“Como Transformar O Antissemitismo Nos Campi Dos EUA Em Um Diálogo Saudável” (Times Of Israel)

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “Como Transformar O Antissemitismo Nos Campi Dos EUA Em Um Diálogo Saudável

“O lobo habitará com o cordeiro, e o leopardo se deitará com a criança”. (Isaías 11: 6)

As sementes do antissemitismo estão sendo metodicamente plantadas e colhidas nos campi dos EUA. As universidades americanas tornaram-se epicentros do ódio aos judeus, vestidas com as chamadas “críticas legítimas” a Israel e suas políticas. Em vez de serem locais de progresso e iluminação ideológicos, as faculdades e universidades americanas foram transformadas em focos de agendas políticas fundamentalistas de cruel antissemitismo e sentimento antisraelense patrocinados por grupos de interesses especiais.

Ativistas pró-BDS alegam que a adoção da definição de antissionismo como uma forma de antissemitismo, conforme marcado pela Aliança Internacional para a Recordação do Holocausto (IHRA), viola a liberdade de expressão. A mesma alegação foi levantada – inclusive de grupos judeus – contra a ordem executiva do presidente Trump de limitar o financiamento federal às universidades acusadas de discriminar a nação judaica.

No entanto, se nos aprofundarmos, descobriremos que há uma linha muito fina que separa a liberdade de expressão da anarquia. Essa linha é uma qualidade de nossa natureza humana e devemos entendê-la bem para que possamos usá-la adequadamente e ter sucesso em estabelecer instituições educacionais imparciais e sociedades saudáveis.

Ego, a Causa Fundamental do Ódio

De acordo com a sabedoria da Cabalá, o material da criação em todos os seus estágios e partes é o desejo de receber prazer. Esse desejo de receber é inerente à natureza humana e não há nada além disso no mundo. Ao contrário dos níveis inanimado, vegetativo e animado da natureza, que se comportam instintivamente, os seres humanos são governados pelo ego: o desejo de receber às custas dos outros. Esse mesmo ego, se pudermos mudar sua direção de benefício próprio para benefício dos outros, de receber para dar, pretende ser usado como força motriz para elevar a criação ao seu ponto mais alto. No entanto, se persistirmos no uso egoísta incontrolável do desejo de receber, comumente visto hoje, continuaremos a experimentar declínio social, preconceito e intolerância em todas as esferas da vida, e as instituições de ensino superior não serão exceções.

É possível manter um ambiente positivo nos campi dos EUA sem cancelar ou oprimir qualquer opinião?

É aqui que a lei cunhada por um de nossos maiores sábios, o rei Salomão, torna-se indispensável: “O ódio provoca conflitos e o amor cobre todos os crimes”. Essa regra indica que, para construir uma sociedade saudável e forte, que leve em conta diferentes opiniões e posições, uma sociedade que cresce e floresce, precisamos superar o ego e cobri-lo com amor. Isto é, superar o desejo de explorar um ao outro e cultivar sentimentos de amor, respeito e consideração, o sentimento de que somos um.

Pluralismo, Não Anarquia

Quanto mais opiniões são compartilhadas entre nós, mais resultados florescentes desenvolvemos e alcançamos em todas as formas de comunicação entre nós. Como meu mentor, o Cabalista Rav Baruch Ashlag (O Rabash) escreveu: “Como seus rostos diferem, seus pontos de vista diferem”. (Os Escritos do Rabash). Podemos aprender com os sábios judeus como eles provocaram uma discussão e um debate pertinente, precisamente para fortalecer a unidade, descobrir a verdade e obter conciliação.

Sem os filtros do amor pelo outro, sem o desejo de doar, todo debate se transforma em uma cruel guerra de opiniões e conflitos que é irresolúvel até que um lado derrote o outro. Portanto, antes que qualquer opinião seja expressa, devemos perguntar: a minha opinião está acompanhada da intenção adequada? Quando chegamos para negociar, a conversa é mantida acima e além das considerações de benefício pessoal?

Se as respostas forem afirmativas, poderemos participar de qualquer discussão, mesmo a mais tempestuosa e controversa, sem restrições. Na estrutura completa ideal em que a humanidade existe como um corpo, todos os órgãos e partes desse corpo têm funções específicas e são completamente únicos, mas interagem harmoniosamente em benefício do todo. Da mesma forma, a sociedade deve abrir espaço e preservar as diferenças entre as pessoas, enquanto se eleva acima delas para manter o equilíbrio.

Sobre esse assunto, o livro Likutey Etzot descreve a abordagem correta para esse equilíbrio:

“A essência da paz é conectar dois opostos. Portanto, não se assuste se vir uma pessoa cuja visão é o completo oposto da sua e achar que nunca será capaz de fazer as pazes com ela. Além disso, quando você vê duas pessoas completamente opostas uma à outra, não diga que é impossível fazer as pazes entre elas. Pelo contrário, a essência da paz é tentar fazer as pazes entre dois opostos”.

Comente