“Coronavírus E A Nova Humanidade” (Times Of Israel)

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “Coronavírus E A Nova Humanidade

O surto de COVID-19 (Doença do Coronavírus) nos pegou de surpresa. Inicialmente, a maioria do mundo realmente não se importava porque estava na China, e o Ocidente vê a China principalmente como uma grande fábrica. Em seguida, pensamos que era pouco mais do que uma nova cepa de gripe. Quando começou a se espalhar, pensamos que não chegaria ao nosso bairro/cidade/país. Portanto, quando os governos declararam quarentena obrigatória para as pessoas que retornavam do exterior, fechavam todas as empresas de entretenimento ou cancelavam ligas esportivas, escolas e universidades, pensávamos que estavam entrando em pânico sem motivo.

Mas já devemos saber melhor. Se não quisermos que nossos países se pareçam com Wuhan ou a Lombardia, é melhor estarmos atentos às instruções.

Quase Uma Mensagem Positiva

Se não fosse triste, a mensagem que o coronavírus está nos enviando pode parecer quase positiva. Ela nos diz: “Estamos todos juntos nisso”. É uma mensagem universal de responsabilidade mútua, onde as medidas tomadas por um governo impactam todas as pessoas no planeta. Pense em como tudo começou: alguém em Wuhan, na China, teve uma gripe estranha em novembro e, três meses depois, milhares de pessoas estão mortas, o mundo está saindo falindo, centenas de milhões estão presos dentro de suas próprias casas ou no gueto em sua cidade, a Rússia e a OPEP declararam uma guerra de petróleo, e os EUA acham que elas estão dispostas a fazer isso, e tudo por causa daquela pessoa com uma gripe estranha.

De fato, estamos todos juntos nisso, conectados universalmente.

Na sabedoria da Cabalá, existe um conceito chamado “a última geração”. Basicamente, significa que quando a geração for egoísta até o âmago, surgirá um novo paradigma, de unidade e responsabilidade mútua. Agora, de acordo com O Livro do Zohar, o livro principal da Cabalá, estamos no início dessa última geração.

O Nascimento De Uma Nova Humanidade

É certo que estamos no meio de uma crise global. Mas a palavra “crise” não merece sua má reputação. Em inglês, uma crise é “o ponto de virada para o bem ou para o mal em uma doença ou febre aguda” ou “um evento emocionalmente significativo ou uma mudança radical de status na vida de uma pessoa”, de acordo com o Webster’s Dictionary. Portanto, não é necessariamente ruim, mas é certamente uma situação dramática.

A palavra hebraica para “crise” é ainda mais interessante. Mashber, que significa crise em hebraico, é a palavra que os textos hebraicos antigos usavam para indicar nascimento. Mashber era a cadeira especial em que a mulher, em trabalho de parto, sentava-se até o parto (Talmude, Arachin 1:4). Além disso, na Bíblia (Isaías 37:3), a palavra mashber denota a abertura do canal de nascimento antes de o bebê recém-nascido emergir para o mundo.

No caso da crise atual, e de fato o processo atual pelo qual estamos passando há algumas décadas, o bebê recém-nascido é uma nova humanidade. A diferença entre agora e, digamos, dez anos atrás, é que partes significativas da humanidade estão começando a reconhecer que responsabilidade mútua e interdependência não são meras palavras sofisticadas que podem ser usadas para decorar suas postagens nas mídias sociais; elas são a dolorosa verdade que devemos levar em consideração em nossas vidas diárias. Anteriormente, não importava para ninguém se eu queria ir a uma discoteca ou ao cinema para livrar minha mente dos encargos da vida. Hoje em dia, a vida de outras pessoas pode depender da minha decisão, literalmente! Não se torna mais mutuamente responsável do que isso.

Colaboradores Dispostos Vs. Indispostos Com A Realidade

A realidade fez sua escolha para nós: todos somos dependentes um do outro. Mas podemos escolher como nos relacionar com isso. Como uma crise, a interdependência não é ruim por si só. Imagine como seriam nossas vidas se não tivéssemos ninguém para fazer nossa comida, para poder comprá-la no supermercado, ninguém para fabricar nossos carros, para que pudéssemos ir a qualquer lugar que quiséssemos, e ninguém para fazer nossas roupas, casas, eletrodomésticos e gadgets que tanto gostamos. Como seriam nossas vidas?

O problema não é a dependência mútua em si mesma, é o fato de estarmos tentando usá-la para o nosso benefício pessoal, em vez de todo mundo usá-la para o benefício de todos. Quando usamos nossa interdependência de maneira egoísta, os resultados são a crise financeira de doze anos atrás, a depressão que sentimos devido à nossa insatisfação com a vida, que causa o abuso de substâncias que reivindica dezenas de milhares de vidas todos os anos apenas nos EUA, e a pandemia atual de quem sabe quando ou como terminará.

Mas se usarmos nossa interdependência para o bem comum, teremos o maior prazer de contribuir com nossas melhores habilidades e esforços para a sociedade, porque todo mundo estará fazendo o mesmo. Você pode imaginar uma sociedade cujos membros trabalhem para o bem comum? Você pode imaginar tristeza lá? Você pode ver a doença lá? Você encontrará a solidão lá? Haverá crime, analfabetismo ou drogas nessa comunidade? Uma comunidade que implementa responsabilidade mútua nunca permitirá que nada disso aconteça em seu meio.

O COVID-19 é um professor severo. Porém, por mais dolorosas que sejam suas lições, é melhor aprendê-las agora – as lições de nossa interconectividade e responsabilidade mútua, nosso novo paradigma de vida. A realidade já decidiu que agora é a hora do nascimento de uma nova humanidade; é nossa escolha torná-lo suave e feliz, ou resistir a ele e suportar os métodos da natureza de entrega assistida …

Comente