“Por Que As Pessoas São Tão Preguiçosas?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora:Por Que As Pessoas São Tão Preguiçosas?

Pessoas preguiçosas geralmente não têm propósito em suas vidas.

Nossa natureza é o desejo de desfrutar. Esse desejo se manifesta em duas direções: ou temos um objetivo e nos esforçamos para alcançá-lo, desfrutando do fruto que produz, ou fugimos da dor, e evitar o sofrimento é o que consideramos agradável.

Para ganhar o ímpeto de progredir na vida, onde fazemos mais do que simplesmente fugir da dor, precisamos estabelecer qual é o nosso objetivo na vida e precisa valer a pena o esforço para alcançar.

Geralmente, não há sucesso em nenhum campo sem esforço.

O esforço é um pré-requisito para o sucesso, porque contribuir para algo nos faz valorizar os resultados. Se nos dessem algo sem termos primeiro feito esforços, não saberíamos como aproveitá-lo. No entanto, para ter energia constante para se esforçar, o objetivo precisa ser importante.

Eu tenho estudado e ensinado a sabedoria da Cabalá há mais de 40 anos. A imensa importância do objetivo do estudo me dá a motivação para trabalhar dia e noite. É porque investir neste trabalho significa investir na alma humana. Portanto, os esforços que aplico, mesmo que às vezes sejam difíceis e desagradáveis, me trazem uma enorme alegria.

O mesmo vale para todas as pessoas. Se encontrarmos uma meta que atenda à nossa solicitação interna, ela fornecerá o combustível necessário para trabalharmos com determinação para alcançá-la e não sentiremos cansaço no caminho.

O principal desafio está em estabelecer a meta.

Nossos desejos e anseios são afetados por várias influências sociais. Infelizmente, a enorme quantidade de informações redundantes que preenchem nossa cultura extingue nossa verdadeira aspiração interna, substituindo-a por prazeres baratos e artificiais.

No entanto, todos têm a chance de sair deste círculo vicioso. Como? Ironicamente, é com a ajuda da preguiça.

A preguiça nos dá a oportunidade de desacelerar da corrida dos ratos e nos perguntar se nossos compromissos regulares realmente levam a algo que vale a pena, se nosso objetivo final é correto e se temos importância e motivação suficientes para continuar. Caso contrário, podemos examinar as maneiras de mudar nossos objetivos e ações.

Comente