“O Mundo Da Academia: Uma Fortaleza Antissemita” (The Times Of Israel)

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “O Mundo Da Academia: Uma Fortaleza Antissemita

O ódio contra judeus e Israel não é mais marginal, mas predominante nos campi das faculdades. Nos EUA, por exemplo, um grupo de estudantes judeus de Harvard formou uma coalizão antissionista que incluía apoio ao BDS, enquanto uma estudante judia, Adela Cojab, processou a NYU alegando que sua “alma mater” não faz o suficiente para combater o antissemitismo. Hoje, esses ambientes polarizados prevalecem nos campi, onde os incidentes antissemitas aumentaram dramaticamente nos últimos anos.

Sentimentos antisssionistas também são evidentes no oceano. Na Alemanha, 20% dos acadêmicos apoiam o direito de rejeitar a existência do estado de Israel como parte da liberdade de expressão no campus, revelou um estudo recente encomendado pelo think tank da União Democrática Cristã.

Por que a Academia se tornou um bastião do ódio anti-Israel?

Liberdade de Ataque

De acordo com grupos de monitoramento, na América, houve 201 incidentes antissemitas apenas nos campi de universidades e faculdades dos EUA em 2018, envolvendo assédio, vandalismo e agressão física. Muitos outros casos não são relatados por causa da inação das faculdades para combater a discriminação contra estudantes judeus, especialmente quando o detrimento e as iniciativas anti-israelenses vêm dos próprios judeus – a Jewish Voice for Peace sendo o grupo mais vociferante, ativo em vários capítulos nos campi da América.

O presidente Trump assinou uma ordem executiva para combater o antissemitismo nos campi, condicionando o financiamento governamental a se as universidades falham ou não em rejeitar o viés antijudaico. Mas mesmo os que são a favor da iniciativa questionam se sua aplicação é realista, uma vez que combater o fanatismo pode contradizer a liberdade de expressão.

O Que Construiu O Bastião Do Ódio?

A Academia, a fortaleza dos instruídos e letrados, tornou-se uma estufa fértil de fanatismo e discriminação por várias razões. Primeiro, porque entre os alunos sempre haverá pessoas com proficiência na arte da retórica que podem formular suas ideias de forma assertiva para justificar movimentos como boicotes, usando uma lógica difícil de discordar. Essas pessoas opinativas também entendem como anunciar e espalhar seu ódio para alcançar a mídia e o público em geral. Afinal, a Academia é a fonte de educação da sociedade, de onde surgiram os líderes e presidentes da sociedade. A Academia é conhecida por sua diversidade e libertarianismo permissivo, uma arena que tolera a expressão de tudo o que vem à mente, mesmo que possa machucar outra pessoa.

Em segundo lugar, as raízes do antissemitismo moderno foram estabelecidas décadas atrás e nutridas de forma paciente e astuciosa. Suas complexas racionalizações não surgiram subitamente do nada para se tornar o que são hoje: ódio maduro e forte. O antissemitismo é tão forte que é quase impossível combater.

O Que O Dinheiro Pode Comprar

Suspeita-se que elementos muçulmanos radicais tenham penetrado e politizado universidades há muitos anos para garantir seu lugar de influência com a ajuda de um apoio financeiro generoso, como está sendo atualmente investigado pelo Departamento de Educação dos EUA. Quem paga tem permissão tácita para estabelecer cursos, programas e departamentos, de acordo com seus pontos de vista e ideias, mesmo à custa de apagar outros pontos de vista e pessoas. Empregando de forma silenciosa e constante agentes subversivos em posições-chave, torna-se cada vez mais impossível fechar a porta para mais infiltrações.

Pluralismo, Não Anarquia

Os judeus não podem mais ignorar o que está acontecendo diante de seus olhos e continuar com uma atitude de negócios, como de costume, como se isso fosse um pequeno e passageiro desconforto. A animosidade não desaparecerá até que as pessoas percebam que a liberdade não deve ser confundida com anarquia, intolerância, discriminação e até ataque físico para ameaçar ou tentar aniquilar. E os judeus – um povo com uma vasta história de debate pluralista entre seus sábios para alcançar a verdade e a sabedoria – podem e devem desempenhar um papel crucial na promoção do entendimento da verdadeira liberdade da sociedade.

O diálogo deve ser encorajado com o resultado final pretendido de promover a unidade e a fraternidade. O Cabalista Rav Yehuda Ashlag escreveu em seu ensaio, “A Liberdade”, sobre a importância do valor humano fundamental da liberdade:

“Assim como os rostos das pessoas são diferentes, as opiniões delas também são diferentes. Portanto, a sociedade é alertada para preservar a liberdade de expressão do indivíduo. Cada indivíduo deve manter sua integridade, e a contradição e oposição entre as pessoas devem permanecer para sempre, para garantir o progresso da sociedade livre para sempre”.

Mas, como explica a sabedoria da Cabalá, a liberdade só pode funcionar se for acompanhada do princípio: “o amor cobre todos os crimes” (Pv, 10:12) como base para alcançar a unidade e a fraternidade acima de nossas diferenças.

Uma infinidade de ideias e pensamentos baseados em interesses egoístas resultam apenas em conflitos e guerras. Por outro lado, quando nos elevamos acima do egoísmo humano, cobrindo-o de amor, uma miríade de ideias e pensamentos se desenvolve e enriquece todos os tipos de meios de comunicação e conexão.

O povo judeu com sua longa tradição de discurso pluralista está singularmente situado para desempenhar um papel crucial na promoção da compreensão da verdadeira liberdade, primeiro implementando entre si o método de conexão acima das diferenças e depois transmitindo à humanidade a força positiva que é gerada. Isso acalmará o antissemitismo e abrirá o caminho para um futuro brilhante de entendimento mútuo e relações harmoniosas. Atingir um estado tão elevado é o papel supremo dos judeus, isto é, ser uma “luz para as nações”.

Comente