“Quanto Mais Cedo Aprendermos A Lição Sobre O Coronavírus, Mais Cedo Iremos Nos Curar” (Newsmax)

Meu artigo no Newsmax: Quanto Mais Cedo Aprendermos a Lição Sobre o Coronavírus, Mais Cedo Iremos nos Curar

Ainda não estamos entendendo o que está por vir.

O COVID-19, ou coronavírus, está atrapalhando nossas vidas e ainda temos que entender as consequências. As máscaras, a quarentena, mas principalmente o medo, estão nos dizendo que uma nova fase em nossa existência está surgindo.

Portanto, quanto mais cedo entendermos as coisas, melhor será para todos.

Imagine isto:

Você está sentado em casa, não pode ir ao trabalho porque seu empregador faliu, não pode comprar comida porque todas as lojas foram esvaziadas e não há suprimento para encher as prateleiras, e os embarques de suprimentos praticamente pararam. Mas você tem filhos para alimentar. O que você vai fazer? Você nem pode mandá-los para a escola, onde eles podem comer, pois todas as escolas foram fechadas pelo vírus!

O que você vai fazer, cultivar legumes na banheira?

Se parece loucura, é porque é. Mas em questão de meses, esse cenário pode ser a realidade de dezenas de milhões de americanos, europeus e pessoas em todos os países do mundo.

A realidade simples é que não podemos existir sem provisão externa, e o coronavírus está dizimando essa provisão. Se não encontrarmos uma maneira de reiniciar as cadeias de suprimento que ainda estão congeladas pelo medo, estaremos enfrentando uma fome de magnitude que destruirá nossa sociedade e reivindicará a vida de milhões de pessoas que nem estão doentes com o vírus.

A Chave para uma Reinicialização Bem-Sucedida

Por que tudo isso está acontecendo?

Porque estamos ignorando uma lei natural simples: a interconexão. Interconectividade significa que tudo na natureza está conectado e, portanto, depende de tudo o mais.

Por outro lado, nós vivemos sob a suposição de que não precisamos reconhecer nada além de nossas próprias necessidades. Aqui está o problema: enquanto os níveis inanimado, vegetativo e animado da natureza funcionam em harmonia e equilíbrio, o nível humano busca apenas explorar: usamos a natureza e abusamos uns dos outros simplesmente porque podemos.

Agora, no que parece ser a primeira vez, mas certamente não a última, a natureza está dizendo: “Basta!” A realidade exige que sejamos responsáveis, maduros, mas principalmente, atenciosos uns com os outros e com o meio ambiente.

Agora somos chamados a levantar os olhos, reconhecer o mundo ao nosso redor e começar a pensar mais em termos de “nós” e menos em termos de “eu”. É assim que toda a natureza opera, e exige que o façamos também.

Tornando-se Mais Como a Natureza e Menos Como Pessoas

Para começar a equilibrar nossa abordagem da realidade, devemos começar a trabalhar mais como a natureza e menos como pessoas, ou pelo menos como as pessoas que costumávamos ser até o surto de COVID-19. Para fazer isso, devemos começar a incluir outros interesses em nossos pensamentos. O que os animais e as plantas fazem instintivamente, somos obrigados a fazer conscientemente.

Embora isso seja muito mais difícil para nós do que para os animais e plantas, possui uma recompensa única: uma percepção aprimorada de toda a natureza. Quanto mais partes da realidade incluímos em nossa consciência, mais ampla se torna a nossa percepção da realidade. É um processo sem fim de crescimento, com recompensas infinitas, limitadas apenas pela nossa vontade de exercê-lo.

Assim como a natureza está interconectada, assim podemos nos tornar, se colocarmos nossas mentes e corações nisso. Nesse sentido, o coronavírus é uma oportunidade sem precedentes de crescimento, e seria um erro horrível para nós a perdermos.

Ao desconectar nossas cadeias de suprimentos, o vírus nos lembrou que estamos inseparavelmente conectados. Ao pensar sobre essa interconectividade e o que ela exige de nós, podemos derrotar não apenas o COVID-19, mas também os “vírus” que adoecem nossa sociedade, poluem nossas mentes e nos fazem destruir uns aos outros e ao mundo ao nosso redor.

Nesse sentido, o coronavírus é uma vacina, não um patógeno, e quanto mais cedo aprendermos o que ele ensina, mais cedo todos seremos curados.

Comente