“O Que Mais Chocou Você Sobre Trump Declarar Que Os Judeus São Uma ‘Nação’?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora:O Que Mais Chocou Você Sobre Trump Declarar Que Os Judeus São Uma ‘Nação’?

Nada me chocou nesta declaração. Foi um movimento para combater o antissemitismo e o crescente movimento anti-Israel nos campi universitários dos EUA. No entanto, essas ações não impedirão a expansão do antissemitismo.

Estou certo de que o antissemitismo continuará se tornando um problema crescente se deixarmos de tratá-lo em sua raiz, ou seja, que nós, o povo judeu, despertemos para o que nos tornou judeus em primeiro lugar: nossa inclinação para se unir (“Ame o seu próximo como a si mesmo”) acima das divisões (“o amor cobrirá todas as transgressões”), a fim de espalhar a unidade para a humanidade (para ser uma “luz para as nações”).

Quanto mais as sociedades de hoje se tornam divididas, e quanto mais as pessoas sofrem com a divisão social, mais o antissemitismo aumenta.

Por quê? Porque nós, o povo judeu, fomos originalmente fundados com base em uma ideologia unificadora – um grupo de pessoas que viveu na antiga Babilônia cerca de 3.800 anos atrás, que se reuniram em torno de Abraão, unindo-se de acordo com o método de unificação que ele descobriu e aplicou em si mesmo.

Quando alcançamos estados sublimes de unidade acima do clima social divisivo da época, ficamos conhecidos como “a nação de Israel”. Isto é, nossa nação nunca foi biológica, como acontece com outras nações. Era ideológica, baseado na ideia de unificar conexões positivas de amor e doação.

Após o tempo de Abraão, recebemos o nome “Judeus” (Yehudim) da palavra hebraica para “unido” (yihudi). No entanto, desde a ruína do Segundo Templo, entramos em um longo período de exílio, que continuou até hoje. Nós nos separamos da sensação de nossa unificação e nos dispersamos ao redor do mundo e em nossas atitudes mútuas.

Hoje, à medida que a humanidade se torna cada vez mais globalmente interconectada, tecnológica, econômica e culturalmente, chegou a hora de nossas atitudes internas se tornarem tão conectadas quanto nossos sistemas externos.

Quanto mais nos desenvolvermos hoje sem trabalhar para melhorar nossas atitudes uns com os outros, mais sentiremos nossa conexão cada vez mais negativa. Podemos ver esses paradoxos em nossa época, onde quanto mais a população aumenta para números que nunca vimos antes, mais as pessoas se sentem isoladas e solitárias; e quanto mais construímos vastas redes sociais globais, mais as pessoas se sentem deprimidas e estressadas.

Todos esses problemas apontam para a necessidade de uma conexão positiva na sociedade. Portanto, a implementação do papel unificador do povo judeu hoje se torna ainda mais necessária e urgente.

Hoje, nós, judeus, antes de tudo, precisamos entender a necessidade de uma grande transformação – avançar em direção à unificação, consideração mútua, preocupação, apoio e encorajamento mútuo – e que possuímos as chaves para sermos pioneiros em uma mudança tão monumental na sociedade, disseminando a unidade em todo o mundo a um ponto em que a humanidade se sinta como uma única nação.

Até começarmos a perceber o método de conexão que temos ao nosso alcance, o mundo continuará nos pressionando. Mesmo que o atual presidente dos EUA tenha uma atitude favorável em relação a nós, por enquanto, isso não afeta a correção em escala global que cabe a nós iniciarmos.

De fato, o contrário é o caso. É semelhante a uma pessoa com uma doença que recebeu um analgésico. Ela se sente bem, embora a doença continue se espalhando.

Enquanto isso, ela está deitada na cama, conversando e rindo com outras pessoas ao seu redor, todo mundo pensando que está tudo bem, mas ela está entorpecida com a doença, que gradualmente se forma sob a superfície rumo a um surto irreversível.

É semelhante à Alemanha na década de 1930, onde houve um período de relações positivas entre os nazistas e os judeus (como elaborei aqui). É um período latente em que precisamos digerir o processo que está se desenrolando, nosso papel no processo e agir em conformidade, não apenas pensando que tudo é como sempre, porque nada vai curar dessa maneira. A história mostra como os nazistas rapidamente viraram a mesa contra os judeus, livrando-se de nós com facilidade.

E assim, a história se repete diante de nossos olhos. Embora vejamos alguns movimentos aparentemente encorajadores em relação aos judeus em ações como a ordem executiva de Trump, que reconhece os judeus como nação, ou por exemplo, a eleição britânica de Brian Johnson em oposição a Jeremy Corbyn, é apenas por um tempo limitado.

Se deixarmos de complementar esse período relativamente calmo com movimentos para nos tornarmos um canal positivo de unidade para o mundo, podemos esperar uma intensificação do ódio antissemita para alcançar um ponto de ebulição futuro. Trump e Johnson serão substituídos por novos líderes, e basta que eles apertem alguns botões e perderemos toda a ajuda que temos agora. É semelhante à maneira como Hitler mudou rapidamente a engrenagem para a Solução Final. Ele também tinha consultores pró-sionistas por perto, que mais tarde foram revelados como antissemitas.

Portanto, embora vejamos sinais de apoio de alguns líderes mundiais por enquanto, o sentimento antissemita continua crescendo sob a superfície. Ainda temos tempo para ajustar nossas visões e priorizar a unidade: implementar o método de conexão entre eles, a partir do qual ele se espalhará pela humanidade. Ao fazer isso, veremos um novo e harmonioso equilíbrio de forças florescer no mundo e podemos impedir que um futuro de sofrimento em massa e derramamento de sangue se materialize.

Comente