“O Que O Mundo Aprendeu Com A Queda Do Muro De Berlim” (Times de Israel)

O The Times de Israel publicou meu novo artigo: “O que o Mundo Aprendeu com a Queda do Muro de Berlim

Os tijolos caíram, mas uma pedra permanece no coração das pessoas. Trinta anos após a queda do Muro de Berlim, quase nada mudou. Lembro-me vividamente do momento, dia 9 de novembro, quando assisti na TV como as multidões invadiram as passagens de fronteira que separavam a Alemanha Oriental e Ocidental, e o derramamento de alegria que envolveu as pessoas em todo o mundo. Por um momento, pensamos que a unificação se expandiria para a Rússia e a China no Extremo Oriente, que chegasse ao mundo inteiro.

A ilusão de unificação, no entanto, explodiu em nossos rostos.

As fronteiras entre o Oriente e o Ocidente foram removidas, mas as lacunas não desapareceram. Quando o Muro de Berlim foi derrubado, havia 15 muros ou mais no mundo. Hoje existem 77: na fronteira EUA-México, entre Índia e Paquistão, Eslovênia e Croácia, Coréia do Norte e do Sul, Áustria e Eslovênia, Grécia e Macedônia do Norte, e a lista continua.

Muros criam divisões entre as pessoas, fronteiras separam países, e cercas derrubam nações, fenômenos típicos do século XXI. Mesmo que tenhamos derrubado um muro ou removido uma fronteira, tudo voltou ao estado anterior, e os muros voltaram.

Por que a Verdadeira Unificação Falhou?

Derrubar um muro ou construí-lo novamente não resolve nada, porque os verdeiros muros estão em nossos corações.

É verdade que havia um desejo real de derrubar o Muro de Berlim. Havia anseio por liberdade e muitos trabalharam para promovê-la. A Alemanha Oriental queria se unir à Alemanha Ocidental, mas, apesar do forte desejo, os cidadãos não estavam preparados para a fusão, e seus defeitos são visíveis até hoje.

A unificação deve começar no coração e na mente, no nível da consciência, em preparação para a proximidade entre as nações. Um idioma comum é insuficiente. Por exemplo, até hoje, existem diferenças entre os alemães nativos e os alemães étnicos que viveram no Volga na Rússia ou no Cazaquistão e depois voltaram para a Alemanha.

Apesar da linguagem comum e do fato de os alemães russos terem origem cultural, eles ainda consideravam difícil a absorção adequada. Sua weltanschauung (visão de mundo) é diferente, e essas diferenças são muito óbvias.

O significado é que não basta quebrar muros de pedra e cimento para aproximar as pessoas. É necessário derrubar os blocos dos muros em nossos corações. É necessário aumentar a conscientização sobre as relações humanas desejáveis, unificar metas e propósitos, fundir culturas e sistemas educacionais em um, desenvolver um estilo de vida baseado na consideração e concordar com valores e princípios.

Não se pode esperar que um muro de pedra quebrado cause uma mudança essencial, nem depois de 30 anos, nem mesmo depois de 50 anos. Afinal, ele transita de uma geração para a outra.

Mesmo uma análise superficial da Europa revelará que ela está imersa em uma profunda crise. Não é o continente unificado que aspirava a seguir a queda do muro de Berlim. A Europa de hoje está devastada, quebrada e coberta pela democracia liberal, em uma ocidentalização degradada.

O projeto da União Europeia, que visa avançar rumo à integração de fronteiras abertas e uma moeda comum, é um fracasso. Uma coleção de nações está encerrada em um continente em desintegração, diante de um enxame de imigrantes que gradualmente mudam seu caráter europeu único.

Construindo uma Conexão Duradoura entre as Pessoas

Para unir os europeus, antes de tudo, eles precisam preparar seus corações e mentes de maneira que cada um deles internalize a forma correta de unidade, incluindo:

  • Como as pessoas podem se aproximar de acordo com a lei de conexão na natureza?
  • O que deve ou não deve ser comprometido?
  • O que pode ser ganho com conexões positivas e saudáveis?

Sem enfrentar essas questões, não haverá sucesso ou remédio para o continente.

A tendência europeia ao altruísmo é a mãe de todas as mentiras. O passo significativo agora é reconhecer o mal, ou seja, aceitar que a natureza egoísta humana brinca conosco, para expor os interesses amargos e estreitos das pessoas e aceitar que ninguém tem o poder de derrubar os muros entre as pessoas, sejam elas quem forem. Portanto, nós exigimos o poder que não possuímos: o chamado “poder superior”.

Acima da natureza humana, acima do ego que constantemente deseja se beneficiar às custas dos outros, acima de tudo que atualmente percebemos e sentimos, existe um poder unificador altruísta. É o próprio poder da natureza. Nós podemos despertar esse poder fazendo esforços para nos unir. O método de como podemos nos unir acima do ego é o que a antiga sabedoria da Cabalá ensina.

É também o motivo da revelação ampla da Cabalá em nossa era. Isto é, a unidade na sociedade humana tornou-se uma necessidade premente em tempos em que a divisão social, a xenofobia e a ansiedade de guerras e conflitos aumentaram imensamente.

Os esforços para nos unirmos nos darão forças renovadas: compreensão, sentimento, senso comum e lógica saudável que nos guiarão à unidade. Então, seremos capazes de superar qualquer muro e todas as fronteiras serão eliminadas.

Comente