“Segredos Da Natureza Que Podemos Aprender com Chernobyl” (KabNet)

KabNet publicou meu novo artigo: “Segredos da Natureza que Podemos Aprender com Chernobyl

Em 26 de abril de 1986, um dos piores cenários do mundo se materializou. O reator nuclear de Chernobyl explodiu como resultado de um experimento fracassado, liberando dez vezes mais radiação do que a quantidade de Hiroshima. Uma vasta área tornou-se mortal para 350.000 residentes.

Apesar das tentativas do regime soviético de ocultar o mais grave acidente nuclear da história, em poucos dias o local se tornou uma cidade fantasma. Centenas de milhares de pessoas foram evacuadas de suas casas, e os cientistas estimaram que a área afetada de Chernobyl seria inabitável pelos próximos 20.000 anos.

Contra a lógica humana, uma década depois, a vegetação começou a brotar das ruínas. Chernobyl tornou-se uma espécie de laboratório evolutivo para o mundo, onde uma reserva natural florescente emergiu da ruína nuclear. Os campos floresceram, as árvores das florestas se restauraram e uma variedade de animais começou a aparecer na área: répteis, aves e várias espécies de mamíferos, alguns dos quais não viviam na área há muitos anos antes do desastre.

“Se repararmos nas relações humanas, construindo pontes de conexões positivas acima de nossa rejeição inata, divisão e até ódio recíproco, podemos experimentar nossa realidade como perfeita”.

Pelas lentes das leis da natureza, o novo crescimento de Chernobyl é semelhante a muitos novos estados planetários que surgiram de seus opostos. A Terra desenvolveu-se através de estados em que sua superfície estava derretida, estava principalmente coberta de gelo, e também estava completamente coberta de água. No entanto, em todas as épocas, nosso planeta emergiu mais forte e saudável que a versão anterior.

O que Acontece Quando os Seres Humanos Não Interferem na Natureza?

O universo tem infinitas forças de cura e equilíbrio. Quando os humanos não interferem nos níveis inanimado, vegetativo e animado da natureza, há total harmonia.

Nós operamos em uma rede de forças das quais temos pouco entendimento; portanto, até nossos pensamentos e ações aparentemente benignos podem resultar em danos não intencionais. Segue-se que, quando o espírito humano egoísta e destrutivo abandona uma área, fica cheio de vida.

Chernobyl fornece um exemplo: quando a radiação começou a desaparecer e não houve distúrbios humanos, surgiram novas espécies de plantas e animais que julgávamos extintos. De onde vieram essas novas espécies?

Como Surgiram Novas Espécies de Plantas e Animais em Chernobyl Após o Desastre

A natureza é composta por muitas forças, visíveis e latentes, e inúmeras combinações entre essas forças produzem uma variedade infinita de formas. Quando os seres humanos saem de cena, deixando essas forças em paz, elas agem e geram toda manifestação que precisa existir de acordo com o estágio atual de desenvolvimento.

É uma lei da natureza: toda interseção na rede deve ser cumprida e gerar algo novo, seja nos níveis inanimado, vegetativo ou animado. Em todos os níveis, a natureza opera de acordo com atributos diferentes e contrastantes de conexão, a fim de criar harmonia e equilíbrio, permitindo a evolução de formas de vida cada vez mais avançadas. Em outras palavras, a natureza sempre evolui para estados mais elevados de unificação.

Os níveis inanimado, vegetativo e animado da natureza obedecem a suas leis e operam harmoniosamente. Todo objeto e organismo nestes níveis extrai exatamente o que seu sustento requer e repassa qualquer excedente de volta ao sistema maior em que existe.

É assim que um sistema integral bem entrosado é criado. Somente o ser humano pode, por um tempo limitado, resistir a essas leis. A natureza humana tem uma tendência a agir de maneira oposta: contribuímos com o que devemos e tomamos o máximo que podemos sem considerar as outras partes do sistema. Fazemos isso sem entender que roubamos a nós mesmos ao fazê-lo, porque, na realidade, somos partes interdependentes do sistema natural, como as engrenagens de uma máquina.

O que os Humanos Devem Extrair do Crescimento de Chernobyl

O exemplo de Chernobyl demonstra como a natureza humana é oposta à própria natureza. O ego humano, isto é, o desejo de desfrutar às custas dos outros, o que gera exploração, manipulação e abuso no meio de nossas relações, gera toxinas que irradiam por toda a natureza. Assim, é imperativo aprendermos como a natureza funciona e, ao fazê-lo, saberemos como resolver os problemas que causamos.

Se aumentarmos a consciência de nossa função como seres humanos dentro da natureza, entendendo como seus níveis inanimado, vegetativo e animado dependem de nossas relações, podemos trabalhar juntos para nos tornarmos harmoniosamente integrados e benéficos à natureza.

Se repararmos nas relações humanas, construindo pontes de conexões positivas acima de nossa rejeição inata, divisão e até ódio recíproco, podemos experimentar nossa realidade como perfeita. Ao corrigir a natureza humana, sentiremos como nossos relacionamentos florescem e respiram novamente, e como cada momento é renovado e recriado.

Nosso planeta se tornará um paraíso, nada menos que o céu na terra.

Comente