“Da Geração Da Tela À Geração Da Conexão” (Kabnet)

A Kabnet Publicou Meu Novo Artigo: “Da Geração Da Tela À Geração Da Conexão

Muitas críticas foram levantadas sobre a geração mais jovem presa no espaço virtual dia e noite atrás de telas de computadores e dispositivos móveis. Vários detratores dizem que esta é uma geração sem vida, sem desenvolvimento adequado do cérebro, habilidades de comunicação, imaginação e que se afundaram nelas, enterradas entre fileiras de palavras e inúmeras imagens. A “Geração da Tela”, no entanto, é mais hábil do que qualquer geração anterior em discernir a doença mortal do persistente egocentrismo que apodrece em nosso mundo.

Como o diagnóstico preciso de uma doença em seus estágios iniciais nos dá uma grande vantagem para curá-la, a “Geração da Tela” gera o dom do “reconhecimento do mal”, isto é, a consciência da natureza destrutiva do ego humano – o desejo de desfrutar às custas dos outros – residindo em cada um de nós como sendo a fonte de todos os nossos problemas. Sem essa percepção, não podemos esperar nenhum progresso positivo, nenhuma cura de nossa doença.

No entanto, onde a nossa geração da tela pode alcançar um reconhecimento do mal significativo, a solução para o problema não pode ser feita através das mesmas telas que aumentam o problema. Os livros também, embora sejam conhecidos por trabalhar mais positivamente no desenvolvimento do cérebro, melhorando as habilidades linguísticas, de escrita, imaginação, audição e aprendizagem, surgiram originalmente como uma perturbação que estragou uma transmissão boca a boca mais natural da sabedoria de professor para estudante.

No passado distante, os professores da sabedoria sentavam-se nas colinas e sob as árvores, cercados por círculos de estudantes, e apresentavam palavras de sabedoria, ensinando através de conversas e interações. Assim, podemos aprender com os formatos anteriores de aprendizado conversacional, a fim de abordar uma solução para nossos problemas atuais.

Em uma atmosfera de amizade, carinho, simpatia e apoio mútuo, podemos construir conexões positivas acima de nossos impulsos egoístas, em um espírito de discussão aberta. Em outras palavras, quando reconhecemos como nosso progresso tecnológico, científico e cultural foi sincronizado a um declínio na qualidade de nossas conexões, podemos combinar a necessidade desesperada de curar nossas conexões com o método de conexão, aperfeiçoado no métodos educacionais de nossos sábios, a fim de encontrar a cura para nosso estado atual.

Quando a sabedoria precisava ser transmitida de boca em boca, nosso aprendizado exigia uma escuta atenta para entender o que estava sendo discutido e para internalizar e adicionar o material à nossa reserva de memória. Os estudantes ouviam, faziam perguntas e conversavam para obter conhecimento e sabedoria. Em seus círculos, eles absorviam o espírito do material que estava sendo ensinado. Através de uma abordagem conversacional e social, os estudantes se conectam entre si e com os professores frente a frente.

Portanto, nosso desafio para corrigir o mal inerente à natureza humana hoje é aprender a nos conectar positivamente acima de nossos impulsos divisivos. No centro de nosso discurso deve estar o entendimento de tal necessidade e o ímpeto de nos equilibrarmos com a lei da natureza que move todos e tudo em direção a estados cada vez mais unificados.

Nossas conversas nos avançariam gradualmente a compreender e a sentir um desejo mais poderoso de se conectar positivamente com uma aptidão mental e emocional muito maior. Nosso cérebro então se desenvolveria ao lado de nossos corações mais desenvolvidos, à medida que teríamos acesso ao dispositivo unificador final para lidar com qualquer problema e forma de divisão que surgisse entre nós.

Comente