“Por Que Os Israelenses Que Vivem Em Israel Não Sentem Antissemitismo?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora:Por Que Os Israelenses Que Vivem Em Israel Não Sentem Antissemitismo?

Nós judeus somos pessoas com um ego aumentado, que diminui o sentimento dos outros e aumenta o sentimento de nós mesmos.

De onde vem esse ego aumentado?

Ele vem de nós judeus que já experimentamos estados elevados de unidade, a partir do grupo diversificado de babilônios de Abraão que descobriram a lei da natureza juntos (“ame o seu próximo como a si mesmo”), que nos concedeu o nome “Israel” (“Yashar Kel , ou seja, “dirigido à força única de amor e doação que habita na natureza”), e desde então caiu dessa sublime unificação para as camadas mais profundas do ego do que outras nações.

Portanto, alimentar o ego com os prazeres que ele exige se torna nossa principal preocupação, assim como qualquer outra pessoa, mas com uma direção autodirecionada naturalmente mais intensiva do que outras, diminuindo nossa sensibilidade para com os outros da mesma maneira.

É importante entender que estamos discutindo um fenômeno natural, descrevendo as características naturais de certos povos – uma qualidade que surgiu especificamente devido aos nossos ancestrais terem experimentado estados elevados de unidade, harmonizados com a natureza – e já que estávamos em estados superiores de amor e doação devido à nossa conexão baseada em uma ideia de unificação, perdemos a consciência dessa unidade e agora afundamos nas profundezas do ego.

Outra maneira de descrever esse ego aumentado é que já sentimos prazeres maiores do que este mundo inteiro tem para oferecer, prazeres espirituais e, como nos separamos da espiritualidade, agora buscamos prazeres mais elevados, mas afastados da espiritualidade, em nossos desejos corporais por comida, sexo, família, dinheiro, honra, controle e conhecimento.

Portanto, depois de anos dispersos entre outras nações, nos sentimos hoje no Estado de Israel como em nossa própria fortaleza. Sentimos como se tivéssemos voltado para casa, protegidos por um exército forte, e esperamos que ele permaneça calmo o suficiente como está agora, e não queira ouvir mais nada.

É um problema, porque com essa atitude, simplesmente colocamos escudos à nossa volta o melhor que podemos e, finalmente, esperamos ser atacados para começar a nos unir contra quaisquer ameaças à nossa calma ilusória.

Ao fazer isso, deixamos de reconhecer que existem certas leis da natureza agindo, que têm suas próprias demandas: que a sociedade humana comece a tomar medidas ativas em direção à união – percebendo positivamente a forma interconectada e interdependente da própria natureza – e nós judeus temos a chave para uma nova direção positiva para tal unidade, já que alcançamos a unidade antes na história, em tempos de divisão social semelhantes aos de hoje.

Como os israelenses que vivem em Israel não sentem antissemitismo, os judeus no exterior também não veem muitos sinais apontando para outro holocausto.

Continuar na mesma linha em que estamos pisando não ajudará. Hoje, podemos ver padrões históricos claros mostrando como estamos em outro caminho para uma tragédia generalizada.

Tudo depende de quanto nós, judeus, queremos abrir nossos olhos para ver que uma transição para um futuro harmonioso ou um declínio contínuo em um cataclismo está em nossas mãos. Até que acordemos com o que nos torna judeus – nossa unidade (“ame o seu próximo como a si mesmo”) acima da divisão (“o amor cobrirá todas as transgressões”), a fim de sermos um canal para a unidade se espalhar pelo mundo (“luz para o nações”) – nenhuma mudança positiva ocorrerá.

Assim como o maior Cabalista do século XX, Yehuda Ashlag (Baal HaSulam), clamou para que os judeus em Varsóvia na década de 1930 deixassem a Polônia, porque previu a carnificina que estava por vir, e eles se recusaram a ouvir seus conselhos, pensando que tudo ficaria bem (eles acabaram no Holocausto) e, além disso, o forçaram a sair da Polônia … assim é hoje.

No entanto, a diferença entre o crescente sentimento antissemita da década de 1930 e o mundo moderno é que o antissemitismo de hoje é global. Hoje, mesmo países com basicamente nenhum judeu têm fortes tendências antissemitas, como Coréia do Norte e do Sul.

Assim, tudo depende de quanto a solução final para o antissemitismo desperta na consciência humana: onde nós, judeus, entenderemos a causa profundamente enraizada do antissemitismo e começaremos a nos ajustar a uma maior unificação entre si. Um pequeno despertar do nosso dever de nos unir, e já veríamos o início de uma grande mudança positiva na consciência humana.

Comente