A Escolha Judaica

Dr. Michael Laitman

Da Minha Página No Facebook Michael Laitman 29/12/19

Sem exceção, desunião, ódio e, às vezes, extrema violência entre judeus, sempre precedem catástrofes na história do povo judeu. Midrash Rabbah (Shemot 1:8) afirma que o Faraó, que inicialmente amava os judeus e lhes deu a melhor terra no Egito, começou a odiá-los somente depois que eles começaram a se separar. O rei da Babilônia Nabucodonosor conquistou a terra de Israel e arruinou o Primeiro Templo somente depois que Israel afundou em derramamento de sangue interno e outra conduta inadequada um para com o outro. Nos últimos dias do templo, eles se odiavam tanto que o Talmude (Yoma 9b) escreve que eles estavam “esfaqueando um ao outro com as espadas em suas línguas”.

Ainda assim, nada se compara à ruína do Segundo Templo e ao exílio do povo de Israel da terra por dois milênios. É uma história tão cheia de ódio interno, tortura, assassinato e até canibalismo, que os sábios simplesmente concluem que a razão da queda do Segundo Templo era o ódio infundado (sem fundamento). De fato, para cada judeu que os romanos mataram tentando conquistar Jerusalém, os judeus mataram dez pessoas dentro da cidade. O historiador judeu-romano Flavius ​​Josephus capturou a essência dos eventos em uma frase em “As guerras dos Judeus: “A sedição destruiu a cidade, e os romanos destruíram a sedição”.

Se você observar toda a história judaica, descobrirá que esse é o único elemento que sempre antecede os maiores cataclismos judaicos. É por isso que especialmente hoje, com nossa crescente divisão e partidarismo, é tão importante que nos elevemos acima de nossas diferenças e nos unamos, apenas para evitar a próxima calamidade.

Leia meu artigo completo (em inglês):

Comente