“Desbloqueando O Antigo Livro Do Zohar Para Entender O Antissemitismo De Hoje” (Times Of Israel)

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “Desbloqueando O Antigo Livro Do Zohar Para Entender O Antissemitismo De Hoje

Certas coisas não desaparecem com o tempo. Elas apenas mudam de forma, movimento e meios para penetrar na mente das pessoas. O preconceito contra os judeus é um desses casos. Com o surgimento de novos meios de comunicação, o preconceito também adotou novas formas de disseminação. Mas respostas reais ao eterno dilema de como erradicar o antissemitismo serão encontradas olhando para trás as antigas escrituras.

A luz do Zohar é como um portão para uma realidade mais verdadeira que atualmente está oculta da nossa visão. Vejamos o antissemitismo novamente nesta nova luz que o Zohar lança.

Se você chegasse há 220 anos em uma vila siberiana abandonada e declarasse que era judeu, os locais reagiriam com espanto: “Não acreditamos em você!” E se você perguntasse o porquê, eles responderiam: “Porque você não tem chifres na cabeça”. Por mais primitivo que isso pareça, difamações de sangue contra judeus e imagens grotescas de comerciantes gananciosos com nariz torto ainda prevalecem nas mídias sociais e manifestações culturais nas sociedades americanas e europeias até hoje.

Além disso, a crença no mito de que os judeus mataram Jesus e o equívoco da dupla lealdade judaica continuam com uma frequência perturbadora. O antissemitismo permanece tão feio e poderoso como sempre. Ele sempre existiu, e a questão é apenas até que ponto ele emerge ou permanece submerso.

Deveria ser declarado imediatamente: a luta contra os estereótipos antissemitas será infrutífera. O ódio contra o povo judeu só se fortalecerá porque tem raízes espirituais.

A sabedoria da Cabalá explica que a fonte desse fenômeno existe dentro da estrutura do próprio mundo espiritual, que é dividido no que a Cabalá chama de “Rosh” (“cabeça”) e “Guf” (“corpo”), ou seja, “Israel” e as “nações do mundo”. Este pensamento alegórico também é expresso às vezes como o “coração” e os “órgãos corporais” que oscilam e se manifestam em nosso mundo material.

De acordo com o antigo e principal livro da Cabalá, O Livro do Zohar, que explica os segredos da Torá: “Israel é o coração do mundo inteiro, assim como os órgãos do corpo não podem existir no mundo nem por um momento sem o coração, todas as nações não possam existir no mundo sem Israel”.

Assim como o papel do coração no corpo humano é fornecer o poder de bombear sangue para todos os órgãos, o papel de Israel é fornecer à humanidade o poder de conectar-se, fornecer abundância espiritual para as nações do mundo. Em outras palavras, Israel deve ser uma “luz para as nações”.

O povo de Israel e as nações do mundo não são meramente grupos de pessoas na face da Terra. A sabedoria da Cabalá explica que os termos se referem às duas forças que agem dentro de cada pessoa, forças chamadas “Israel” e “as nações do mundo”.

Os desejos dentro de nós que são sensíveis à força de conexão entre as pessoas são chamados “Israel”, e os desejos opostos que possuímos que exigem receber e desfrutar da abundância que flui dessa conexão sem consideração dos outros são chamados “nações do mundo”. Ambas as forças residem e interagem dentro de uma pessoa e dentro da humanidade como um todo. Quando uma força sobe, a outra cai e vice-versa. Assim, as chamas do ódio contra o povo judeu podem ser reduzidas ou, alternativamente, fortalecidas de acordo com o equilíbrio entre esses desejos.

Como podemos reforçar o “Israel” dentro de nós sobre as “nações do mundo”? Como podemos aumentar nossa sensibilidade em relação à conexão com nossos outros desejos de autoindulgência à custa dos outros?

Podemos alcançar isso através do estudo da Cabalá – o método de conexão – e particularmente do Livro do Zohar. O Zohar tem uma grande influência positiva sobre nós, mesmo que não possamos compreender todas as suas dimensões e benefícios. Nossos sábios elucidaram o processo da seguinte maneira:

“Para explicar como O Zohar purifica a alma, mesmo quando o leitor não entende o que fala, temos o exemplo de quem entra em uma loja de perfumes: mesmo que não compre nenhum perfume, quando sai da loja, ele tem o cheiro ligado a ele. (Rabino Moshe Chaim Efraim de Sadilkov)

A luz do Zohar é como uma porta para a verdadeira realidade que atualmente está oculta aos nossos sentidos. Ela tem um poder tremendo, mas para podermos usar sua força de revelação com eficiência, precisamos ler as histórias narradas no Zohar como um guia prático para descobrir uma realidade mais profunda através da unidade além dos limites do mundo material.

Como funciona esse processo?

Quando aspiramos à unidade, despertamos a força da conexão entre nós e aumentamos nossa sensibilidade às relações positivas entre nós baseadas no relacionamento, elevando o “Israel” dentro de nós e doando abundância ao mundo. Nesse estado, ninguém no mundo lidaria mais com representações antissemitas ou preconceitos contra os judeus, mas com o coração caloroso e atencioso que deveria representar o povo judeu e sua grande contribuição para a melhoria do mundo.

Comente