em suas mesas, a fim de aprender algo para que essa “quebra” não ocorra em vão.

De qualquer forma, não conseguiremos sair da crise tão rapidamente quanto entramos nela. E o que está acontecendo agora não é uma pausa, nem férias, nem um bloqueio: é um despertar. O vírus não nos nocauteou, mas nos sacudiu, nos trouxe de volta à realidade, nos deu a oportunidade de assumir o comando com cuidado.

Hoje, somos confrontados com a necessidade de redefinir nossos valores no início de uma nova era, que exige uma atitude diferente entre si e encontra um significado que evitamos. O vento da mudança varreu as ilusões e está nos mostrando a verdadeira imagem. Então, vamos realmente deixar a mente ser novamente obscurecida por suas miragens? Vamos nos reconciliar com o passado, com vaidade eterna, com abundância externa e devastação interna?

O mundo parece estar em uma ponte estreita, e o principal agora é não ter medo de se separar do passado. Temos outra preocupação: como encontrar o futuro, não colidindo com suas costas, mas enfrentando com competência o amanhã inevitável.

Nós mesmos criamos uma corrida de ratos e agora podemos sair dela sem excessivos choques externos. Afinal, o principal é o que está dentro: nossas conexões, nossas relações, nossa participação, reciprocidade. Basta perceber isso, e todos os mecanismos – sociais, financeiros, comerciais – começarão a se reestruturar de acordo com o novo paradigma.

Vamos pensar: por que estamos vivendo? Como podemos construir nossas vidas de maneira diferente, com princípios diferentes? A saída do egoísmo sem limites foi aberta, vamos usá-la enquanto nosso egoísmo está chocado e silencioso.

Aviões estão no chão, navios estão nos portos, deveríamos estar na mesa da escola. Não há nada depreciativo nisso. Pelo contrário, temos a oportunidade de realmente fazer algo por nós mesmos.

Durante toda a nossa vida, estávamos empenhados em fugir da questão. Preocupados perante a morte, justificando-nos da melhor maneira possível. O vírus, no entanto, sugere outra coisa. Não podemos fugir da morte dessa maneira. Para superar sua linha, é necessário superar o egoísmo que nos mata. Nosso ego limita, dá uma sensação imperfeita e miserável do mundo através das demandas do nosso corpo. Vamos sentir o mundo através de nossa estrutura interna comum, através da alma. Então, o veremos completamente diferente, sem fim, eterno e perfeito.

Isso não tem nada a ver com religiões. A ciência da Cabalá não defende nenhuma crença. Simplesmente desenvolve a alma de uma pessoa, e isso nos faz feliz. Agora, quando todos nos sentimos em um barco comum, devemos unir nossos remos e seguir para um mundo sem fronteiras entre corações. Então as barreiras restantes que dividem as pessoas desaparecerão. O mundo de amanhã está se formando agora.

Comente