“Que Razões As Pessoas Dão Para Odiar Os Judeus?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora:Que Razões As Pessoas Dão Para Odiar Os Judeus? 

Existem todos os tipos de razões declaradas para odiar os judeus: deterem poder demais em países nos quais assimilam, governarem o mundo inteiro, serem gananciosos, invejar nosso sucesso desproporcional no mundo em comparação com outras nações, oprimirem a Palestina como um Estado judeu, a queda da Alemanha na Primeira Guerra Mundial, o assassinato do czar Alexandre II na Rússia do século XIX, beberem sangue de crianças na Idade Média, negarem a profecia de Maomé e assassinarem Jesus Cristo.

Mais fundamentalmente, no entanto, de acordo com a sabedoria da Cabalá, as razões que muitas pessoas dão ao ódio judeu são precedidas pela sensação de ódio por si só. Como o cabalista Rav Yehuda Ashlag (Baal HaSulam) escreve em seu artigo “A Solução”:

“É um fato que Israel é odiado por todas as nações, seja por razões religiosas, raciais, raciais, capitalistas, comunistas ou cosmopolitas, etc. É assim porque o ódio precede todas as razões, mas cada uma apenas resolve seu ódio de acordo com sua própria psicologia”.

Em outras palavras, o ódio aos judeus não depende das muitas ações e comportamentos variados do povo judeu.

O ódio aos judeus é antes uma sensação embutida na natureza que emerge nas pessoas.

Como surge a sensação de ódio aos judeus?

Para responder a isso, precisamos entender o fundamento do povo judeu, o papel judeu no mundo e como os não-judeus respondem em relação ao fato de os judeus estarem ou não desempenhando esse papel.

A Fundação Do Povo Judeu

O povo judeu surgiu na antiga Babilônia, cerca de 4.000 anos atrás. Era uma época em que a Babilônia estava passando por uma crise de divisão social, com conflitos e ódio rasgando a antiga sociedade babilônica. Durante esse período, Abraão, um padre babilônico que descobriu o caminho para se unir acima das crescentes divisões, ou seja, alcançar a revelação da força única de amor e doação que existe na realidade acima do ego crescente, começou a ensinar abertamente seu método a quem quisesse aprender.

Como a divisão social era sentida como um problema ardente, muitas pessoas se reuniram para aprender com Abraão. Ele as guiou à descoberta da força única de amor e doação acima de seus impulsos divisivos. O grupo que ele liderou ficou conhecido como “o povo de Israel” (ou seja, “Israel” vindo de “Yashar Kel“, que significa “direto a Deus”, isto é, direto à única força de amor e doação que existe na realidade), e mais tarde ficaram conhecidos como “judeus” (a palavra hebraica para “judeu” [Yehudi] vem da palavra para “unido” [yihudi] [Yaarot Devash, parte 2, Drush no. 2]).

Portanto, a nação judaica foi fundada não em uma base biológica, mas em uma ideológica.

Pessoas de toda a Babilônia antiga que sentiam um problema com a divisão social e uma necessidade de unidade se reuniram sob o método de Abraão e unidas acima de suas unidades divisivas. Ao fazer isso, elas se tornaram conhecidas como “uma luz para as nações”, pois a conquista da força única e unificada da natureza acima do ego humano, que causa toda a divisão e os problemas da sociedade, tem um efeito dominó positivo que “aprimora” a consciência humana: leva a conexões mais positivas, mais consideração, apoio, amor e cuidado, entre a humanidade em geral.

O Papel Judaico No Mundo

Como era naquela época, é hoje, mas em uma escala global muito maior.

O ego humano exagerado, a divisão social, os conflitos e o ódio estão todos experimentando um impulso exponencial, provocando uma infinidade de problemas e crises. Por exemplo, apesar de mais população humana do que nunca no planeta e todas as conexões tecnológicas e culturais que foram estabelecidas em todo o mundo, a sociedade humana sente cada vez mais isolamento, estresse, depressão, vazio e ansiedade.

Quanto mais as pessoas sentem esses problemas, mais sentem inconscientemente que os judeus são a causa desses problemas.

É daí que surge a sensação de ódio aos judeus: que os judeus têm um papel no mundo, de se unir (“ame seu amigo como a si mesmo”) acima da divisão (“o amor cobrirá todas as transgressões”) e, ao fazer isso, ser um canal para que a única força unificadora de amor e doação se espalhe por toda a consciência humana coletiva (“uma luz para as nações”).

A Resposta Das Nações Do Mundo Aos Judeus Em Relação Ao Papel Judaico

Se funcionarmos corretamente em relação ao nosso papel no mundo, nos unirmos para transmitir a unidade ao mundo, experimentaremos uma reação positiva de todos no mundo.

Se, no entanto, como é atualmente, falhamos em reconhecer ou fazer qualquer esforço para nos unirmos, impedimos que a força unificadora positiva alcance a humanidade, e o ódio se agita em não-judeus em relação aos judeus como um fenômeno natural que serve para nos pressionar a desempenhar nosso papel.

Eu espero, assim, que realizemos nosso papel no mundo mais cedo ou mais tarde, poupando muito sofrimento ao mundo e a nós mesmos.

Simplesmente não vemos o que significaria se déssemos alguns passos em direção à união, quanto toda a tensão na sociedade humana e entre as nações se acalmaria, como toda a exploração, manipulação, ódio e abuso na humanidade seriam substituídos por apoio mútuo, consideração, amor e cuidado de nossos semelhantes.

É por isso que dedico tantos esforços para disseminar a mensagem sobre o papel dos judeus no mundo e a causa e solução do antissemitismo, já que o futuro da felicidade ou tormento da humanidade depende especificamente disso.

Comente