“Os Judeus Podem Ser Antissemitas?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: “Os Judeus Podem Ser Antissemitas?

Não apenas os judeus podem ser antissemitas, mas também o maior e mais severo dos antissemitas.

Por quê?

É porque nós judeus temos um ponto que nos conecta ao estado unificado e corrigido da humanidade – “ame o seu próximo como a si mesmo” – que descobrimos uma vez sob a orientação de Abraão, há 3.800 anos. Juntamente com esse ponto, também abrigamos o desejo egoísta despedaçado, que se opõe ao ponto de unificação, separando-nos todos um do outro.

Todo judeu acomoda essa dualidade: um desejo de receber egoísta, que busca benefício pessoal às custas dos outros, juntamente com o ponto altruísta de unificação que está associado ao pico do estado unificado de desenvolvimento da humanidade.

Quem se sente mais próximo do ponto central da unificação é atraído para se desenvolver de maneira diferente daqueles varridos pela corrida de ratos das massas, para uma conexão positiva na sociedade. Quem resiste a esse desenvolvimento, deixando o ego determinar seus objetivos e prazeres na vida, é contra a unificação e, portanto, de acordo com sua definição mais profunda, é um antissemita.

No entanto, se certas pessoas são antissemitas ou não, não é a questão principal. Precisamos entender como essas inclinações surgem como parte de um fenômeno natural, de onde elas se originam e como nossos sentimentos emergem da interação entre essas forças internas.

Se a consciência da autêntica causa do ódio judeu surgisse cada vez mais entre as pessoas, poderíamos influenciar um pouco o equilíbrio da humanidade com a natureza. A humanidade seria capaz de entender melhor o que está passando.

Em suma, os judeus são os maiores antissemitas, precisamente porque hospedam os dois pontos extremos de unidade e antiunidade.

Esses dois pontos mudam constantemente as relações. Eles realmente existem em todas as pessoas, e nós os vemos em todas as nações e em todos os estágios de desenvolvimento. No entanto, devido à descoberta da unidade sobre as grandes diferenças entre as pessoas na antiga Babilônia, os judeus têm uma diferenciação muito mais proeminente entre esses dois pontos: por um lado, acesso ao mesmo método que Abraão usou para unir as pessoas acima de suas diferenças, e por outro lado, um ego mais inflado que resiste a essa unidade e faz com que os judeus tenham um sucesso desproporcional nos esforços egoístas em comparação com outras nações.

Portanto, quanto mais a humanidade se desenvolve, mais as nações do mundo sentem ódio pelos judeus. É porque o antissemitismo é uma resposta natural do crescimento do ego, que odeia o ponto oposto a si mesmo, um desejo que deseja ceder ao ego para se conectar positivamente com os outros.

Pessoas em áreas não desenvolvidas, como povos tribais, não têm essa atitude em relação aos judeus. Quanto mais as pessoas se desenvolvem em uma civilização, com sua crescente concorrência egoísta e individualismo materialista, mais se desenvolve sua atitude em relação aos judeus. De repente, as pessoas que encontram cada vez mais problemas ao tentar abrir caminho no mundo civilizado moderno começam a sentir que não gostam dos judeus. Isso se deve ao crescimento do ego e à subsequente tensão entre o ego e o ponto mais profundo da pessoa que anseia por uma conexão positiva com os outros.

Nós alcançaremos um estado em que o mundo inteiro revelará sua atitude negativa para com os judeus. Portanto, tudo depende de quanto tempo e até que ponto nós judeus começaremos a exercer nosso potencial: realizar o método de nos unir (“ame o seu próximo como a si mesmo”) acima das divisões (“o amor cobrirá todas as transgressões”), através das quais podemos nos tornar um canal para a unidade se espalhar entre a humanidade (“uma luz para as nações”).

Quando essa transformação ocorre, a crescente atitude odiosa para com os judeus se inverte para sua forma positiva: uma atitude solidária, respeitosa e até amorosa para com um povo que traz ao mundo uma nova sensação exaltada de felicidade e união.

Comente