Bnei Baruch: Canal Espiritual Para O Mundo

laitman_962.3A luz e o desejo são completamente opostos um ao outro em sua essência, mas através do desenvolvimento do desejo, eles precisam terminar em equivalência de forma e adesão. Nesse processo, eles se manifestam como uma linha e um círculo.

A relação entre o Criador e a criação, a luz e o desejo, as forças de doação e recepção, se desenvolvem em quatro estágios descendentes do Criador. Isso é chamado de “linha” porque esta flecha é muito precisa, restrita e sob controle completo de cima para baixo em direção à criação. As próprias criações são como um “círculo” porque estão em completa escravidão de seu desejo de desfrutar e devem se transformar dos escravos do Faraó em trabalhadores do Criador. A conexão delas com o Criador, com a luz, muda de um extremo ao outro.

A influência da luz sobre um desejo, do Criador sobre a criação, faz uma linha direta, como um tubo que Israel deve construir a partir de si: uma parte do desejo criado pelo Criador que tem a capacidade de criar um canal de luz de si mesmo. A outra parte do desejo não possui essa capacidade, pois não tem propriedades de se tornar como a luz. Portanto, tudo o que pode fazer é esperar a luz chegar.

Segue-se que o desejo tem duas partes: ativa e passiva. A parte ativa avança em direção à equivalência com o Criador e tem a capacidade de entender o propósito da criação, seu papel na criação e a capacidade de cumprir seu papel. Enquanto a parte passiva do desejo geral é incapaz de fazer isso.

A parte superior do desejo que trabalha para o Criador, ou seja, Israel, de fato, deve ser a pior, mais egoísta e oposta ao Criador. É mais provável que ela sinta sua oposição e precise mudar. A outra parte não reage nem se esforça para se aproximar da luz, e esse espectro inclui todas as “70 nações do mundo”.

Israel está no topo do desejo com o maior egoísmo. Portanto, eles são mais perspicazes, inteligentes, corruptos e sentem mais fortemente sua vasta diferença em relação à força superior do que as outras nações. Isso os ajuda a obter grande sucesso na vida corporal com dinheiro, fama e conhecimento.

Segue-se que as pessoas escolhidas de todo o universo, como os melhores dos melhores, ou como se passassem por uma peneira, como os maiores egoístas que estão cientes de seu mal, se organizam em um grupo que trabalha para se aproximar do Criador. Eles querem eliminar sua oposição ao Criador e obter equivalência com Ele, transformando-se assim em um canal para transmitir a influência do Criador para o mundo inteiro.

Existem dois opostos em ação aqui, como muitas vezes acontece nas leis espirituais, e frequentemente observamos isso também em nosso mundo. Precisamos ver isso como um sistema único e singular da criação, e que continuamos avançando com ele como um todo, porque vivemos na era do fim da correção, na geração do Messias (Mashiach).

A luz que atravessa Israel para as nações do mundo puxa (Moshech) todo o desejo egoísta de correção. Portanto, todos nós, as pessoas que têm um desejo despertado de revelar o Criador, devem entender nossa missão e nosso papel de nos tornarmos o canal espiritual do mundo. Existem outros grupos que estudam a Cabalá, mas aqui discutimos o grupo Bnei Baruch, cuja missão é tornar-se o canal espiritual capaz de acelerar a correção coletiva e, ao fazer isso, trazer satisfação ao Criador. 1

Da Lição Diária de Cabalá, 01/11/19, “Bnei Baruch – Canal Espiritual para o Mundo” (Preparação para a Convenção na Bulgária)
1 Minuto 0:40

Comente