“2019: O Ano Em Que O Antissemitismo Se Tornou Tão Rotineiro Quanto O Café Da Manhã” (The Times Of Israel)

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “2019: O Ano Em Que O Antissemitismo Se Tornou Tão Rotineiro Quanto O Café Da ManhãRelatórios regulares de crimes e ameaças antissemitas convergiram para uma tendência premonitória característica dos nossos tempos. Se ele se dirige para um clímax destrutivo semelhante ao Holocausto, ou uma mudança positiva em direção a uma situação muito melhor para os judeus e as nações do mundo, é uma questão unicamente de como o povo judeu responde ao crescente ódio contra eles.

Historicamente, o antissemitismo é um fenômeno que passou por períodos de latência e que, depois, explode rapidamente em ondas de violência e medo. Nos últimos anos, assistimos a um surto moderno de antissemitismo, e hoje ele se tornou tão rotineiro quanto o café da manhã. Crimes e ameaças antissemitas tornaram-se eventos de casualidade que muitas vezes nem sequer merecem notícias.

Como acontece com qualquer problema, qual é o objetivo de um conjunto constante de relatórios sobre o problema, se estes não forem acompanhados de uma solução? Desde que eu encontrei tanto a causa fundamental do antissemitismo quanto sua solução na sabedoria da Cabalá que venho estudando nos últimos 40 anos, eu sinto como parte do meu dever trazer sua explicação única para o mundo, para que tanto judeus como não-judeus possam se relacionar com o fenômeno com compreensão e consciência, aprendendo exatamente quais botões pressionar para chegar a uma solução para o antissemitismo. Além disso, a solução para o antissemitismo é importante não só para os judeus, mas para todos os povos, pois vai diretamente de mãos dadas com uma vida muito melhor, mais feliz e confortável para todos.

Mas antes de discutir a solução, aqui estão alguns dados recentes que meus alunos reuniram sobre o fenômeno, a fim de mostrar suas proporções em escala global:

  • Na Inglaterra, um recorde de todos os tempos foi mais uma vez quebrado e, no primeiro semestre de 2019, 900 incidentes antissemitas foram registrados.
  • No Canadá, os números são semelhantes: apenas em 2018, 2.000 eventos antissemitas foram registrados, e no início deste ano, em julho, a corte canadense proibiu a marcação do vinho da Judéia e da Samaria como “Made in Israel”.
  • Duas emissoras da CNN se demitiram depois que uma delas divulgou mensagens de apoio a Hitler e a outra comparou judeus a porcos.
  • Em Miami, um homem na casa dos sessenta foi baleado do lado de fora da sinagoga.
  • O chefe da organização de direitos humanos Human Rights Watch se recusa a reconhecer o direito de existência de Israel. O chefe da organização é um judeu.
  • O movimento judeu e antissionista “If Not Now” está tentando influenciar a geração mais jovem de judeus americanos através de oficinas educacionais anti-Israel para instrutores.
  • Um museu judeu na Alemanha publicou uma exposição mostrando a relação entre judeus e dinheiro em uma visão negativa. A comunidade judaica não conseguiu fechar a exposição antissemita e, à luz do sucesso da exposição, ela será ampliada.
  • A ONU condenou Israel por violar os direitos das mulheres. Entre os eleitores para a condenação estavam a China, a Rússia e o Irã.
  • A questão então se torna, qual é a causa final e a mensagem embutida em tal crescente sentimento antissemita?

Eu falo e escrevo muito sobre o papel do povo judeu, que é unir-se (“ame ao próximo como a si mesmo” [Levítico 19:18]) e passar a unidade ao mundo (para ser uma “luz para as nações” [Isaías 42: 6]). Não é coincidência que o desdobramento diário dos eventos antissemitas corra paralelamente à divisão social e ao ódio que penetram as sociedades humanas desenvolvidas de um dia para o outro. Quanto mais o mundo sofre com o aumento da divisão, mais culpa instintiva os judeus deixam de desempenhar seu papel. Essa é a causa raiz do antissemitismo. Eu comunico esta mensagem regularmente sobre a fundação de explosões regulares de antissemitismo, a fim de apontar o caminho para a solução: um método de unir o povo judeu para que tal unidade se espalhe para a humanidade em geral, unindo suas crescentes divisões.

Da mesma forma, já que o antissemitismo é resultado das nações do mundo sentir inconscientemente que o povo judeu está falhando em desempenhar seu papel, muitos não-judeus ao longo da história expressaram sua demanda aos judeus de uma maneira que aponta diretamente à necessidade do povo judeu de se tornar um farol para a unidade se espalhar para o mundo.

Um exemplo é Vasily Shulgin. Shulgin, um nativo da Ucrânia, era membro sênior da Duma, uma Assembleia semi-representativa eleita na Rússia czarista, antes da Revolução Bolchevique de 1917. Shulgin orgulhosamente declarou-se antissemita, e em seu livro de 1929, O Que Não Gostamos Neles, analisou dezenas de artigos de sua percepção hostil dos judeus. Shulgin reclamou que os judeus no século XX se tornaram inteligentes, eficazes e enérgicos na exploração das ideias de outras pessoas. Mas ele protesta que “isso não é uma ocupação para ‘professores e profetas’, nem o papel de ‘guias dos cegos’, nem o papel de ‘portadores do coxo’”. [1]

Além disso, se parece haver uma contradição entre o ódio aos judeus e o desejo de vê-los como um povo destinado a liderar os cegos, Shulgin reitera essa exigência em seu livro de várias maneiras. Se os judeus levarem a humanidade ao seu destino, “deixem-nos [os judeus] … subirem à altura a que aparentemente escalaram [na antiguidade] … e imediatamente, todas as nações se apressarão a se pôr aos seus pés… ‘ Dê-nos a regra Judaica, sábia, benevolente, levando-nos ao Bem’. E todos os dias ofereceremos para eles, para os judeus, as orações: ‘Abençoe nossos guias e nossos professores, que nos conduzem ao reconhecimento de Sua bondade’”[2].

É uma maravilha que grandes ideólogos antissemitas sejam sensíveis ao potencial dos judeus, e desenvolvam uma atitude dupla em relação aos judeus: por um lado, o ódio pela forma atual dos judeus no mundo, e por outro lado, o reconhecimento da grandeza dos judeus. No entanto, é uma grandeza em potencial. Nós, judeus, precisamos descobrir por nós mesmos o que é que nos faz grandes, para realizar nosso potencial de se unir e passar a unidade ao mundo, implementando o método de conexão que uma vez recebemos, e que agora devemos despertar e inovar a fim de se adequar aos nossos tempos modernos. Em conjunto com o antissemitismo que cresce cada vez mais feroz a cada dia, devemos fortalecer nossa unidade em prol da unidade do mundo. Se fizermos isso, veremos o fim do antissemitismo, e não apenas ele terminará, mas se inverterá: todos aqueles que odeiam os judeus se tornarão amantes dos judeus, e todos esses pensamentos e esforços contra os judeus se tornarão pensamentos e esforços em apoio de um povo que traz unidade, paz, amor e felicidade ao mundo através de seus esforços para se unir.

[1] Shulgin, Vasily Vitalyevich, O Que Não Gostamos Neles… [trans. Michael Brushtein e Chaim Ratz] (São Petersburgo Rússia, Horse, 1992), 209.

[2] Shulgin, O Que Não Gostamos Neles…, 219.

Comente