O Que Podemos Aprender Com O Ataque Mortal Fora Da Sinagoga De Halle (Tempos De Israel)

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “O Que Podemos Aprender Com O Ataque Mortal Fora Da Sinagoga De Halle

O ataque a tiros perto de uma sinagoga em Halle, na Alemanha, foi mais um terrível ato de antissemitismo no dia mais santo do calendário judaico. No entanto, poderia ter sido muito pior se o atacante de 27 anos, identificado com a extrema direita, tivesse quebrado as portas da sinagoga e massacrado os 80 fiéis que estavam realizando as orações de Yom Kipur.

Em um vídeo que ele gravou antes do tiroteio, o atacante negou o Holocausto, denunciou feministas e imigrantes e declarou abertamente que “a raiz de todos esses problemas é o judeu”.

Com as notícias das duas pessoas que foram mortas a tiros, as condenações vieram uma após a outra, do ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Maas, twittando que “tiros sendo disparados em uma sinagoga no Yom Kippur, o festival da reconciliação, nos atingem no coração” e “Todos devemos agir contra o antissemitismo em nosso país”, através do primeiro-ministro de Israel Benjamin Netanyahu, comentando um “apelo às autoridades alemãs para que continuem a tomar medidas determinadas contra o antissemitismo”.

Entre todos os gritos, orações e entusiasmo pelas famílias das vítimas, há uma clara demanda por uma mudança significativa contra o antissemitismo que se espalhou rapidamente pelo mundo. No entanto, além de palavras desesperadas, há um ar de desamparo diante do fenômeno crescente.

Desamparo. Desespero. Eles parecem sentimentos muito indesejáveis. Mas será que essas sensações são na verdade um resultado positivo dos exponencialmente crescentes crimes e ameaças antissemitas?

Talvez quando nos surpreendemos repetidamente com um fenômeno irracional que assombra nosso povo por gerações – um que não faz diferenciação entre gêneros, entre Yom Kippur e um dia da semana e entre sinagogas em Berlim e Pittsburgh -, talvez seja isso que nos leve a ver o que os Cabalistas tentam nos dizer há gerações?

Seja no Livro do Zohar ou em outros textos Cabalísticos, o que os Cabalistas têm tentado comunicar ao povo judeu? Simplificando, se nós judeus nos unirmos, atraímos uma força positiva que reside na natureza a se espalhar não apenas entre nós, mas entre toda a humanidade. Ao despertar a força positiva e unificadora da natureza por meio de nossa unidade, podemos trazer paz ao mundo. Do contrário, se nos dividimos, onde todo judeu permanece dentro de si mesmo em suas próprias orações, provocamos o contrário: ódio e conflito. Como escreveu o Rav Cabalista Yitzhak Isaac Haver, “Criação e escolha, correção e destruição do mundo – tudo depende de Israel” (Siach Yitzhak. Parte 2, Likutim 1).

Horas após o ataque mortal, a chanceler alemã Angela Merkel participou de uma vigília para se identificar com as vítimas em uma sinagoga histórica no centro de Berlim. Ela ficou com a comunidade judaica enquanto eles cantavam juntos: “Ose shalom be Meromav” (“Faça a Paz em Seu céu”). Ironicamente, às vezes a resposta para nossas perguntas mais difíceis pode ser encontrada logo abaixo do nosso nariz. Às vezes, precisamos apenas abrir nossos ouvidos e ouvir as palavras que estamos cantando …

  • Ose shalom be Meromav” (“Faz a paz em Seu céu”). Significa que em nossa unidade e em nossa oração comum, podemos fazer a força superior trazer a paz acima;
  • Hu yaase shalom aleinu” (“Ele trará a paz sobre nós”), ou seja, a força superior trará paz a toda a humanidade;
  • Ve al kol Yisrael” (“e sobre todo Israel”), isto é, onde o papel do povo de Israel é unir-se;
  • Ve al kol yoshvei tevel” (“e para todas as pessoas no mundo”), ou seja, nosso papel não é receber a luz da unidade para nós mesmos, mas ser um canal para a luz se espalhar pelo mundo, ou seja, seja “uma luz para as nações”.
  • Ve imru amen” (“diga Amém”), ou seja, todos nós, judeus e nações do mundo, seremos verdadeiramente gratos por alcançar a tão esperada paz.

Amém.

2 Comentários

  1. Então os judeus teriam que mudar sua maneira orar e seu estilo de vida para acabar com o antissemitismo?

  2. Lucilene, judeus não precisam mudar a forma de orar, mas não somente judeus mas toda humanidade precisa mudar a intenção ao orar. Forma é apenas uma superficialidade, uma casca. A intenção correta por baixo dessa casca é que precisa ser reveada e difundida. E a Cabalá possui a ferramentas necessárias para isso.

Comente