“Por Que Um Holocausto Pode Acontecer Novamente” (Breaking Israel News)

O maior portal Breaking Israel News publicou meu novo artigo:Por Que Um Holocausto Pode Acontecer Novamente”:

Não, não é histeria judaica. Os sinais de uma situação extremamente perigosa para os judeus, semelhante à época anterior ao Holocausto, estão lá fora, desta vez na América, onde historicamente altos números de violentos ataques antissemitas são relatados todos os dias. Ataques deliberados contra judeus apenas por serem judeus tornaram-se particularmente recorrentes em Nova York. Grupos de monitoramento de crimes de ódio chamam o estado de “epidemia”.

De fato, 2019 foi o pior ano já registrado para incidentes antissemitas na cidade de Nova York: cerca de 214 reclamações em comparação com 182 casos no ano anterior, segundo dados da polícia. Estes representam cerca de metade de todos os crimes de ódio relatados na cidade.

Um “Pogrom Lento” Em Nova York

Em uma recente carta enviada ao governador da cidade de Nova York, Andrew Cuomo, quatro parlamentares judeus pediram que ele declarasse estado de emergência em meio a uma série de ofensas antissemitas, expressando grande preocupação de que “não é mais seguro ser identificável ortodoxo no Estado de Nova York. Não podemos fazer compras, andar por uma rua, mandar nossos filhos para a escola ou até mesmo adorar em paz”.

Eles descreveram a ameaça contra a comunidade judaica americana como um “pogrom lento” e acrescentaram que “os crimes de ódio antissemita cresceram para números assustadoramente altos nos últimos meses …. judeus ortodoxos identificáveis ​​nas áreas que representamos e nos arredores foram alvo de uma onda de violência não vista na história moderna. Judeus ortodoxos estão sendo regularmente assaltados, ameaçados, esfaqueados e assassinados em número crescente”.

Não consigo ver a situação atual sem prestar atenção. Durante a última década, eu avisei através de artigos e livros da mídia sobre a ameaça de um potencial novo Shoah em solo americano à luz do crescente sentimento antijudaico de várias frentes. Apenas alguns anos atrás, quando conheci líderes judeus para expressar minha preocupação, eles reagiram com incredulidade.

Agora a perspectiva deles mudou. O ex-deputado democrata, Dov Hikind, do Estado de Nova York, questionou: “Por que os judeus estão sendo agredidos da maneira como foram agredidos na Alemanha pré-nazista?”, e disse: “Se você perguntasse aos judeus há 20 anos se um Holocausto poderia acontecer na América, obteria uma resposta uniforme: ‘é impossível, não na América’. Bem, esse não é mais o caso”.

O aumento do reconhecimento do antissemitismo americano é um primeiro passo positivo para resolver o problema e descobrir sua solução. Eu expressei isso em meu novo livro, The Jewish Choice: Unity or Anti-Semitism (A Escolha Judaica: Unidade ou Antissemitismo) – pg. 190, da seguinte maneira:

“Claramente, o século XX marcou um novo nível na crueldade da humanidade, especialmente em relação aos judeus. Tendo experimentado o Holocausto, não podemos ter certeza de que isso não acontecerá novamente. Se aconteceu uma vez, pode acontecer duas ou três vezes, e o ódio global contra os judeus e contra o Estado de Israel prova que o medo de um segundo holocausto é bem fundamentado. Isso, mais uma vez, nos lembra a necessidade de retornar ao método de Abraão de nos unir acima de nossas diferenças e de nosso dever de dar um exemplo ao mundo ao fazer isso”.

Como o principal Cabalista, Rav Yehuda Ashlag, escreveu no início dos anos 50:

“O mundo erroneamente considera o nazismo um ramo particular da Alemanha. Na verdade, é o ramo de uma democracia e socialismo que foram deixados sem … maneiras e justiça. Assim, todas as nações são iguais nisso, e não há nenhuma esperança de que o nazismo pereça com a vitória dos Aliados, pois amanhã os anglo-saxões adotarão o nazismo, pois também vivem em um mundo de democratas e nazistas”. (Os Escritos da Última Geração)

O Dever Judaico De Impedir Uma Nova Tragédia

Nossa nação judaica foi forjada sobre a ideologia da misericórdia e do amor fraternal, quando estranhos concordaram em se unir e se reunir como iguais. Nós nos tornamos uma nação quando prometemos ser “como um homem com um coração”. Desde então, é nosso dever manter essa conexão e transmiti-la, a saber, ser uma “luz para as nações”, não por direito, mas para servir aos outros. Portanto, o dever do povo judeu é executar e dar um exemplo de amor aos outros ao mundo.

Com o tempo, abandonamos a conexão única que cultivamos e nos tornamos egocêntricos. Mas agora que a globalização nos tornou interdependentes, a humanidade está buscando uma maneira de viver juntos pacificamente, mas não consegue encontrar uma. Até que os judeus aprendam a se unir como antes, o mundo não tem acesso ao conhecimento de como fazer isso e continuará a nos culpar por seus problemas. Sua demanda não atendida é infalivelmente projetada como antissemitismo, como uma pressão crescente, até mudarmos nosso curso de ação em direção à coesão, e não à divisão.

Portanto, ser uma luz para as nações é uma tarefa prática: ao fazermos a paz entre nós mesmos, o mundo também estará em paz.

Unidade Para O Bem

O mundo está sempre examinando o que fazemos, portanto, sempre que mostramos desarmonia, serve como um mau exemplo que se reflete no mundo. Se brigamos entre nós, projetamos essa desarmonia em outras nações e elas também começam a lutar. Mas no fundo elas sentem que sua luta de alguma forma se originou conosco, assim como expressam nas formas de crescente rancor contra nós.

Nosso problema é que nos unimos apenas quando um inimigo comum nos ameaça. Se transformarmos a unidade em um processo consciente, não exigiremos nenhum resultado sombrio de um novo Holocausto para nos direcionar a ele. Assim, os tempos prementes que enfrentamos exigirão decisivamente que tomemos uma decisão fatídica. Nossa escolha judaica é se permaneceremos divididos e em desacordo e sofreremos as consequências, ou reverteremos nossa atitude um para com o outro, desenvolveremos responsabilidade e cuidado mútuos, e os espalharemos pelo mundo. Se escolhermos sabiamente o último, uma nova realidade de confiança, amizade e apoio mútuo se revelará diante de nós, na América e no mundo.

Meu novo livro, The Jewish Choice: Unity or Anti-Semitism (A Escolha Judaica: Unidade ou Antissemitismo) está agora disponível na Amazon e Laitman Kabbalah Publishers

Comente