“Como Reconstruir Um Mundo Em Pedaços E Alcançar A Paz” (Times Of Israel)

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “Como Reconstruir Um Mundo Em Pedaços E Alcançar A Paz

O mundo está entrando em um novo ano, carregando sobre seus ombros um peso pesado. Um número sem precedentes de pessoas em todo o mundo, cerca de 168 milhões, precisará de assistência e proteção humanitária urgente em 2020 devido a crises e conflitos globais, de acordo com a visão geral das Nações Unidas para este ano e além. Por que devemos continuar repetindo o mesmo ciclo vicioso? Não podemos fazer melhor como humanidade? Certamente podemos e devemos. Nós só precisamos saber como.

O número e a intensidade de conflitos altamente violentos aumentaram pela primeira vez em quatro anos, segundo autoridades da ONU. Espera-se que uma em cada 45 pessoas exija ajuda humanitária, mesmo com as necessidades mais básicas, como alimentação, abrigo e assistência médica, como resultado da instabilidade do mundo.

Após cada guerra, pesquisas são realizadas, livros e peças de teatro são escritos sobre a aspiração e o desejo de paz, mas parece ser um sonho. Afinal, o que é paz? É o oposto da guerra, ou algo mais? Um exame penetrante do termo “paz” da perspectiva da sabedoria da Cabalá lança uma nova luz sobre esse importante objetivo e como alcançá-lo.

Após conflitos difíceis, guerras e muito sofrimento, as pessoas não têm escolha a não ser ceder ao cessar-fogo, armistício e tratados de paz. Então sempre é uma pergunta quanto tempo eles durarão até a próxima explosão.

A essência do termo “paz” em hebraico (Shalom) significa plenitude (Shalem). A mera ausência de guerra é suficiente para experimentar a totalidade? Certamente não. Uma análise mais profunda do termo “paz” nos leva à raiz comum de nossa natureza, a raiz da qual nos separamos em partes masculinas e femininas, miríades de espécies e diversas nações.

Hoje, somamos bilhões de pessoas. Percebemos a nós mesmos como separados um do outro, e muitas vezes nem em paz consigo mesmo. A falta de entendimento sobre como chegar à paz é o problema central da humanidade.

A sabedoria da Cabalá ensina que a natureza nos desenvolve a um estado de paz absoluta. No entanto, para abordar a paz, precisamos reconhecer o princípio global: a natureza é um sistema integral em que todos os seus componentes são mutuamente interdependentes.

Nós, seres humanos, somos os únicos violadores do delicado equilíbrio do planeta com nosso egoísmo estreito, isto é, o desejo de nos beneficiar às custas dos outros, com os quais prejudicamos a humanidade, o mundo e a natureza. É interessante notar que, em 1930, Rav Yehuda Ashlag (Baal HaSulam) reconheceu o estado interconectado do mundo:

“Não se surpreenda se eu misturar o bem-estar de um determinado coletivo com o bem-estar de todo o mundo, porque, de fato, já chegamos a tal ponto que o mundo inteiro é considerado um coletivo e uma sociedade”. (Yehuda Ashlag,“Paz no Mundo”)

A preparação para um estado de paz absoluta exigirá um investimento educacional abrangente da sociedade por muitos anos. Será então possível começar ativamente a mudar o comportamento humano e o estado do mundo.

É aqui que a sabedoria do conhecimento da Cabalá sobre a natureza pode ajudar. Ele ensina como provocar uma mudança interna na natureza humana, que fortalece a vontade de alcançar o estado de paz. O que é necessário no caminho é o aprendizado de como trabalhar adequadamente com os sentimentos de hostilidade que separaram pessoas e nações. Assim como um casal que faz as pazes após uma briga, é precisamente na união acima do grande ódio que uma conexão mais forte pode ser construída.

Provérbios (10:12) nos ensina que “o amor cobrirá todas as transgressões” e é o mesmo na natureza. Tudo é definido pelo seu oposto: luz e escuridão, calor e frio, doce e amargo, e assim por diante. O rabino Nachman de Breslov explicou: “A essência da paz é tentar fazer a paz entre dois opostos” (Likutei Etzot, “Paz”)

O processo de paz depende do desenvolvimento de conexões avançadas entre opostos, da incorporação de opostos a tal ponto que emerge uma nova percepção, na qual não há mais “eles e nós”, mas uma comunalidade que cresce e se desenvolve. Não há fronteiras em um estado de paz absoluta; todos existem como uma área comum e não faz diferença onde se está. Escritórios do governo, impostos, colheitas, recursos, orçamentos – todos se tornam propriedade das pessoas que se uniram em paz e, portanto, ganham um novo nível de prosperidade.

Nada é mais importante do que a paz genuína para a qual o desenvolvimento humano se dirige, e a Cabalá fornece um método para fazer isso de maneira rápida e prazerosa, com crescente conscientização, compreensão e sensação. Precisamos apenas implementá-lo.

Comente