“Uma Cura Para A Ansiedade Econômica Da Pandemia De Coronavírus” (Times Of Israel)

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “Uma Cura Para A Ansiedade Econômica Da Pandemia De Coronavírus

À medida que a pandemia de coronavírus avança globalmente, é justo pensar que ninguém no mundo estará isento de seu impacto econômico.

Assim como o desenvolvimento da capacidade global de conter a pandemia de coronavírus é incerto, a previsão econômica também é estimada, mas estima-se que o efeito do COVID-19 na economia mundial ultrapasse uma perda de US $ 1 trilhão em 2020.

De repente, o medo de terríveis danos econômicos se torna mais forte do que a ansiedade por danos à saúde. A perda de empregos está paralisando muitas pessoas, e a ameaça assume novas formas diariamente.

Sem dúvida, os cidadãos comuns que dependem de uma renda mensal média, que precisam colocar comida na mesa para vários membros da família e cujos parceiros também são obrigados a ficar em casa para cuidar de crianças, enfrentam uma nova realidade assustadora. As longas filas para comprar itens como papel higiênico sob diretrizes que os alertam para ficar longe das multidões os fazem temer por suas vidas, ponderar sobre seu destino e a paralisante incerteza do desconhecido.

Os empresários, grandes e pequenos, estão em grave perigo. De repente, suas contas caem em direção a déficits e suas rotinas são destruídas. Clientes, fornecedores e pedidos foram interrompidos e ninguém sabe se, quando e em que medida, eles retornarão. Ninguém deve nada a esses empresários. Quem cuidará deles? Quem pode garantir que o vírus seja erradicado da terra amanhã e que a vida retornará à normalidade?

A sociedade humana está se desintegrando e caindo de nossas mãos higienizadas. Durante anos, vivemos um do outro e, de repente, em um movimento, tudo ficou congelado e neutralizado. A ameaça provocada pelo coronavírus cobre todas as esferas econômicas, mas o golpe mais forte foi no setor de turismo. Não há voos, hotéis, restaurantes abertos – uma sentença de morte no setor de turismo.

Portanto, os gritos de infortúnio e desespero que surgem a cada nova limitação e o novo nível de severidade subsequente decorrente da pandemia são compreensíveis. No entanto, também podemos encontrar consolo no fato de a humanidade estar se olhando no espelho, descobrindo que criou uma sociedade disfuncional inundada de exagerada autoimportância. Agora, com uma economia paralisada, sentimos o gosto agudo dos frutos estragados de nosso comportamento egoísta de longa data e precisamos decidir como encaramos nossa situação.

Portanto, este é um momento abençoado para a busca da alma nacional e global. É hora de perguntar o que a natureza quer de nós. Por que nos foi dada a vida? Seria apenas encontrar uma maneira de sobreviver neste planeta? O que alcançamos? Nos primeiros trinta anos de nossas vidas, passamos por nossos níveis de educação primária, secundária e terciária. Viajamos pelo mundo e passamos mais uma década construindo uma família, assumindo o trabalho sísifo de comprar uma casa, um carro e criar filhos.

O que vem depois? Fomos jogados em um redemoinho do qual é difícil nos livrarmos. Estamos em uma forma moderna de escravidão, trancados em gaiolas douradas e fechados em redes sociais. Agora, de repente, isolados de tudo pelo coronavírus, temos a oportunidade de fazer uma mudança. Só precisamos descobrir como caímos nessa inconveniência global para saber como tirar o melhor proveito dela.

Este é o aspecto positivo do coronavírus. Ele ajuda a elucidar o sistema abrangente em que vivemos, o sistema da natureza, que tem tudo a ver com interdependência, onde cada parte suporta outra. A exceção é o ser humano, que sabemos estar pronto para destruir tudo para invadir e conquistar, desde que se sinta bem. Ele não deseja integrar-se às leis interconectadas e interdependentes da natureza.

Então vem o coronavírus e destrói o edifício anti-integrativo que criamos na sociedade humana. Ele forçará um novo exame da ordem da vida e do entendimento de que, se continuarmos a agir de forma selvagem, como egoístas de mente estreita, e não nos comportarmos de acordo com as necessidades de nossos corpos – como qualquer outro animal ou planta da natureza -, prejudicaremos apenas a nós mesmos e ao meio ambiente. Essa “exceção” humana é a que precisamos equilibrar hoje, para nos conectarmos com o sistema integrador da natureza, para que possamos ser felizes e satisfeitos com nossas vidas.

A natureza programada nos leva a esse ajuste crítico. Vamos antecipar um antídoto para o vírus, abrir nossos ouvidos para as mensagens dos Cabalistas e o que está escrito nos livros da Cabalá: que vivemos em um mundo que é bom e que somos nós, seres humanos, em nossas relações egoístas que desequilibram o equilíbrio.

Ao tratar o outro bem, com responsabilidade e consideração mútuas, começamos a descobrir a natureza completa e eterna em que vivemos; uma vida destemida, livre de pressão, uma vida longa, saudável e bonita na Terra.

Comente