A Nova Guerra Contra Os Judeus (Times Of Israel)

O The Times de Israel publicou meu novo artigo: “A Nova Guerra Contra os Judeus

Os paralelos entre a ascensão do nazismo na década de 1930 e o clima político de hoje são claros. O extremismo político da esquerda e da direita começou a se firmar. O discurso civilizado entre os vários grupos se transformou em xingamentos, e os fantasmas do antissemitismo foram despertados, que muitos esperavam estar mortos e enterrados junto com o Terceiro Reich. Esses ecos do passado devem soar um alarme para os judeus em todo o mundo, especialmente nos Estados Unidos. Se a história se repetisse e o impensável ocorresse, quão perto estaríamos de outro Holocausto?

Antes e Agora

Steven Spielberg, que fundou a USC Shoah Foundation para preservar a memória do Holocausto, expressou profunda preocupação de que o genocídio seja tão possível hoje quanto na era nazista. “Quando o ódio coletivo se organiza e se industrializa, o genocídio se segue”, comentou Spielberg em uma recente entrevista à mídia. “Temos que levar isso mais a sério hoje do que acho que tivemos que levar em uma geração”, acrescentou.

Três meses após a chegada de Hitler ao poder na Alemanha, em 1933, um boicote nacional a empresas e profissionais judeus foi ordenado. A explicação oficial dos nazistas para os boicotes foi que eles foram implantados como uma reação às demandas das organizações judaicas nos EUA e na Grã-Bretanha de boicotar produtos fabricados na Alemanha devido à chegada dos nazistas ao poder (o que era verdade). Essa ação legitimou a atividade antijudaica e deu apoio oficial, que não existia até então, e marcou o início da guerra contra os judeus, quando a ideologia antissemita começou a penetrar na consciência alemã.

Os boicotes nazistas incluíam assédio e vandalismo a empresas, pessoas e instituições judaicas. Eles foram seguidos por uma espiral descendente de ações que levou à morte de seis milhões de nossos irmãos. É compreensível que, quando ouvimos a palavra “boicote”, ela ainda desencadeie um lembrete brutal do início do Holocausto.

Inimigos de Israel de Dentro e de Fora

Uma das principais diferenças entre os anos 1930 e hoje é que o Estado de Israel existe. Hoje, Israel é como os judeus da Alemanha na década de 1930: fica na linha de frente e supera o peso de uma nova guerra contra os judeus. Em vez de flagrante um antissemitismo, o ódio dos judeus foi repaginado sob o disfarce de antissionismo que os antissemitas de hoje dizem ser o apartheid judeu ou as políticas do governo de Israel. Isso pretende confundir o público e isolar Israel. No entanto, não devemos nos enganar: o antissionismo é o antissemitismo. Infelizmente, algumas organizações judaicas de extrema esquerda como J Street e IfNotNow, assim como ativistas e intelectuais israelenses, estão desempenhando um papel de liderança em campanhas globais de ódio, como o movimento BDS, que visa demonizar e isolar Israel.

Os estudantes israelenses atacados recentemente em Varsóvia por admitir que eram de Israel, e os judeus vestidos tradicionalmente brutalmente agredidos no Brooklyn, eram fáceis de identificar como judeus por suas roupas e idioma. Os judeus seculares não devem se confortar assim, nem devem se enganar acreditando que isso não pode acontecer com eles nos Estados Unidos.

Os judeus europeus também se dissociaram dos sinais de alerta na década de 1930. As Leis de Nuremberg de 1935 afirmavam que um avô judeu fez você judeu e comprou uma passagem só de ida para as câmaras de gás.

O que devemos reconhecer sobre a atual guerra contra os judeus? É potencialmente mais assustador do que a guerra nazista contra os judeus. O novo antissemitismo pode afetar qualquer judeu, em qualquer lugar, a qualquer hora, uma vez que ameaças estão chegando a nós de todos os lados, em todas as formas possíveis: do Islã radical, da extrema direita e da extrema esquerda, da política dominante, de forças econômicas e mesmo do mundo das artes e da academia.

A crescente influência do movimento BDS pressagia o perigo que pode estar à frente. Olhando mais de perto, revelamos que os boicotes estão funcionando de maneira eficaz: o maior banco da Europa, o HSBC, parou de investir na empresa de defesa israelense Elbit Systems, e a empresa de esportes alemã Adidas, encerrou seu patrocínio de 10 anos da Associação de Futebol de Israel (IFA). O movimento BDS recebe crédito por ambas as ações. A Soda Stream e Ahava transferiram suas fábricas da Cisjordânia para áreas sem disputas em Israel. Não podemos ser ingênuos e pensar que são campanhas apenas contra os assentamentos israelenses: é uma guerra contra a própria legitimidade do Estado judeu, que é constantemente apontada por organizações internacionais e falsamente acusada das piores atrocidades possíveis.

Todas as acusações contra os judeus pelos nazistas são ecoadas pelo movimento BDS contra Israel e judeus. Os nazistas alegavam que os judeus eram a raiz de todo mal, trouxeram a Primeira Guerra Mundial para a Europa, destruíram a economia alemã e minaram o país. Da mesma forma, os defensores da BDS afirmam que Israel está em guerra, explorando palestinos inocentes, extorquindo o mundo e cometendo genocídio.

A tendência antissemita nos Estados Unidos também é desfavorável. 19% dos americanos pensam que as pequenas lojas têm o direito de recusar o serviço aos judeus se negociar com eles for contra as crenças religiosas dos donos das lojas, de acordo com uma pesquisa recente publicada pelo Public Religion Research Institute.

É a Mesma Guerra em Israel ou na América: É O Nosso Destino Compartilhado

Além do impacto econômico, a influência mais retumbante da atividade do BDS está no mundo acadêmico ocidental, afetando estudantes e acadêmicos judeus. Pesquisadores seniores se recusam a manter vínculos com universidades de Israel e com pesquisadores israelenses, enquanto associações de estudantes pressionam pela marginalização de Israel. O Departamento de Análise Social e Cultural da Universidade de Nova York votou pelo boicote ao campus da universidade em Tel Aviv, e a Associação Americana de Professores Universitários emitiu uma declaração apoiando a decisão. O movimento de boicote abrange praticamente todos os campi de instituições acadêmicas dos EUA, incluindo Harvard, Princeton, Columbia e Yale. Também alcança os dormitórios dos estudantes, criando uma atmosfera hostil e violenta para estudantes judeus que apoiam publicamente Israel, e mesmo para aqueles que são simplesmente conhecidos como judeus.

Embora muitos judeus da diáspora afirmem ter problemas com o Estado de Israel, ou pelo menos suas políticas oficiais, muitos dos defensores do movimento de boicote não fazem essas distinções. Para eles, um judeu é um judeu, um bom judeu é um judeu morto, e um bom Israel é aquele que é varrido do mapa e apagado da realidade.

Israel é uma parte intrínseca da identidade judaica coletiva e é percebido dessa maneira pelas nações do mundo. Portanto, quando o julgamento é passado e o castigo imposto a Israel, ele recai sobre todo o coletivo judaico e não apenas sobre uma parte individual.

A crescente pressão contra os judeus e o Estado de Israel é um chamado de atenção para que possamos nos reunir e fazer perguntas essenciais: Quem somos? De onde viemos? Para onde estamos indo?

O povo judeu é um exemplo único. O fato de originalmente termos origens diferentes, unidos acima de nossas diferenças e nos tornarmos um povo, “como um homem com um coração”, nos torna únicos. Mas ser especial não significa que devemos desprezar os outros de cima; significa que devemos servir aos outros. Entregar esse exemplo de unidade sob a premissa de “ame o seu próximo como a si mesmo” é o que as nações do mundo exigem subliminarmente de nós. Elas sentem instintivamente que os judeus têm as chaves da paz e da prosperidade no mundo, e sua reclamação por não compartilhar isso se manifesta como antissemitismo.

Cabe a nós judeus nos unirmos acima de nossas diferenças mais uma vez. A única coisa que acabará com uma nova guerra contra os judeus é fazer com que todo o povo judeu seja um. Se pudermos encontrar dentro de nós esse desejo de unificar-se e atiçar suas chamas, nos tornaremos uma força positiva que permeará o mundo, e o ódio contra nós desaparecerá.

Como o Cabalista Yehuda Ashlag escreveu durante a Segunda Guerra Mundial em seu jornal de 1940, A Nação:

Também está claro que o enorme esforço que a estrada acidentada a nossa frente exige de nós implica uma unidade tão sólida e dura quanto o aço de todas as partes do país, sem exceção. Se não surgirmos com fileiras unidas em direção às poderosas forças que estão no nosso caminho para nos prejudicar, descobriremos que nossa esperança está condenada antecipadamente.

A partir dessa base e objetivo comuns, os judeus devem seguir um caminho compartilhado que não é motivado por medos e impulsos materialistas, mas pelo desejo de um espírito e visão comuns como um povo unificado e próspero para esta e as gerações futuras.

Comente