Por Que A Liderança De Sanders Na Corrida Dos Democratas Deveria Interessar Os Judeus Americanos (Times Of Israel)

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “Por Que A Liderança De Sanders Na Corrida Dos Democratas Deveria Preocupar Os Judeus Americanos

Eu conheci um psiquiatra chefe em Nova York durante uma conferência conjunta anos atrás, que disse que ele era descendente de judeus. Quando começamos uma conversa sobre tradições judaicas, a única conexão que ele lembrou era o nome de seu avô, Chaim, um nome hebraico. Esse tipo de episódio é comum em pessoas que se distanciaram de suas raízes judaicas. Alguns decidem reviver a conexão com suas raízes apenas para obter ganhos pessoais e fazer com que suas visões antissemitas pareçam mais kosher. Bernie Sanders é um exemplo disso.

Por que isso deveria preocupar os judeus americanos?

Nas últimas semanas, particularmente depois de vencer as primárias de Nevada e de New Hampshire, Sanders parece ser o líder democrata em quatro das cinco pesquisas criadas para determinar quem é o candidato preferido para desafiar Donald Trump na próxima eleição. Desde que sua ambição presidencial foi revigorada recentemente, Sanders mudou convenientemente sua estratégia política da indiferença sobre sua origem judaica – como destacado por várias publicações americanas, incluindo o New York Times – para abraçar e destacar sua herança, retratando-se como potencialmente o primeiro presidente judeu da história dos EUA.

Sua nova imagem de judeu liberal que simpatiza com as minorias, e de político velho, mas qualificado, está ajudando-o a ganhar popularidade entre a base de esquerda do Partido Democrata, muitos dos quais ainda acham que o socialismo é a solução para as desigualdades americanas. A carta judaica também é útil para avançar sua agenda anti-Israel com mais liberdade, de maneira semelhante a George Soros, que é acusado de estar por trás de várias organizações contra Israel.

Entre suas outras posições anti-Israel, Sanders afirmou que condicionaria a ajuda militar a Israel após mudanças israelenses na política em relação aos palestinos. Mas o futuro do relacionamento dos EUA com a nação judaica não é motivo de preocupação principal se Sanders for escolhido como candidato à presidência democrata, já que, no final, o futuro de Israel deve depender de ninguém além do povo de Israel.

O problema que prevejo, caso Sanders seja eleito, será para os judeus americanos. Indubitavelmente, os judeus serão pressionados – como sempre acontece quando ocorrem crises econômicas – pelo certo fracasso de sua abordagem populista baseada em princípios socialistas.

Como a história demonstrou, quando os regimes socialistas populistas não cumprem as expectativas das pessoas, surge o nacional-socialismo e o nazismo. Isso certamente poderia acontecer novamente e as atrocidades que pensávamos terem desaparecido para sempre poderiam ressurgir – um pesadelo para os judeus americanos.

No início, o socialismo parece ter as soluções que os americanos buscam. O governo alivia a carga sobre os ombros do povo, cuidando de suas necessidades básicas. No entanto, o socialismo é insuficiente porque deixa de levar em conta a qualidade egoísta da natureza humana: a necessidade fundamental de se realizar diante de qualquer outra pessoa.

As pessoas carecem inatamente de motivação para realmente se beneficiarem. Conforme explicado pelo Cabalista Yehuda Ashlag (Baal HaSulam) em seu artigo “A Paz”, escrito na década de 1930, mas tão relevante hoje quanto no passado: “Onde o trabalhador ou o agricultor encontrariam motivação suficiente para trabalhar?, pois seu pão diário não aumentará ou diminuirá por seus esforços, e não há metas ou recompensas diante dele”.

O governo Trump pode não ser a panaceia final para todos os problemas americanos, mas sua abordagem econômica pragmática de impulsionar os setores financeiro e industrial está na direção certa para o mundo de hoje. Isso ocorre porque, enquanto ainda somos seres egoístas, cada um com o objetivo de se beneficiar às custas dos outros, e atualmente não fazemos esforços para corrigir o ego humano, de modo que um desejo sincero de beneficiar os outros se torne um valor de liderança na sociedade, então uma abordagem econômica pragmática para crescer financeira e industrialmente fornece uma base mensurável clara pela qual um país pode se sustentar, tanto internamente quanto em conexão com outros países.

Em contraste, a visão socialista, que depende de ideias de igualdade e bondade defendidas pela sociedade e pelo governo, pode ser agradável em concordar com a teoria, mas, na prática, o benefício pessoal em detrimento de outros permanecerá como prioridade máxima, finalmente quebrando essa configuração. O governo nunca poderia impor às pessoas uma verdadeira motivação para contribuir para a sociedade com um desejo sincero de ver todos preenchidos e seguros. Um desejo pró-social e altruísta de beneficiar outras pessoas na sociedade pode ser alcançado inteiramente por meio do engajamento regular na educação que enriquece as conexões. A base para essa forma de educação pode ser encontrada na sabedoria da Cabalá, um método que fornece um entendimento profundo de como a natureza opera, incluindo a natureza humana egoísta, e como se elevar acima do ego humano para alcançar um desejo genuíno de beneficiar os outros.

Os judeus, que há muito tempo receberam esse método aos pés do Monte Sinai, podem desencadear esse processo de aprendizado na sociedade, atualizando primeiro seus conhecimentos sobre os princípios de conexão, e depois implementando conexões positivas entre si, elevando-se acima das diferenças internas. Ao fazer isso, os judeus se tornariam um exemplo positivo de como construir relações de apoio mútuo, consideração e altruísmo como plataforma de lançamento para um mundo melhor. Tal elevação acima do ego de uma massa crítica de pessoas na humanidade manterá o poder de unificar a sociedade acima de suas inúmeras diferenças, apagando assim todas as ameaças totalitárias. Além disso, essa mudança de previsão é independente de qualquer político ou regime. Depende do nosso desejo de mudança positiva e do nosso compromisso de nos aplicar a programas educacionais com o objetivo de se unir acima de nossas diferenças.

Comente