Para Que Estou Me Esforçando?

laitman_284Uma pessoa passa por vários estágios em relação aos seus esforços para estudar a ciência da Cabalá e seus resultados. A princípio, eu irei inevitavelmente me relacionar com meus estudos de acordo com as regras às quais estou acostumado no mundo corporal; isto é, quero entender meus estudos e recompensar meus esforços. Não podemos imaginar outra maneira, porque é assim que operamos.

Com o passar do tempo, fico desiludido com o caminho, visto que os anos se passaram e não há resultado à vista. Estudei muitas fontes: artigos, “Introdução à Sabedoria da Cabalá”, O Estudo das Dez Sefirot, O Livro do Zohar, trabalhei em grupo, mas ainda não entendi qual deveria ser o resultado correto. Não avalio minhas mudanças em relação à doação, em minha atitude em relação aos meus amigos ou em uma conexão mais estreita com eles, ou seja, os indicadores externos da correção de nossos desejos desfeitos, aos quais precisamos conectar. Em vez disso, procuro ganho pessoal, o que a natureza egoísta me obriga a fazer.

Mesmo que eu concorde que devemos nos conectar, minha preocupação primordial ainda é minha realização pessoal: quero revelar a espiritualidade, conhecê-la e entendê-la, ver e senti-la – é tudo sobre mim!

Aqui, é necessário um grande esforço para alcançar um cálculo verdadeiro. Da amargura e decepção, obscuridade e incompreensão do que está acontecendo comigo, começo a fazer o cálculo correto, supondo que o objetivo não é alcançar, mas adquirir as propriedades de doação, o desejo de se conectar com os outros e o amor.

Quando mudo o propósito do meu trabalho, começo a avançar em direção a uma oração, formando corretamente meu pedido ao Criador. Se estou buscando adquirir conhecimento, sabedoria e sucesso, como é habitual em nosso mundo, tudo depende de meus esforços. Quanto mais inteligente eu ficar, mais tempo dedicar ao trabalho, mais terei sucesso. Mas se eu mudar meu objetivo de material para espiritual, querendo me transformar de um receptor em um doador, o resultado não depende do que eu faço neste mundo, mas de como a luz superior me afeta.

Esta é uma abordagem totalmente diferente. Portanto, refreio meu orgulho e faço tudo o que o grupo exige de mim. Porque não tenho escolha – é a única maneira de atrair a luz que reforma. Somente com uma oração posso atrair a luz superior para mim e realmente me transformar. 1

Se a pessoa chega às lições, está envolvida na disseminação e no trabalho em grupo, ensina e ainda sente que a cada dia está perdendo força, correndo o risco de romper completamente, começa a criticar o caminho. Mas o fato é que ela não está se avaliando corretamente. Ela sente como se estivesse caindo todos os dias, mas talvez esteja realmente subindo. Tudo depende do que é medido. Ela está indignada por não receber a sensação, a conquista, a compreensão. Ela está olhando para seus desejos egoístas e não vê nenhuma satisfação neles. Por que ela sente que essa é uma perda e não um ganho?

Este é um grande sucesso, porque outro dia se passou e não recebi nada pelo meu egoísmo, e outro dia e outro. E haverá muitos outros dias como este. Para qual finalidade? O que estou tentando alcançar? Quero chegar ao desespero por estar errado, e não devo entender isso em absoluto.

Devo alcançar uma desilusão completa nos cálculos que fiz no meu desejo de desfrutar. Como é possível encontrar algo espiritual lá? O fato de que a cada dia vejo um zero cada vez maior é uma ajuda de cima. É assim que o Criador está me mostrando que meu caminho é o caminho errado. Como se Ele estivesse me dizendo: “Você pode continuar tentando o que quiser, mas não conseguirá nada até ficar completamente decepcionado”.

Eu tenho que pensar com cuidado: trabalho com desejos de receber, mas não adquiro espiritualidade neles. E qual é a recompensa espiritual que estou tentando receber? Uma recompensa espiritual é o amor pelo outro a ponto de amar o Criador, doação, sair de si mesmo. É para isso que estou me esforçando? Caso contrário, que sucesso posso esperar?

Preciso decidir se quero tal recompensa. Nesse caso, devo pedir ao Criador que mude meu desejo por mim, me tornar um doador como Ele, amar os outros, conectar-se com os outros. Só então percebo que nunca me senti mais longe desse objetivo.

Olho os amigos ao meu redor e percebo que eles estão infinitamente longe de mim, como se estivessem em outro universo. Eu costumava senti-los um pouco antes, mas agora não consigo senti-los, como se não fossem pessoas, mas fantasmas. Acontece que eu já vejo meu estado desejado e real. Eu devo aumentar a importância da espiritualidade. Não importa se eu gosto ou não desse estado, ele é muito importante.

Para isso, eu me esforço para ouvir meus amigos que estão me assegurando a importância da espiritualidade, e digo a eles a mesma coisa. A verdade é que não tenho ideia do que ela é e não sinto nenhuma importância dela. Quem neste mundo acha importante amar o próximo? Temos algum respeito por esses idealistas? Não resta mais em nosso tempo.

Há muito tempo, humanistas propagavam o amor por animais, pessoas e natureza. Hoje, porém, vemos ganhos financeiros ou políticos por trás de todos esses apelos. Temos que trabalhar para tornar a espiritualidade um objetivo importante para nós. Quanto mais meus amigos me contarem dela, mais eu a absorverei e a sentirei realmente importante. Não posso negligenciar o que é importante para os outros. Se meu ambiente valoriza a qualidade da doação, também valorizarei o mundo espiritual que opera com base na doação.

É outro reino, o antimundo que rege a lei da doação, e tenho que me aproximar dele. Nunca podemos usar nossos desejos egoístas, mente, sentimentos e racionalismo para medir a espiritualidade. Isso é algo que existe acima de nós. Se você ler um livro inteligente para um gato mil vezes, o gato não ficará mais sábio. Mas somos suscetíveis à luz que reforma, que dá a uma pessoa novos desejos adicionais. Ela começa a sentir espiritualidade nesses novos desejos.

Portanto, vamos nos acalmar e pensar em como atrair a luz. Este é o ponto, e para isso devemos nos conectar com nossos amigos. Posso não querer, posso não amar meus amigos, mas não há escolha: se fizer um esforço para ir além da minha rejeição, vou atrair a luz que reforma e ter sucesso. 2

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 08/08/19, Escritos do Rabash, Artigo 33 “Os Criminosos de Israel” (1985)

1 Minuto 21:45
2 Minuto 30:45

Comente