Use O Conselho Dos Cabalistas

laitman_249.01De acordo com o processo correto de avanço, quanto mais avançamos, mais sentimos desamparo, incompreensão, insensibilidade e decepção em nós mesmos. Já temos algum tipo de pista sobre a força espiritual que está à nossa frente, mas ainda não somos capazes de trabalhar com ela. Então, nos encontramos em um estado completamente desesperado sobre o qual está escrito: “E os filhos de Israel suspiraram da obra, e eles choraram, e seu clamor subiu a Deus da obra”. Este é exatamente o sinal de que estamos nos aproximando da entrada do mundo espiritual.

Aqui, toda a questão é quem passará neste teste e quem não passará. Quem se apega a seus amigos consegue. E os sábios e orgulhosos que mantêm distância do ambiente e do grupo se desentendem. As forças da natureza permitem a entrada na espiritualidade apenas para aqueles que estão prontos para se unir. Aqueles que ainda não estão em tal unidade são aqueles que deixam que as forças da natureza os operem. Unir significa querer que essas forças, tanto negativas quanto positivas, ajam sobre nós e arranjem tudo para que possamos preencher nossas células vazias no Kli (vaso) comum, na alma de Adam HaRishon.

Quem concorda com isso entra no mundo superior. Diminuir o orgulho é de extrema importância aqui. O principal obstáculo é quando a pessoa se imagina como um indivíduo independente que entende e toma decisões em vez de ser uma pequena célula de Adam HaRishon. Essa abordagem enfraquece bastante a pessoa.

Tudo é alcançado apenas pelo poder da oração, isto é, ao concordar que todas as correções são feitas em você e você se entrega ao grupo e ao Criador. Baal HaSulam, Carta nº 57: “Segue-se do exposto que tudo, pequeno ou grande, é obtido apenas pelo poder da oração. Todo o labor e trabalho a que somos obrigados são apenas para descobrir nossa falta de força e nossa baixeza – que somos impróprios para qualquer coisa por nossa própria força – pois então podemos derramar uma oração de coração diante Dele”.

Talvez eu ainda não consiga perceber a espiritualidade com meu coração ou minha mente, mas sei de uma coisa: eu tenho um escudo – minha dezena. Eu me agarro a essa dezena como um bebê se agarra à mãe, pendurado nela como um macaco. Se não fosse o grupo, eu entraria nessa vida corporal e, tendo saído do caminho espiritual, me tornaria uma pessoa comum.

Esse escudo se expandirá e se tornará minha conexão com toda a alma de Adam HaRishon, onde devo cumprir meu papel com relação a todas as almas: receber delas e doar-lhes. Esta é a lei para a existência de uma célula saudável em um corpo saudável no mundo material. É preciso também se comportar de maneira semelhante na espiritualidade.

Quer você queira ou não, você chegará a ela de qualquer maneira. Mas se estamos no caminho espiritual, usamos o conselho dos Cabalistas para preceder o golpe com o remédio, para avançar com aceleração pelo caminho da luz antes mesmo de embarcar no caminho do sofrimento. E os Cabalistas nos aconselham a fortalecer nossa conexão com o grupo, caso contrário teremos que avançar pelos golpes, que levarão centenas de anos e muitas vidas. Se aplicarmos nosso próprio esforço, atingiremos a meta em alguns anos. 1

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá, 03/02/20, Clamor Comum ao Criador (Preparação para a Convenção no Deserto)
1 Minuto 19:00

Comente