A Singularidade Da Força Que Nos Governa, Parte 3

Laitman_177.06Entre O Diabo E O Mar Azul Profundo

Somente superando verdadeiramente todos os obstáculos que constantemente me derrubam e me levam ao caminho certo, através da fé acima da razão, quando, ao contrário do que vejo, ainda atribuo todos os eventos e todas as fontes de influência ao Criador, apesar do que vejo, eu percebo que Ele se veste em pessoas, forças e eventos diferentes. Esta é a única maneira pela qual posso fazer esforços para corrigir minha percepção do mundo e buscar o Criador.

Mas nem sempre tenho forças para superar todas essas dúvidas e configurações, e me apego ao Criador. Nem sempre posso ver o Criador através de todas as fontes, pela fé acima da razão, através dos meus esforços e ao contrário do que vejo. Embora eles sejam muito sérios e ameaçadores, ainda tenho que ver o Criador através deles.

Tal busca é chamada de “fé acima da razão”, quando corro para Ele, ao contrário do que sinto. Se não consigo resistir a isso, entro no sentimento de nosso mundo e vejo apenas isso.

Portanto, o começo do caminho espiritual é começar a determinar o Criador em todas as ações que sentimos sobre nós mesmos e no que está acontecendo não apenas ao nosso redor, mas também dentro de nós mesmos – como reajo ao fato de que o Criador me joga comigo através de todos tipos de figuras externas.

E aqui também não reajo, não sou eu: não tenho nada independente, este também é o Criador. Acontece que eu estou no meio entre como o Criador me influencia de fora e como o Criador influencia o mundo exterior de dentro de mim. É no meio entre essas duas fontes da intenção correta que não há outro além Dele, que devo encontrar meu estado claro.

Baal HaSulam escreve que nesta busca a pessoa sempre tem mais baixos do que altos. Sempre temos mais falhas nas tentativas de descobrir o Criador, tornar-nos fortes Nele, dirigir-nos a Ele e ver o Criador em todas as ações.

Existem muito poucas condições desse tipo. Muito mais do que outros, quando eu caio, vejo apenas o mundo exterior e a mim mesmo neste mundo, ou seja, não o Criador de dentro e o Criador de fora, mas eu e o mundo exterior. Esta é, podemos dizer, a nossa tragédia.

O estado em que sinto “O mundo exterior e eu” é chamado de descida. O estado em que sinto que o Criador está dentro de mim e fora de mim é chamado de ascensão.

O que significa que o Criador está dentro de mim? É o fato de que eu sinto como Ele me torce. Ele não dá nem mesmo meu esforço interior para correr diretamente para Ele, para ver este mundo como Sua obra.

Aqui estou realmente entre dois fogos – por dentro sempre sou enganado e por fora também. Tal ajuste duplo “tanto dentro de mim quanto fora” é chamado de “ajuste ao Criador”, que não existe outro além Dele e eu não existo, não há mundo externo, mas existe apenas um Criador.

E quem sou eu? Eu sou o ponto que está entre duas influências: interna e externa.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 24/11/19

Comente