“Repensando As Mídias Sociais Na Era Do Ódio” (Newsmax)

Meu Artigo Na Newsmax: “Repensando As Mídias Sociais Na Era Do Ódio

Se Hitler tivesse acesso à mídia social como existe hoje, ele teria permissão para comprar anúncios, refletiu o ator britânico Sacha Baron Cohen em uma declaração recente, chamando as plataformas da Internet de “a maior máquina de propaganda da história”, governada pelo dinheiro.

Eu concordo, mas além dos discursos, mudanças reais exigirão medidas sem precedentes em tempos de desafios extraordinários para enfrentar intolerância, discriminação e a forma mais profundamente enraizada de ódio: o antissemitismo.

As mídias sociais foram deliberadamente construídas para influenciar nossas emoções, preferências, decisões, impulsos, energia, atenção e interações. Existe um processo bem estabelecido para influenciar nossas mentes e bolsos. A internet foi criada com o objetivo de servir a humanidade, diz seu inventor, Tim Berners-Lee, que 30 anos depois lamenta como o contrário foi alcançado e “as comunidades estão sendo destruídas à medida que o preconceito, o ódio e a desinformação são distribuídos online”, sugerindo que a web precisa de “uma intervenção radical de todos aqueles que têm poder sobre o seu futuro”.

O Futuro Da Humanidade Está À Venda?

A mídia social e a mídia em geral se tornaram o poder dominante, onde tudo é permitido, independentemente da veracidade ou benefício positivo para a sociedade. Os sistemas de comunicação atuais são tratados de acordo com os interesses monetários, um reflexo da natureza humana que é naturalmente egoísta, ou seja, visando o benefício próprio e as relações exploratórias. No final, precisaremos perceber que qualquer inovação ou meio tecnológico que não avance a humanidade em direção a uma conexão positiva maior apenas a prejudica. Mas como podemos alcançar um objetivo tão elevado, considerando que é contra a maneira como somos construídos: egoísta?

Isso acontecerá quando sentirmos que não há outra alternativa para prosperar, a não ser mudar de direção.

O mundo está se movendo rapidamente em direção a um beco sem saída, um ponto de virada na evolução social: as estruturas de poder estão tremendo em vários países ao redor do planeta, como testemunhamos nas últimas semanas. O desastre econômico global é predicado por analistas internacionais. Esse cenário está nos mostrando que percepções e ações egocêntricas estão atingindo a capacidade máxima. Se agora o dinheiro puder comprar qualquer coisa, perderá gradualmente seu valor, e a mídia social, bem como os atores políticos, econômicos e sociais, terão que encontrar uma maneira de permanecer à tona.

É exatamente aqui que onde o povo judeu pode contribuir para a melhoria da sociedade. Não é por acaso que as principais plataformas de mídia social, como Facebook, Google e outras, foram criadas por judeus. Isso nos dá uma dica de nossa verdadeira identidade, nosso propósito e papel no mundo: unir a humanidade como um todo. Atualmente, temos as ferramentas; agora é hora de aprender como usá-las para um propósito maior.

Novos Princípios Para Uma Nova Sociedade, O Papel Da Nação Judaica

Há cerca de um século, o Cabalista Yehuda Ashlag escreveu: “Não se surpreenda se eu misturar o bem-estar de um determinado coletivo com o bem-estar de todo o mundo, porque, de fato, já chegamos a tal ponto que o mundo inteiro é considerado um coletivo e uma sociedade”.

A nação judaica pode ser pioneira na correção do que precisa ser consertado no mundo: as relações humanas – a maneira como nos relacionamos e o propósito do que criamos para menosprezar ou apoiar um ao outro. O uso das mídias sociais para aumentar a preocupação mútua e uma percepção mais holística moldarão positivamente o mundo de hoje e de amanhã.

Para fazer isso, toda sociedade poderia seguir o modelo estabelecido pelo povo judeu séculos atrás, semelhante ao que foi chamado no antigo Israel, um Sinédrio, um corpo ideológico responsável pela direção correta da nação, para alcançar equilíbrio e harmonia. Da mesma forma, no mundo de hoje, o modelo de um corpo ideológico, um cão de guarda pluralista onde todas as ideias são representadas e discutidas, até que um acordo comum seja alcançado e somente depois disseminado, poderia ajudar a monitorar o uso correto das mídias sociais.

Esse órgão deve ser composto por representantes de todo o espectro político, como no Congresso, encarregado de avaliar a mídia se informações nocivas ou maliciosas forem disseminadas ao público em geral, em vez de apenas fatos.

À medida que o mundo se torna cada vez mais interdependente, as pessoas terão que expandir seu círculo de preocupações. Precisamos aprimorar nossa sensibilidade social, ampliar nossa visão de mundo, entender melhor nossa natureza como seres humanos, nossos limites e responsabilidades e, o mais importante, aprender como explorar nossa fiação inerente à conexão humana.

Se o mundo começasse a sentir um aprimoramento da consciência, uma mudança positiva em suas vidas através desse novo modelo para encontrar comunicações equilibradas e interação humana, a tendência ao antissemitismo se inverteria: a nação judaica será vista como o canal do bem que enche a vida das pessoas.

Esse sentimento de satisfação pode ser alcançado se começarmos a usar a Web como um guarda-chuva comum de compreensão e apoio mútuos que nos ajude a se unir acima de todas as nossas diferenças, divisões e conflitos.

Comente