“A Causa Dos Disparos Em Massa Recorrentes Na América (Parte 2)” (Newsmax)

Meu artigo na Newsmax: “A Causa Dos Disparos Em Massa Recorrentes Na América (Parte 2)

O clima político e social divisivo de hoje nos EUA, um caldeirão dentro de uma sociedade fervilhante que entra em erupção em tiroteios em massa recorrentes, se assemelha a uma versão moderna da antiga Babilônia, 4.000 anos atrás. Um olhar sobre como a crise foi tratada naquele importante período da história nos dará as chaves para uma coexistência mais harmoniosa hoje.

Os antigos babilônios começaram como uma civilização unida. No final, eles experimentaram um crescimento em seus egos. Como resultado, começaram a explorar uns aos outros para ganho pessoal e sentiram uma crescente divisão social com seus conflitos e dificuldades.

Incomodado com a crescente divisão e ódio na sociedade, um sábio babilônico, Abraão, começou a promover seu método – um método de conexão – que tinha como premissa a ideia de que, alcançando uma conexão entre a sociedade humana, alcançamos equilíbrio com a tendência de conexão da natureza e, assim, experimentamos uma infinidade de resultados positivos: paz, amor, felicidade e significado para citar alguns. Ele convidou qualquer um que quisesse aprender os caminhos da natureza: como a natureza é fundamentalmente uma qualidade de conexão, doação e amor, e como a sociedade humana poderia se elevar acima de seus impulsos divisivos para se harmonizar com a natureza.

As pessoas que vieram até Abraão formaram um grupo.

Este grupo ficou conhecido como “os judeus”, que significa “um povo unido” (a palavra hebraica para “judeu” [Yehudi] vem da palavra para “unido” [yihudi] [Yaarot Devash, Parte 2, Drush no. 2]). Isto é, os judeus nunca foram um povo biologicamente conectado, mas um ajuntamento de pessoas que sentiam os problemas das divisões crescentes de sua civilização, e que a solução para esses problemas estava em aprender e aplicar as leis da natureza à sociedade humana.

A rejeição de viver de acordo com um paradigma egoísta destrutivo, por um lado, e a atração pela ideia e método unificadores que Abraão ensinou, por outro, acabaram por se acumular na conquista, por um grupo, de uma percepção e sensação de vida novas e unificadas.

Eles aprenderam a não cair nas exigências do ego por autorrealização por conta dos outros, e também experimentaram novas sensações exaltadas além dos prazeres oferecidos em qualquer outro lugar, resultantes de seus esforços mútuos para se unir. Sua unidade então se espalhou por toda a consciência humana da época, como aparentemente do nada, as pessoas começaram a pensar e agir de forma mais positiva, pacífica e atenciosamente umas com as outras.

O sublime estado de unidade em expansão por toda a civilização humana veio e se foi, quando o ego humano acabou por ultrapassar o nível de unidade que o grupo liderado por Abraão alcançou.

No entanto, o imenso significado do que esse grupo conhecido como “os judeus” alcançou – a unidade acima da divisão – permaneceu ao longo da história, continuando em nossa era, como uma impressão inconsciente na humanidade. Em sua forma positiva, esta impressão é de que os judeus têm algo especial que outras nações não têm. Em sua forma negativa, esta impressão é de que os judeus são de alguma forma responsáveis ​​pelos infortúnios da sociedade. Todos os tipos de razões são apontadas a respeito do que há de errado com os judeus, dos judeus mantendo poder demais nos países em que foram assimilados, das conspirações judaicas, da cobiça judaica e de muitos outros. No entanto, a razão principal está no que fez os judeus “judeus” (isto é, “unidos”): que eles uma vez perceberam um método de conexão acima dos impulsos divisivos humanos, que se tornou a solução para os problemas da civilização humana e hoje se espera que eles façam isso de novo.

Como a sociedade humana acumula cada vez mais sofrimento e impressões negativas para a realização de seu desamparo e desespero – que nenhuma das chamadas “soluções” que tem para oferecer, sejam novas políticas, leis, armas ou tecnologias, funcionará para o benefício duradouro da sociedade – a demanda inconsciente sobre o povo judeu para implementar o método de conexão que uma vez alcançou cresce.

Neste momento, é difícil relacionar os tiroteios em massa ao papel dos judeus no mundo, mas a raiz da frustração, do ódio e do desespero que leva a tais manifestações está entrelaçada com o potencial que o povo judeu tem de inclinar a balança num sentido ou outro, para se tornar um exemplo a seguir.

Portanto, assim que nós, judeus, nos tornarmos uma força capaz de estabelecer a unidade acima do ego e da divisão social, pouparemos o mundo e nós mesmos de mais sofrimento e, além disso, traremos uma abundância de felicidade, confiança e harmonia na humanidade em um nível totalmente novo que nunca experimentamos antes. Eu espero que essa mudança positiva aconteça mais cedo ou mais tarde.

Este artigo é parte 2 de uma série. Para ler a Parte 1, clique aqui agora.

Comente