Como Podemos Realmente Honrar A Memória Das Vítimas Do Holocausto (Times Of Israel)

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “Como Podemos Realmente Honrar A Memória Das Vítimas Do Holocausto

Num futuro próximo, uma geração inteira de sobreviventes do Holocausto se juntará aos anais da história. Cerca de 15.000 pessoas que escaparam das atrocidades do Terceiro Reich e fizeram de Israel sua casa faleceram no ano passado, enquanto apenas 190.000 permanecem. Seu legado e a memória dos seis milhões de judeus que morreram na Shoah serão comemorados por mais de 45 líderes mundiais reunidos em Yad Vashem, em Jerusalém, no 75º aniversário da libertação de Auschwitz.

Surge assim a questão: essas reuniões diplomáticas têm algum impacto em evitar catástrofes futuras semelhantes?

Com muitas organizações e países que lidam com o antissemitismo e orçamentos robustos designados para enfrentar esse problema mundial, pode-se esperar resultados positivos concretos. No entanto, apesar de todo o sofrimento que o Holocausto trouxe e milhões investiram em cúpulas e viagens patrocinadas para delegações inteiras a Israel, bem como em reformas de campos de concentração, o antissemitismo não desapareceu nem diminuiu. Pelo contrário, os incidentes antissemitas estão se tornando mais frequentes e intensos.

Portanto, preservaremos verdadeiramente a memória de todas as vítimas apenas quando pudermos garantir que a frase “nunca mais!” não seja apenas um slogan vazio. Como? Podemos erradicar o ódio eterno de judeus e Israel através de uma investigação profunda sobre sua origem e processos.

Combater O Antissemitismo Em Sua Raiz

Para investir em uma solução real e duradoura que elimine completamente o antissemitismo, exigimos um programa educacional que explique por que a Shoah aconteceu e como é possível que os judeus continuem sendo ferozmente atacados e perseguidos após tantas décadas, particularmente na Europa e os EUA.

A sabedoria da Cabalá explica que existem duas forças que operam a natureza: positiva e negativa, e a falta de equilíbrio entre elas resulta na ruptura subjacente ao antissemitismo.

O objetivo desses opostos é permitir que, conscientemente, construamos uma ponte que nos conecte acima das forças contrastantes – um estado equilibrado no qual a humanidade pode finalmente encontrar segurança e calma.

À medida que o mundo se torna cada vez mais interdependente, a humanidade está inevitavelmente encerrada como uma unidade única, onde prevalecem dois estados conflitantes: a interconexão, por um lado, e a profunda divisão, por outro. Sob tais condições de panela de pressão, o ódio contra os judeus se torna cada vez mais cruel à medida que a sociedade experimenta intensos efeitos negativos das forças contraditórias.

Os judeus são alvejados porque o mundo sente que o povo judeu tem um certo papel que atualmente não está sendo implementado: servir como “uma luz para as nações” e abrir caminho para um processo de unidade global que pode corrigir os desequilíbrios da sociedade, provocando finalmente uma boa vida a todos.

Quanto mais nós judeus nos odiarmos, mais o mundo vai querer nos eliminar. Isto é, se deixarmos de ver um propósito unificador para nossas próprias vidas aqui, as nações do mundo também sentirão que não há propósito para viver aqui em tal estado.

Unidade Judaica: O Objetivo

Nossa nação foi forjada sobre a ideologia da misericórdia e do amor fraternal, onde estranhos concordaram em se unir e se ligar como iguais acima de todas as diferenças. Nós nos tornamos uma nação quando prometemos ser “como um homem com um coração”. Desde então, é nosso dever salvaguardar essa conexão e liderar o caminho para sua realização entre a humanidade. Esse papel deve ser cumprido não por orgulho, mas pelo espírito de servir ao mundo. O dever dos judeus para o mundo é executar e dar um exemplo de amor aos outros.

Como o principal Cabalista Rav Yehuda Ashlag (Baal HaSulam) escreveu em seu ensaio “O Arvut (Garantia Mútua)”:

“A nação israelense foi estabelecida como um canal, na medida em que eles se purificam [do egoísmo], passam seu poder para o resto das nações.

Portanto, qualquer lembrança do Holocausto deve ser mais do que uma comemoração dos milhões que morreram. Devemos aproveitar isso como uma oportunidade de enfrentar o futuro com uma firme convicção de desempenhar nossa função designada, além de lembrar as consequências de não fazê-lo: unir-nos acima de nossas diferenças e compartilhar nosso método para conectar o mundo. Este é o meio de impedir que tais atrocidades se repitam.

Muitos de nossos sábios marcaram o caminho seguro para seguirmos. Como o rabino Kalman Kalonymus escreveu em Maor va Shemesh (Luz e Sol):

“Quando há amor, unidade e amizade entre eles em Israel, nenhuma calamidade pode cair sobre eles”.

Comente