Israel É A Solução Para O Antissemitismo? (The Times Of Israel)

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “Israel É A Solução Para O Antissemitismo?”

“Vocês judeus, Hitler deveria ter acabado com vocês”, gritou um atacante enquanto pulverizava água no rosto de um homem judeu em Crown Heights, NY. Outros três judeus hassídicos foram socados no rosto a caminho da sinagoga de Williamsburg, em uma série renovada de ataques violentos contra judeus nos Estados Unidos. Na Alemanha, um rabino e seus dois filhos foram cuspidos e agredidos verbalmente quando saíram de uma sinagoga em Munique. Estes são apenas alguns exemplos de uma vasta lista de ataques antissemitas contra os judeus apenas nos últimos dias.

Alguém poderia perguntar qual deveria ser a resposta judaica a isso. O aumento do antissemitismo no mundo é um alerta para os judeus se mudarem para Israel? Claramente, a solução não é tão simples quanto empacotar e se mudar. Nossa única segurança duradoura depende de nos tornarmos um povo unificado onde quer que estejamos.

Organizações de pesquisa que avaliam o fanatismo e o ódio definem as condições enfrentadas pelas comunidades judaicas em todo o mundo, à luz do crescente antissemitismo, como “estado de emergência”. Várias pesquisas recentemente realizadas na Europa chegam à mesma conclusão: judeus na região vivem com medo e experimentam assaltos e perseguições cada vez mais frequentes e violentos apenas por causa de sua religião.

Nos EUA, a situação não é menos alarmante. Um número recorde de 1.879 incidentes antissemitas foi relatado em 2018, enquanto até agora este ano, não há sinais de melhora. Pelo contrário, a tendência está se fortalecendo de todas as direções.

Israel É Um Porto Seguro Para Os Judeus Da Diáspora?

Eu não vejo o Israel de hoje como um cumprimento do sonho do nosso fundador: um lar nacional que abraça e acomoda todos os judeus que desejam se mudar para Israel. Embora esteja claro que aqueles que fogem da ameaça e sem alternativa podem querer seguir sua aspiração sionista de se mudar para a Terra de Israel, recebendo um acolhimento oficial no país, o desafio do processo de absorção na sociedade israelense pode ser muito difícil.

Israel está longe de ser “a terra prometida … fluindo com leite e mel”, como descrito no Êxodo. Em vez de leite e mel, os israelenses enfrentam facas e foguetes. Além das constantes ameaças externas, profundas divisões internas e fricções fazem com que Israel se sinta como um pote prestes a transbordar.

Portanto, quão realista é esperar uma integração harmoniosa de novos imigrantes em uma sociedade profundamente dividida, sofrendo de uma falta de comunicação entre suas diferentes facções? Por exemplo, embora Jerusalém possa estar a apenas uma hora de distância de Tel Aviv, as duas maiores cidades estão separadas por mundos. Isto também é aplicável às áreas periféricas com respeito ao centro do país. A mentalidade e a percepção de suas populações são significativamente diferentes e pouco terreno comum para a compreensão mútua foi construído. A divisão é evidente em praticamente todas as áreas do espectro social e político de Israel.

Um Chamado Para Se Unir

A imigração maciça de todos os judeus do mundo para a Terra de Israel não deve ser considerada a solução e o propósito final. A única razão para a sobrevivência de perseguição e ódio do povo judeu ao longo da história até hoje é cumprir a missão para a qual a nação judaica foi concebida: unir-se “como um homem com um coração” e assim se tornar “uma luz para as nações”. Enquanto nos distanciamos deste objetivo, as nações do mundo nos pressionam através do antissemitismo para nos lembrar do nosso papel.

Em outras palavras, a solução para o antissemitismo não é uma questão de território. A solução pode ser encontrada na conexão do povo judeu além da consideração das fronteiras físicas. Isso só pode ser alcançado aproximando-se um do outro, de coração para coração, através da nossa compreensão, cuidado e reciprocidade mútua. Como o Cabalista Rav Yehuda Ashlag escreveu em seu artigo “A Nação”:

“É claro que o imenso esforço exigido de nós na estrada acidentada à frente requer uma unidade tão forte e sólida como o aço, de todas as facções da nação, sem exceção. Se não sairmos com fileiras unidas para as poderosas forças que estão no nosso caminho, estamos condenados antes mesmo de começarmos”.

Por essa razão, o ódio contra os judeus que surge cada vez mais enfatiza a urgência de agirmos e nos unirmos “como um homem com um só coração”. Quando alcançarmos esse estado de unidade e irradiarmos esse exemplo para o resto do mundo, isso será percebido como nossa contribuição final e mais valiosa para a humanidade. Então, e somente então, a animosidade contra nós desaparecerá.

Comente