Como Se Colocássemos Óculos E Começássemos A Ver

laitman_276.03Dois mil anos atrás, o Templo foi destruído e o povo de Israel começou a perambular pelo mundo. Nós nos acostumamos a viver no exílio entre outras nações e muitas vezes conseguimos fazer isso. Às vezes, pelo contrário, as nações do mundo acertaram as contas conosco. O ódio aos judeus cresceu constantemente, uma onda após a outra emergiu e, recentemente, um tsunami de antissemitismo tem aumentado.

O problema é que não estamos corrigindo a quebra. O antissemitismo é o resultado de nossa negligência da possibilidade de obter correção. O exílio terminou, mas apenas em potencial, não na prática. Muitos sonhariam em deixar a terra de Israel e voltar ao exílio. Afinal, a santidade está apenas na unidade que podemos construir entre nós. Sem unidade, não há santidade, e ainda estamos em destruição.1

De fato, a destruição foi uma correção. Você não pode chamá-la de corrupção, porque ainda não havia nada corrigido que pudesse ser corrompido. Foi a quebra do limite entre os desejos de receber e de doar, o limite entre o Criador e o ser criado, entre as propriedades do Criador e o ser criado. Portanto, foi apenas em prol da correção.

O desejo de desfrutar existia antes da quebra, só que estava oculto. Depois que foi revelado, o ser criado já podia começar a trabalhar nele e ascender ao Criador. Cada vez a criatura revela sua disparidade com o Criador, o que lhe dá a oportunidade de corrigir essa discrepância e se aproximar do Criador.

Essa disparidade já existia antes, mas agora foi revelada. Isto é, há uma revelação com relação ao ser criado, como se colocássemos óculos e começássemos a ver o mau funcionamento que não percebíamos antes. 2

A destruição do Templo representa a fusão de Bina com Malchut. Portanto, houve duas destruições, de acordo com os dois níveis nos Partzufim espirituais: Dalet-Gimel (4/3) e Gimel-Bet (3/2). O primeiro Templo foi destruído no nível de Mochin de Haya e o segundo no nível de Mochin de Neshama. Portanto, a destruição do Primeiro Templo foi muito mais poderosa e significativa. Mas a destruição do Segundo Templo foi mais significativa, pois representou uma saída completa da espiritualidade.

O Primeiro Templo é uma união espiritual na qual todos os desejos são combinados com a intenção de doar ao Criador no nível de Mochin de Haya. Houve uma enorme luta entre as pessoas e cada uma dentro de si, com o objetivo de manter essa unidade e não cair. Mas o egoísmo crescia constantemente e, no final, a destruição ocorreu. O povo de Israel foi para o exílio; isto é, havia uma lacuna entre os níveis – o Partzuf espiritual se exauria. Após o exílio, o povo estava retornando à espiritualidade, construindo um novo Templo. (O Primeiro Templo é como Malchey DHGT [Daat, Hesed, Gevura, Tifferet] e o Segundo Templo é Malchey TNHYM [Tifferet, Netzah, Hod, Yesod, Malchut] no mundo de Nekudim, que foi quebrado.

A destruição do Segundo Templo já era a saída final da espiritualidade – todos entraram em intenção para si mesmos. Desde então, toda a nação, com exceção de algumas pessoas especiais (os Cabalistas), entrou no processo de descida contínua das gerações.

É impossível comparar as gerações que viveram imediatamente após a destruição do Primeiro ou do Segundo Templo com nossos contemporâneos. Eles sentiam uma conexão muito maior um com o outro. A santidade ainda os iluminava de longe e as centelhas da destruição do Templo anterior caíram e causaram impacto. Portanto, ainda havia grandes pessoas nessas gerações, mesmo após a destruição do Segundo Templo. Vemos os grandes livros que eles deixaram para nós: Mishna e Talmud.

Muitos ainda estavam em realização espiritual. A queda não aconteceu instantaneamente. A luz estava saindo gradualmente do Partzuf, até que estávamos quase na escuridão total na época do Ari.

Do tempo de Baal Shem Tov em diante, o despertar de baixo começou. Baal Shem Tov fez um ótimo trabalho revivendo a espiritualidade e foi seguido por Baal HaSulam. Houve outros Cabalistas que viveram no tempo entre eles. O último grande Cabalista de nosso tempo foi o Rabash, que nos deixou todo o método de correção que usamos hoje. 3
Da 2ª parte da Lição Diária de Cabalá 21/07/19, “Dia Nove de Av”
1 Minuto 9:50
2 Minuto 12:50
3 Minuto 18:58

Comente