Mundo: Realidade Ou Ilusão? Parte 2

226Percebemos A Essência Dos Fenômenos Naturais?

Baal HaSulam, “A Essência da Sabedoria da Cabalá”:

A Atualidade da Sabedoria da Cabalá

As coisas reais são encontradas mesmo na realidade corporal, diante de nossos olhos, embora não tenhamos percepção nem imagem de sua essência. Tais são a eletricidade e o ímã, chamados de “fluidum”.

No entanto, quem pode dizer que esses nomes não são reais quando conhecemos vívida e satisfatoriamente suas ações? Não poderíamos ser mais indiferentes ao fato de não podermos conceber a essência do próprio objeto, a saber, a própria eletricidade.

De fato, não entendemos o que é a eletricidade ou a essência de qualquer outro fenômeno físico. Observamos apenas seus efeitos.

Por exemplo, sabemos trabalhar com eletricidade, com eletromagnetismo, usamos eles livremente em nossas vidas nas atividades domésticas diárias. Mas realmente não sabemos o que são. No entanto, isso não nos incomoda. Continuamos a explorar esses fenômenos naturais completamente inconscientes de sua essência. E entendemos que não sabemos disso.

Sabemos o que é a gravidade, mesmo que todos sintam seu impacto sobre si mesmos? Tente pular, você verá o que é. Medimos essa força, aprendemos a superá-la. Mas o que é essa força? Qual é a sua essência? De onde ela vem? Não sabemos. É assim que ocorre com todos os fenômenos naturais.

Baal HaSulam escreve que nosso conhecimento sobre sua manifestação nos satisfaz completamente. Não precisamos de mais nada para usá-los.

O principal para nós é usar esses fenômenos. Não atingimos sua essência interior porque a natureza nos criou dessa maneira. Atingimos apenas seus efeitos em nossas sensações e nada mais.

Certamente, poderíamos decidir que seria bom descobrir de onde vêm o magnetismo, a eletricidade, a gravidade e todos os outros fenômenos naturais. Mas eles estão completamente escondidos de nós. Somos apenas os instrumentos nos quais esses fenômenos se manifestam, e suas manifestações são o que sentimos.

De KabTV, “Fundamentos da Cabalá”, 15/09/19

Comente